A experiência do Serviço do Patrimônio Histórico Artístico e Nacional em São Paulo: o caso da restauração da Igreja de São Miguel, 1939-1941

Autores

  • Cristiane Souza Gonçalves

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.v0i19p92-111

Palavras-chave:

Patrimônio arquitetônico, preservação, restauração, SPHAN, Luis Saia

Resumo

O presente artigo - o primeiro de uma série de quatro textos - objetiva lançar luzes sobre as práticas de preservação do patrimônio arquitetônico, avaliando a experiência do então Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (SPHAN), em território paulista. Por meio da análise de uma de suas obras de restauração pioneiras, avaliaremos os primeiros anos de atuação da instituição, buscando compreender não somente a estruturação de seus procedimentos internos, a formação das equipes, e as dificuldades colocadas tanto pelos escassos recursos disponíveis quanto pela falta de experiências anteriores, mas, sobretudo, procurando identificar os conceitos que guiaram as propostas de intervenção realizadas, bem como as técnicas e os métodos utilizados que permitiram, efetivamente, a preservação desses bens. A obra em prol da Igreja de São Miguel - listada entre os primeiros bens descobertos pelo SPHAN -, contou com a participação ativa de Mário de Andrade, inaugurando, com o Convento de Embu, as atividades da regional paulista, e indicando os rumos dos futuros trabalhos realizados sob a direção do arquiteto Luis Saia. A continuidade dessas análises dar-se-á nos três artigos seguintes, no qual estudaremos as intervenções no conjunto do sítio e Capela de Santo Antônio, em São Roque, na Casa de Câmara e Cadeia de Atibaia, e na Fazenda Pau D'Alho, em São José do Barreiro, percorrendo, deste modo, a trajetória de atuação do então SPHAN sobre o patrimônio edificado, até meados da década de 70. Buscando destacar as conexões que as intervenções selecionadas guardam entre si, avaliaremos, enfim, o modo como foram absorvidas as formulações dos principais teóricos, desde Viollet-le-Duc, e as posturas das primeiras recomendações internacionais para intervenção no patrimônio, tendo, como pano de fundo, o contexto cultural específico, brasileiro, da primeira metade do século 20.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ÁVILA, Affonso. Barroco mineiro: Glossário de arquitetura e ornamentação. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro: Centro de Estudos Históricos e Culturais, 1996. 232 p.

ÁVILA, Affonso. Alvenaria e cantaria. Biblioteca de Instrução Profissional. 2. ed. Paris, Lisboa: Livrarias Aillaud e Bertrand, s/data. 254 p.

ANDRADE, Antonio Luiz Dias de. O nariz torcido de Lucio Costa. Sinopses, São Paulo, n. 18, p. 5- 17, dez. 1992.

ANDRADE, Antonio Luiz Dias de. Um estado completo que pode jamais ter existido. 1993. Tese (Doutorado) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1993.

ANDRADE, Mário de. Mário de Andrade: Cartas de trabalho: correspondência com Rodrigo Mello Franco de Andrade, 1936-1945. Brasília: Secretaria do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional/ Fundação Pró-Memória, 1981.

ANDRADE, Rodrigo Melo Franco de. Rodrigo e o SPHAN. Rio de Janeiro: MinC-SPHAN-FNPM, 1987b.

ANDRADE, Rodrigo Melo Franco de. Rodrigo e seus tempos. Rio de Janeiro: MEC-FNPM, 1986.

ARANTES, Antonio Augusto (Org.). Cidadania. Número temático da Revista do Patrimônio, Rio de Janeiro: SPHAN/Minc, n. 24, 1996. (Vários artigos)

ARANTES, Antonio Augusto (Org.). Revitalização da capela de São Miguel Paulista. Produzindo o passado: Estratégias de construção do patrimônio cultural. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1984, p. 149-174.

BOITO, Camillo. Os restauradores. 2. ed. Tradução Beatriz M. Kühl e Paulo M. Kühl. Cotia: Ateliê Editorial, 2003, 63 p.

BRANDI, Cesare. Teoría de la restauración. Madri: Alianza Editorial, 1996.

BRASIL, Ministério da Educação e Cultura. Secretaria do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Fundação Nacional próMemória. Proteção e revitalização do patrimônio cultural no Brasil: Uma trajetória. Brasília: MEC, 1980.

CAVALCANTI, Lauro. As preocupações do belo. Rio de Janeiro: Taurus, 1995. . (Org.). Modernistas na repartição. Rio de Janeiro: UFRJ, Paço Imperial, Tempo Brasileiro, 1993.

CAVALCANTI, Lauro. O cidadão moderno. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n. 24, p. 106-115, 1996.

CHOAY, Françoise. A alegoria do patrimônio. São Paulo: Estação Liberdade; Editora Unesp, 2001.

