Por uma gestão dos espaços públicos de uso coletivo: desenho e apropriação

Autores

  • Euler Sandeville Junior Universidade de São Paulo; Faculdade de Arquitetura e Urbanismo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.v0i19p60-73

Palavras-chave:

Gestão urbana, gestão da paisagem, espaço público, projeto, cultura e participação, paisagem e ambiente, estruturas urbanas, sistemas ecológicos urbanos

Resumo

A questão central que se propõe é a de uma conceituação e um método de abordagem da paisagem na perspectiva do sentido público do espaço, a partir de um processo de gestão e monitoramento continuado que contribua para projetar lugares públicos adequados à vida e viáveis na dinâmica social em que se inserem. Para tanto, procura-se repensar articuladamente dois grandes temas: - Questiona-se qual seja a relação intelectiva, sensível e projetual do arquiteto com a paisagem, propondo que o conhecimento disciplinar seja reinformado pelas características do lugar, respeitando-as, a partir de um jogo entre o desejável e o possível no projeto. Aponta-se para uma mudança epistemológica que implica a renovação dos instrumentos de intervenção no espaço, segundo a qual, tradicionalmente, a arquitetura concebe sua atuação como fundamentalmente o projeto do objeto. Esse pensar centrado na produção do objeto não seria suficiente para enfrentar os desafios da natureza, da produção, da apropriação do espaço. - Coloca-se como problema a desarticulação das ações do poder público, sua dificuldade de interpretar e atuar no espaço, de criar alternativas de baixo custo e integrativas, inclusivas da população. A dinâmica da vida urbana cria qualidades locais, com questões complexas as quais, apesar de demandarem ações diretivas voltadas para uma visão do todo do tecido urbano, devem ser reconhecidas, lidas e enfrentadas em sua especificidade. Essa capacidade de ver o geral e desenvolver o particular passa a ser indispensável à atuação do arquiteto, especialmente nos órgãos públicos. O fazer dos arquitetos tem de articular-se nos" interstícios políticos" e a experiência e a reflexão teórica acumuladas devem ser operativas para subsidiar estratégias novas de ação e abrir campo para novas iniciativas. Atuando a partir do existente e da transformação de seus processos, a produção do arquiteto passa a enriquecer e ser enriquecida pela dinâmica urbana, permitindo criar instrumentos e estratégias de qualificação da paisagem e não apenas a produção de objetos excepcionais nela inseridos. Quando trabalhamos na cidade, em um quadro institucional (político), enxergar a paisagem significa ter alternativas, para sua melhoria, que interfiram no processo de sua produção. Sustentamos que a GESTÃO desse processo, em médio prazo, é capaz de gerar, a custos menores, um impacto tão grande quanto o das grandes obras arquitetônicas e urbanísticas que visam criar fatos novos (SANDEVILLE JR., 2001), demandando novas formas de produção e atuação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CALDEIRA, Teresa P. R. A política dos outros – O cotidiano dos moradores da periferia e o que pensam do poder e dos poderosos. São Paulo: Brasiliense, 1984.

CÂNDIDO, Antonio. Parceiros do Rio Bonito. Estudo sobre o caipira paulista e a transformação dos seus meios de vida. São Paulo: Duas Cidades, 1987.

DEMO, Pedro. Pesquisa participante. Saber pensar e intervir juntos. Brasília: Liber Livro Editora, 2004.

FORMAN, Richard T. T.; GODRON, Michel. Landscape ecology. Nova York: John Wiley & Sons, 1986.

HOUGH, Michael. Naturaleza y ciudad. Planificación urbana y procesos ecológicos. Barcelona: Gustavo Gili, 1998.

KEINERT, T.; KARRUZ, A. P. (Org.). Qualidade de vida. Observatórios, experiências e metodologias. São Paulo: Annablume; Fapesp, 2002.

KOSIK, K. Dialética do concreto. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

LE GOFF, Jacques. A história nova. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Campinas: Editora Unicamp, 2003.

LLOYD, Christopher. As estruturas da história. Rio de Janeiro: Zahar, 1995.

LYLE, John Tillman. Design for human ecossystems. Landscape, land use, and natural resources. Nova York: Van Nostrand Reinhold Company, 1985.

LYNCH, K. A imagem da cidade. São Paulo: Martins Fontes, 1982.

MACHADO, Lucy Marion Calderini Philadelpho. A Serra do Mar paulista: Um estudo de paisagem valorizada. 1988. Tese (Doutorado) – Instituto de Geociências – Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 1988.

MCHARG, Ian L. Proyectar con la naturaleza. Barcelona: Gustavo Gili, 2000.

OLIVEIRA, Paulo de Salles. Vidas compartilhadas. Cultura e co-educação de gerações na vida cotidiana. São Paulo: Hucitec, 1999.

PANERAI, Philippe; DEPAULE, Jean-Charles; DEMORGON, Marcelle; VEYRENCHE, Michel. Elementos de analisis urbano. Madri: Instituto de Estudios de Administracion, 1983.

SANDEVILLE JÚNIOR, Euler. Paisagem. Paisagem e Ambiente, São Paulo: FAUUSP, n. 20, 2006.

SANDEVILLE JÚNIOR, Euler. Um roteiro para estudo da paisagem intra-urbana. Paisagens, São Paulo, 2004. Disponível em: 2004.

SANDEVILLE JÚNIOR, Euler. Paisagens e métodos. Algumas contribuições para elaboração de roteiros de estudo da paisagem intra-urbana. Paisagens, São Paulo, 2004. Disponível em: 2004.

SANDEVILLE JÚNIOR, Euler. Gestão de paisagens? A Natureza das dificuldades. Paisagens, São Paulo, 2003. Disponível em: 2003.

SANDEVILLE JÚNIOR, Euler. A gestão da paisagem – Uma experiência pioneira em São Paulo, SP. Revista Unibero de PósGraduação, São Paulo, v. 1, p. 41-59, 2001.

SANDEVILLE JÚNIOR, Euler. A herança da paisagem. 1993. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1993.

SANDEVILLE JÚNIOR, Euler. Paisagem e paisagismo: Questões de teoria e método. Conceituação do plano de pesquisa do mestrado. São Paulo: Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, 1987, inédito.

SANDEVILLE JUNIOR, Euler; ANGILELI, Cecília Maria de Morais Machado. Paisagem e lazer: Representações da metrópole (para os brasileiros de Brasilândia). Revista OLAM, Rio Claro, 2005.

SANTOS, C. N. F. dos (Coord.). Quando a rua vira casa. Apropriação de um centro de bairro. 3. ed. Rio de Janeiro: IBAM, 1985.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço. São Paulo: Edusp, 2002.

SANTOS, Milton. Espaço & Método. São Paulo: Nobel, 1985.

SEMPLA. Pesquisa exploratória da relação da população com a vegetação em São Miguel Paulista. São Paulo: Unesco/MAB, Sempla, FAUUSP, 1986.

SEVCENKO, Nicolau. A corrida para o século XXI. No loop da montanha-russa. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

SPIRN, Anne W. O jardim de granito. São Paulo: Edusp, 1995.

VILLAÇA, Flavio. Espaço intra-urbano no Brasil. 2. ed. São Paulo; Nobel; Fapesp; Lincoln Institute, 2001.

Downloads

Publicado

2006-06-01

Como Citar

Sandeville Junior, E. (2006). Por uma gestão dos espaços públicos de uso coletivo: desenho e apropriação. Pós. Revista Do Programa De Pós-Graduação Em Arquitetura E Urbanismo Da FAUUSP, (19), 60-73. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.v0i19p60-73

Edição

Seção

Artigos