Expansão do senso comum: A violência sexual contra crianças e adolescentes interrogando o sujeito ético contemporâneo

Autores

  • Filipe Gonçalves de Souza Nogueira da Silva Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2237-2423.v9i9p20

Palavras-chave:

Violência sexual, Abuso sexual, Crianças e adolescentes, Senso comum, Sujeito ético

Resumo

O presente trabalho resulta de uma pesquisa de iniciação científica realizada por mim em 2012 a respeito de percepções de abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes. Parto do pressuposto de que a forma como socialmente nos relacionamos com a violência sexual contra crianças e adolescentes pode ser compreendida como uma expressão do senso comum, nos termos de Clifford Geertz em seu ensaio O senso comum como um sistema cultural. Fazendo uma genealogia de tal senso comum, chegamos à conclusão de que nossa relação com a violência sexual cria formas de sujeição bastante problemáticas e excludentes. Dados os limites na normalização desse sujeito, minha proposta é, a partir de indicações feitas por Michel Foucault, sugerir novas possibilidades de criação de um sujeito ético a partir de uma experiência de violência nesse contexto de saturação do senso comum. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARIÈS, Philippe. (1981). História Social da Criança e da Família. Tradução de FLASCKMAN, D. Rio de Janeiro, Jorge Zahar.

BICALHO, Pedro Paulo Gastalho de. (et al). (2012). Os direitos sexuais e o enfrentamento da violência sexual. Psicol. clin., Rio de Janeiro, v. 24, n. 1. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-56652012000100003&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 04 Fev. 2013.

CASTRO, Edgardo. (2009). Vocabulário de Foucault: um percurso pelos seus temas, conceitos e autores. Belo Horizonte, Autêntica.

DAS, Veena. (1999). Fronteiras, violência e o trabalho do tempo: alguns temas wittgensteinianos. Rev. bras. Ci. Soc., São Paulo, v. 14, n. 40, Jun, 1999, p. 31-42.

DAS. Veena. (2011). O ato de testemunhar: violência, gênero e subjetividade. Cad. Pagu, Campinas, n. 37, Dez. 2011 . Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332011000200002&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 07 Fev. 2013.

FELIPE, Jane. (2006). Afinal, quem é mesmo pedófilo?. Cad. Pagu [online]. n.26, pp. 201-223. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0104-83332006000100009> Acesso em 22 ago. 2012.

FORTES, Lore; AZEVEDO, (2009). Jennifer Campos de. Discursos e Representações Sociais sobre Pedofilia. In: XIV CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA, 2009, Rio de Janeiro. Anais.. [online]. Disponível em:

<http://www.sbsociologia.com.br/portal/index.php?option=com_docman&task=doc_download&gid=3429&Itemid=171>. Acesso em: 04 fev. 2013.

FOUCAULT, Michel. (1985). Microfísica do Poder. Rio de Janeiro, Edições Graal.

FOUCAULT, Michel. (1995). Michel Foucault entrevistado por Hubert L. Dreyfus e Paul Rabinow. In: DREYFUS, Hubert L.; RABINOW, Paul. Michel Foucault, uma trajetória filosófica: (Para além do estruturalismo e da hermenêutica). Rio de Janeiro, Forense Universitária, p. 253-278.

FOUCAULT, Michel. (2006a). 1984 - Entrevista com Michel Foucault. In: _____. Problematização do sujeito: psicologia, psiquiatria e psicanálise. Rio de Janeiro: Forense Universitária, p. 340-341.

FOUCAULT, Michel. (2006b) A Hermenêutica do sujeito. São Paulo, Editora Martins Fontes.

FOUCAULT, Michel. (2006c) História da sexualidade 2: o uso dos prazeres. Rio de Janeiro, Edições Graal.

FOUCAULT, Michel. (2010) Os anormais. São Paulo, Editora WMF Martins Fontes.

GEERTZ, C. (2004). O Saber Local: Novos ensaios de antropologia interpretativa. Petrópolis, Vozes.

