A arquitetura eclética em Espírito Santo do Pinhal -SP: o casarão Alemeida Vergueiro

Autores

  • Camila Corsi Ferreira Universidade de São Paulo. Instituto de Arquitetura e Urbanismo.

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.v20i33p182-199

Palavras-chave:

Arquitetura paulista. Patrimônio histórico. Arquitetura residencial urbana. Ecletismo. Ciclo do café. Espírito Santo do Pinhal. Arquitetura – São Paulo (SP).

Resumo

Este trabalho tem como objetivo documentar e analisar o Casarão Almeida Vergueiro, no âmbito dos casarões urbanos financiados pela riqueza acumulada pelo café e construídos em Espírito Santo do Pinhal-SP, nas últimas décadas do século 19 e nas três primeiras décadas do século 20. Estes casarões constituem um significativo acervo arquitetônico na cidade e importante acervo arquitetônico do ecletismo e da história do ciclo cafeeiro no estado de São Paulo. O casarão foi edificado por volta de 1880, pelo coronel Joaquim José de Almeida Vergueiro, importante fazendeiro de café da região, sendo uma das mais antigas edificações remanescentes na cidade e uma das primeiras a utilizar o tijolo como sistema construtivo, em substituição à taipa. De uso residencial, foi erguido no alinhamento do lote e com porão, no estilo eclético em que predominam características classicizantes, o que indicaria o poder econômico e o cosmopolitismo do proprietário. No ano de 2009, foi solicitado ao Condephaat estudo para seu tombamento, pelo guichê no 01.013/09. Na ausência de dados, registros e documentação para a efetivação da análise, foram realizados levantamento métrico e fotográfico da edificação, bem como pesquisas sobre as transformações por que passou o edifício ao longo de sua história. Ao longo dos últimos anos, grande parte dessas edificações está sendo destruída ou descaracterizada. Com esta análise, buscamos destacar a importância do estudo da arquitetura da burguesia cafeeira, apontando para a necessidade de conscientização e preservação desse patrimônio, como documento histórico e arquitetônico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Corsi Ferreira, Universidade de São Paulo. Instituto de Arquitetura e Urbanismo.

Arquiteta e urbanista, graduada e mestre pela Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo (EESC-USP) , e doutoranda pelo Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (IAU-USP).

Referências

ALBERNAZ, Maria Paula; LIMA, Maria Cecília M. Dicionário Ilustrado de Arquitetura. São Paulo: ProEditores, 1998. 2 v.

ARANTES, Antonio Augusto (org.). Produzindo o passado: Estratégias de Construção do Patrimônio Cultural. São Paulo, Brasiliense, 1984. 225 p.

ARQUIVO DA CÂMARA MUNICIPAL DE ESPÍRITO SANTO DO PINHAL. Livros de Atas de Sessões Ordinárias e Extraordinárias. Anos de 1868 a 1930. Espírito Santo do Pinhal, A Câmara, s.d.

BARTHOLOMEI, Marly de Alencar Xavier. Espírito Santo do Pinhal – O Romance de Pinhal. São Paulo: Bellini Cultural, 2010. 392 p.

BENINCASA, Vladimir. Velhas fazendas: arquitetura e cotidiano nos campos de Araraquara 1830-1930. São Carlos: EdUFSCar; São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 2003. 403 p.

BORTOLUCCI, M. Ângela P. de Castro e Silva. Moradias urbanas construídas em São Carlos no período cafeeiro. 1991. 2 v. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Facu ldade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. São Paulo, 1991.

CALDEIRA, João Netto. Álbum de Espirito Santo do Pinhal. São Paulo: Organização Cruzeiro do Sul, 1936. 154 p.

CARTA DE VENEZA (1964). Documento de Restauro. Carta Internacional sobre Conservação e Restauração de Monumentos e Sítios. Veneza, 1964

CHOAY, Françoise. A Alegoria do Patrimônio. São Paulo: UNESP, 2001. 282 p.

CORONA, Eduardo; LEMOS, Carlos A.C. Dicionário da Arquitetura Brasileira. São Paulo: Edart, 1972. 472 p.

FABRIS, Annateresa ; LEMOS, Carlos A.C. Ecletismo na arquitetura brasileira. São Paulo: Nobel/ Edusp, 1987. 296 p.

FERREIRA, Camila Corsi. Arquitetura residencial urbana: Espírito Santo do Pinhal, 1880-1930. 2010. 531 p. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo. São Carlos, 2010.

FONSECA, Maria Cecília Londres. O Patrimônio em Processo – Trajetória Política Federal de Preservação no Brasil. Rio de Janeiro: UFRJ/Minc/IPHAN, 1997. 316 p.

HOMEM, Maria Cecília Naclério. O palacete paulistano e outras formas urbanas de morar da elite cafeeira: 1867-1918. São Paulo: Martins Fontes, 1996. 288 p.