CORONA, Eduardo; LEMOS, Carlos A. C. Dicionário da arquitetura brasileira. São Paulo: Edart, 1972.

COSTA, Lúcio. A arquitetura dos jesuítas no Brasil. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Rio de Janeiro, n. 26, p. 105-169, 1997.

COSTA, Lúcio. Arquitetura. Lucio Costa. Rio de Janeiro: José Olímpio, 2002.

COSTA, Lúcio. Documentação necessária. In: Arquitetura Civil II. São Paulo: FAUUSP/MEC-IPHAN, 1975, p. 91-98.

DUARTE, Paulo. Mário de Andrade por ele mesmo. São Paulo: Hucitec/PMSP/Secretaria Municipal de Cultura, 1985.

FERNÁNDEZ, Rosa Amelia Flores. Estudo da taipa de pilão visando as intervenções em edificações de interesse cultural. 1995. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal da Bahia, 1995.

FICHER, Silvia. Ensino e profissão: O curso de engenheiro-arquiteto da Escola Politécnica de SP. 1989. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1989.

FONSECA, Maria Cecília Londres Fonseca. O patrimônio em processo: Trajetória da política federal de preservação no Brasil. Rio de Janeiro: UFRJ/IPHAN, 1997.

GONÇALVES, Cristiane Souza. Documentação do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional relativa aos bens tombados do estado de São Paulo. Acervo das Pastas Suspensas. 2003. Trabalho Programado 3. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

GONÇALVES, Cristiane Souza. Metodologia para a restauração arquitetônica: A experiência do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional em São Paulo, 1937-1975. 2004. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

GUEDES, Tarcila. O lado doutor e o gavião de penacho. Movimento modernista e patrimônio cultural no Brasil: O serviço do patrimônio histórico (SPHAN). São Paulo: Annablume, 2000.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL (Brasil). Cartas Patrimoniais. 2. ed. rev. aum. Rio de Janeiro: IPHAN, 2000. 384 p.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL (Brasil). Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Rio de Janeiro: IPHAN, n. 26, 455 p., 1997.

KANAN, Maria Isabel Corrêa. Argamassas, rebocos e tintas a base de cal. 1996. Apostila da Oficina de Cal, realizada no curso de especialização “Patrimônio Arquitetônico: Preservação e Restauro”, da Universidade Cruzeiro do Sul.

KANAN, Maria Isabel Corrêa. Projeto terracal. Problemas com argamassas e rebocos de cimento aplicados em alvenarias antigas. Apostila fornecida na Oficina de Cal do curso de especialização “Patrimônio Arquitetônico: Preservação e Restauro”, da Universidade Cruzeiro do Sul, 2002.

KATINSKY, Julio Roberto. Casas bandeiristas – Nascimento e reconhecimento da arte em São Paulo. São Paulo: IGEOG/USP, l976.

LEMOS, Carlos A. C. Alvenaria burguesa. São Paulo: Nobel, 1985.

LEMOS, Carlos A. C. Casa paulista. São Paulo: Edusp, 1999.

LEMOS, Carlos A. C. Notas sobre a arquitetura tradicional de São Paulo. São Paulo: FAUUSP, l984.

SAIA, Luis. Morada paulista. São Paulo: Perspectiva, 1972.

SAIA, Luis. Notas sobre a arquitetura rural paulista do segundo século. In: Arquitetura Civil I. São Paulo: FAUUSP/MEC-IPHAN, 1975a, p. 221-281.

SAIA, Luis. O alpendre nas capelas brasileiras. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro: IPHAN, n. 26, p. 60-67, 1997.

SANTOS, Mariza Veloso Motta. Nasce a Academia SPHAN. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro, n. 24, p. 77-95, 1996.

SCHMIDT, Carlos Borges. Construções de taipa – Alguns aspectos de seu emprego e da sua técnica. Monografias. Boletim de Agricultura, série 47-A, ano 1946, número único.

VIOLLET-LE-DUC, Eugène Emmanuel. Restauração. Tradução Beatriz M. Kühl. Cotia: Ateliê Editorial, 2000, 70 p.

WAGNER, Robert. Viagem ao Brasil – Rio de Janeiro e São Paulo nas aquarelas de Thomas Ender, 1817-1818. São Paulo: Kapa Editorial, 2003, 280 p.

WISNIK, Guilherme. Lucio Costa. São Paulo: Cosac & Naify, 2002, 128 p.

Downloads

Publicado

2006-06-01

Como Citar

Gonçalves, C. S. (2006). A experiência do Serviço do Patrimônio Histórico Artístico e Nacional em São Paulo: o caso da restauração da Igreja de São Miguel, 1939-1941. Pós. Revista Do Programa De Pós-Graduação Em Arquitetura E Urbanismo Da FAUUSP, (19), 92-111. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.v0i19p92-111

Edição

Seção

Artigos