Associação entre resiliência, religiosidade e adesão terapêutica em pacientes submetidos à hemodiálise

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v100i2p119-127

Palavras-chave:

Diálise renal, Resiliência psicológica, Religião, Cooperação e adesão ao tratamento, Hemodiálise

Resumo

Objetivo: Avaliar o nível de resiliência e de religiosidade em pacientes com insuficiência renal crônica, bem como investigar a influência destes elementos na adesão ao tratamento e à terapia farmacológica. Método: O estudo é de abordagem descritiva, transversal e correlacional. Foram incluídos 60 pacientes em hemodiálise. Utilizou-se o prontuário eletrônico para levantamento do início do tratamento e das faltas, bem como os instrumentos: questionário para caracterização pessoal, Escala de Resiliência de Wagnild e Young, Escala de Religiosidade de Duke e Escala de Adesão à Terapêutica de oito itens de Morisky. A análise dos dados iniciou-se com a estatística descritiva, seguida do teste de correlação de Spearman (p<0,05) e da regressão linear. Resultados: A idade média encontrada foi de 59,3 ± 12,5 anos e 66,7% eram do sexo masculino. Constatou-se que houve associação entre resiliência e as variáveis sexo (r=0,281, p=0,030) e status de saúde autorreferido (r=0,424, p=0,01), sendo que a categoria “Independência e determinação” correlacionou-se às faltas nas sessões (r=0,290, p=0,024). Houve também correlação entre a adesão farmacológica e à religiosidade não organizacional (r=0,262, p=0,043) e entre a religiosidade intrínseca e a idade dos pacientes (r=0,300, p=0,020). A regressão linear evidenciou a colaboração da Religiosidade não organizacional na variação da pontuação obtida no domínio “Independência e determinação” (β=0,445, p<0,05). Conclusão: As associações encontradas entre as variáveis sugerem que abordar a religiosidade e resiliência no cuidado com o paciente pode auxiliar a melhorar o padrão de adesão ao tratamento hemodialítico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Vilas Bôas, Hospital de Clinicas de Itajubá, Departamento de Psicologia

Hospital de Clínicas de Itajubá, Departamento de Psicologia, Itajubá, MG. 

Maria Vilela Pinto Nakasu, Faculdade de Medicina de Itajubá (FMIt), Departamento de Psicologia

Faculdade de Medicina de Itajubá, Departamento de Psicologia. Itajubá, MG. 

Referências

World Health Organization. 2008-2013 Action Plan for the global strategy for the prevention and control of noncommunicable diseases. WHO Global Report, 2005.

Sesso RC, Lopes AA, Thomé FA, Lugon JR, Martins CT. Inquérito Brasileiro de Diálise Crônica. J Bras Nefrol. 2017;38:54-61. doi: 10.1590/2175-8239-jbn-2018-0178.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Especializada e Temática. Diretrizes Clínicas para o Cuidado ao paciente com Doença Renal Crônica – DRC no Sistema Único de Saúde. 2014 [citado 08 out. 2019]. Disponível em: https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2014/marco/24/diretriz-cl--nica-drc-versao-final.pdf.

Andreoli MCC, Nadaletto MA. Serviço de diálise peritoneal do hospital do rim e hipertensão e fundação Oswaldo Ramos - UNIFESP/EPM. São Paulo; 2011 [citado 26 out. 2019]. Disponível em: http://www.sbn.org.br/Publico/dia-lise.html.

Campos CGP, Mantovani MF, Nascimento MEB, Cassi CC. Representações sociais sobre o adoecimento de pessoas com doença renal crônica. Rev Gaúcha Enferm. 2015;36(2):106-12. doi: 10.1590/1983-1447.2015.02.48183.

Marinho CLA, Oliveira JF, Borges JES, Silva RS, Fernandes FECV. Qualidade de vida de pessoas com doença renal crônica em hemodiálise. Rev Rene. 2017; 18(3):396-403. doi: 10.21675/2357-707X.2018.v9.n2.1078.

Medeiros CMMF, Arantes EP, Tajra RD, Santiago HR, Carvalho AF, Liborio AB. Resilience, religiosity and treatment adherence in hemodialysis patients: a prospective study. Psychol Health Med. 2017;22:570-7. doi: 10.1080/13548506.2016.1191658.

González-Flores CJ, Ureña-Rodríguez MG, Meda-Lara R. Resiliencia y enfermedad renal crónica: una revisión sistemática. Rev Ibero Psic. 2018;11(2):79-86. doi: 10.1007/s00125-015-3846-7.

Ferreira C, Guanilo MEE, Silva DMGV, Gonçalves N, Boell JEW, Maye BLD. Avaliação de esperança e resiliência em pessoas em tratamento hemodialítico. Rev Enferm UFSM. 2018;8(4). doi 10.5902/2179769230592.