KOCH, Wilfried. Dicionário dos estilos arquitetônicos. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2004. 230 p.

KÜHL, Beatriz Mugayar. Arquitetura do ferro e arquitetura ferroviária em São Paulo: reflexões sobre a sua preservação. São Paulo: Ateliê Editorial/Fapesp, 1998. 448 p.

LAPA, José Roberto A. A cidade: Os cantos e os antros: Campinas 1850-1900. São Paulo: EDUSP, 1996. 361 p.

LEMOS, Carlos A.C. Alvenaria burguesa. São Paulo: Nobel, 1989. 205 p.

LEMOS, Carlos A.C. Arquitetura brasileira. São Paulo: Melhoramentos, 1979. 158 p.

LEMOS, Carlos A.C. Casa paulista: história das moradias anteriores ao ecletismo trazido pelo café. São Paulo: EDUSP, 1999. 261 p.

LEMOS, Carlos A.C. Cozinhas, etc.: um estudo sobre as zonas de serviço da casa paulista. São Paulo: Ed. Perspectiva, 1976. 226 p.

LEMOS, Carlos A.C. História da casa brasileira. São Paulo: Editora Contexto, 1989. 83 p.

LEMOS, Carlos A.C. O que é Patrimônio Histórico. São Paulo, Brasiliense, 1981. 115 p.

LEMOS, Carlos A.C. A república ensina a morar (melhor). São Paulo, SP: Editora Hucitec, 1999. 108 p.

LESSA, Antonio Thomas Pacheco; CAMPOS, Tullio Theodoro de. Almanaque de Espírito Santo do Pinhal 1893-1894. Espírito Santo do Pinhal: s.c.p., 1894.

MARINS, Paulo César Garcez. Vida cotidiana entre os paulistas: moradias, alimentação, indumentária. In: SETUBAL, Maria Alice. Terra paulista: histórias, arte, costume. São Paulo: CENPEC/IMESP, 2004. 89-190 p.

MARTINS, Roberto Vasconcellos. Divino Espírito Santo e Nossa Senhora das Dores do Pinhal – História de Espírito Santo do Pinhal. São Paulo: Impressora Latina, 1986. 883 p.

MARX, Murillo. Cidade Brasileira. São Paulo: Ed. Melhoramentos, EDUSP, 1980. 151 p.

MONTE NEGRO, João Elisário de Carvalho. Álbum do Pinhal. 1903. 88 fotografias, p&b.

MOURA, Alypio O. Breve notícia. A República, Espírito Santo do Pinhal, 15 mar. 1903, ano I, n. 2.

PERROT, M. Maneiras de Morar. In: PERROT, M. (org.) História da vida privada. V. 4: Da Revolução Francesa à Primeira Guerra. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. 307-323 p.

PINHEIRO, Maria Lucia Bressan. A História da Arquitetura Brasileira e a Preservação do Patrimônio Cultural. Revista CPC, São Paulo, v.1, n.1, p. 41-74, nov. 2005/abr. 2006. Disponível em: http://www.usp.br/cpc/v1/php/wf07_revista_capa.php?id_revista=2. Acesso 3 set. 2006.

PUPPI, Marcelo. Por uma história não moderna da Arquitetura brasileira. Campinas, SP: UNICAMP, 1998. 192 p.

REIS FILHO, Nestor Goulart. Quadro da Arquitetura no Brasil” São Paulo: Ed. Perspectiva, 1997. 211 p.

RIZZONI, Ernesto (org.). Anuário Pinhalense – 1951” Folhetim de “A Folha”. Espírito Santo do Pinhal, [1951?].

RIZZONI, Ernesto (org.). Pinhal – História em notícia. Espírito Santo do Pinhal: Tip. Santa Luzia, [1950?].

RIZZONI, Ernesto (org.). Poliantéia do centenário do Pinhal 1849-1949. Espírito Santo do Pinhal, 1949.

SALVETTI, Amantino O. Pinhal no Passado. Espírito Santo do Pinhal: Gráfica Pinhal, 1994. 53 p.

SECKLER, Jorge e Cia. Almanach Administrativo, Commercial e Industrial da Província de São Paulo para o anno de 1885. Terceiro Anno. São Paulo: Editores – Proprietários, 1884.

TORRES, Valéria A. R.; TESSARINE, Luiz G. Espírito Santo do Pinhal: A Rainha da Serra. São Paulo: Nova América, 2006. 160 p.

Downloads

Publicado

2013-06-26

Como Citar

Ferreira, C. C. (2013). A arquitetura eclética em Espírito Santo do Pinhal -SP: o casarão Alemeida Vergueiro. Pós. Revista Do Programa De Pós-Graduação Em Arquitetura E Urbanismo Da FAUUSP, 20(33), 182-199. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.v20i33p182-199

Edição

Seção

Artigos