GROS, Frédéric. (2006). Situação do curso. In: FOUCAULT, Michel. A Hermenêutica do sujeito. São Paulo, Editora Martins Fontes.

KAUFMANN, Pierre. (Ed.) (1996). Dicionário Enciclopédico de Psicanálise. O legado de Freud e Lacan. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor.

LANDINI, Tatiana Savoia. (2003). Pedófilo, quem és? A pedofilia na mídia impressa. Cad. Saúde Pública [online]. vol.19, suppl.2, p. S273-S282. ISSN 0102-311X. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2003000800009> Acesso em 22 ago. 2012.

LANDINI, Tatiana Savoia. (2005). Horror, honra e direitos. Violência sexual contra crianças e adolescentes no século XX. Tese (Doutorado em Sociologia) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8132/tde-11012006-194947/>. Acesso em: 22 ago. 2012.

LANDINI, Tatiana Savoia. (2011). O professor diante da violência sexual. 1. ed. São Paulo: Cortez Editora. v. 1. 112p.

LOWENKRON, L. (2011). Abuso sexual infantil, exploração sexual de crianças, pedofilia: diferentes nomes, diferentes problemas?. Sexualidad, Salud y Sociedad - Revista Latinoamericana, v. 5, p. 9-29. Disponível em: <http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/SexualidadSaludySociedad/article/viewArticle/394/804#sdfootnote1sym> Acesso em 22 ago. 2012.

LOWENKRON, L. (2011). (2012). O monstro contemporâneo: construção social da pedofilia em múltiplos planos. Tese de doutorado. Rio de Janeiro, PPGAS/MN/UFRJ.

MARQUES, Adalton José. (2009). Crime, proceder, convívio-seguro: um experimento antropológico a partir de relações entre ladrões. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8134/tde-15032010-103450/>. Acesso em: 15 Fev. 2013.

ONU. (2004). A Convenção sobre os Direitos da Criança. Organização das Nações Unidas. Disponível em: <http://www.unicef.pt/docs/pdf_publicacoes/convencao_direitos_crianca2004.pdf> Acesso em 14 Fev. 2013.

POLLAK, Michael. (1989). Memória, Esquecimento, Silêncio. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, vol. 2, n. 3, p. 3-15.

POLLAK, Michael. (2010). A gestão do indizível. In: WebMosaica. Revista do Instituto Cultural Judaico Marc Chagall. v.2 n.1 (jan-jun), p. 9-49.

RIFIOTIS, Theóphilos. (1997). Nos Campos da Violência: Diferença e Positividade. In: Antropologia em Primeira Mão (Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social/UFSC), (19): 1-19. Disponível em: <http://www.cfh.ufsc.br/~levis/downloads/artigos/NCVDP.pdf> Acesso em: 25 mar. 2012.

RIFIOTIS, Theóphilos. (2004). As delegacias especiais de proteção à mulher no Brasil e a ‘judicialização’ dos conflitos conjugais. Revista Estado e Sociedade. UnB, v.19, n.1, p. 85-119.

RIFIOTIS, Theóphilos. (2008a). Violência e poder: avesso do avesso? In: NOBRE, R. F. (org.) O poder no pensamento social: Dissonâncias. Belo Horizonte, Editora UFMG.

RIFIOTIS, Theóphilos. (2008b). Judiciarização das relações sociais e estratégias de reconhecimento: repensando a 'violência conjugal' e a 'violência intrafamiliar'. Rev. katálysis, Florianópolis, v. 11, n. 2, Dez.

ROSE, N. (1988). Governando a alma: a formação do eu privado. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). Liberdades Reguladas. Petrópolis, Vozes, p. 30-45.

Downloads

Publicado

2019-03-20

Como Citar

Silva, F. G. de S. N. da. (2019). Expansão do senso comum: A violência sexual contra crianças e adolescentes interrogando o sujeito ético contemporâneo. Primeiros Estudos, 9(9), 23-42. https://doi.org/10.11606/issn.2237-2423.v9i9p20

Edição

Seção

Artigos