Musa AS, Pevalin DJ, Murad AA, ,Khalaileh MAAK. Spiritual well-being, depression, and stress among hemodialysis patients in Jordan. J Hol Nurs. 2017. doi: 10.1177 / 0898010117736686.

Siqueira J, Fernandes NM, Moreira-Almeida A. Association between religiosity and happiness in patients with chronic kidney disease on hemodialysis. J Bras Nefrol. 2018;41(1):22-8. doi: 10.1590/2175-8239-jbn-2018-0096.

Chequini MCM. A relevância da espiritualidade no processo de resiliência. Psicol Rev. 2014;16(2):93-117. doi: 10.22409/1984-0292/v31i2/5690.

Teixeira FIR, Lopes MLH, Silva GAS, Santos RF. Sobrevida de pacientes em hemodiálise em um hospital universitário. J Bras Nefrol. 2015;37(1): 64-71. doi: 10.5935/0101-2800.20150010.

Pesce RP, Assis SG, Avanci JQ, Santos NC, Malaquias JV, Carvalhaes R. Adaptação transcultural, confiabilidade e validade da escala de resiliência. Cad Saúde Pública. 2005;21(2):436-48. doi: 10.1590/S0102-311X2005000200010.

Moreira-Almeida A, Peres MF,Aloe F, Lotufo NF, Koenig HG. Versão em português da Escala de Religiosidade da Duke: DUREL. Rev Psiq Clín. 2008;35(1):31-2. doi: 10.1590/S0101-60832008000100006.

Oliveira-Filho AD, Barreto-Filho JA, Neves SJF, Lyra DP J. Relação entre a Escala de adesão terapêutica de oito itens de Morisky (MMAS-8) e o controle da pressão arterial. Arq Bras Cardiol. 2012;99(1):649-58. doi: 10.1590/S0066-782X2012005000053.

Brasil. Ministério da Saúde. Ministério da Saúde incentiva homens a cuidar da saúde. Brasília; 2016 [citado 18 out. 2019]. Disponível em: http://www.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/26209-ministerio-da-saude-incentiva-homens-a-cuidar-da-saude.

Oliveira CG, Pinheiro LO, Pereira SGS, Costa FM, Lima CA, Carneiro JA. Avaliação do impacto da insuficiência renal crônica na qualidade de vida de pacientes em hemodiálise. J Health Sci Inst. 2015;33(2):151-5. doi: 10.1590/S0103-21002008000500012.

Sgnaolin V, Prado AE, Figueiredo L. Adherence to pharmacological treatment in adult patients undergoing hemodialysis. J Bras Nefrol. 2012;34(2):109-16. doi: 10.1590/S0101- 28002012000200002.

Martins MT, Silva LF, Kraychete A, Reis D, Dias L, Schnitman G, et al. Potentially modifiable factors associated with nonadherence to phosphate binder use in patients on hemodialysis. BMC Nephrol. 2013. doi: 10.1186/1471- 2369-14-208.

Raymundo AN, Pierin AMG. Adherence to anti-hypertensive treatment within a chronic disease management program: a longitudinal, retrospective study. Rev Esc Enferm USP. 2014;48(5):811-9. doi: 10.1590/S0080- 623420140000500006.

Bampi SC, Leal LF, Falavigna M, Araujo LPR, Eick R, Kuhmmer R, et al. Avaliação da adesão medicamentosa em pacientes portadores de insuficiência renal crônica submetidos à hemodiálise. Rev Bras Farm Hosp. 2015;6(4):12-17. doi: 10.1590/S0103-21002010000400016.

Nagasawa H, Tachi T, Sugita I, Esaki H, Yoshida A, Kanematsu Y. et al. The Effect of Quality of Life on Medication Compliance Among Dialysis Patients. Front Pharmacol. 2018;9. doi: 10.3389/fphar.2018.00488.

Böell J, Silva D, Hegadoren K. Sociodemographic factors and health conditions associated with the resilience of people with chronic diseases: a cross sectional study. Rev Latinoam Enferm. 2016;24:2786. doi: 10.1590/1518-8345.1205.2786.

Gomes ICC, Lanzotti BR, Orlandi SF. Resilience in patients with chronic kidney disease in hemodialysis. Int J Res Med Sci. 2017;11(5). doi: 10.1155/2013/124973.

Ma LC, Chang HJ, Liu YM, Hsieh HL, Lo L, Lin MY, et al. The relationship between health-promoting behaviors and resilience in patients with chronic kidney disease. Sci World J. 2013. doi:10.1155/2013/124973.

Souza FSL, Souza JF, Dionízio RA. Atenção da enfermagem ao paciente portador de doença renal crônica em uso de método dialético por fístula arteriovenosa. Rev Educ Meio Amb Saúde. 2018;8(2):59-83.

Griffiths FE, Boardman FK, Chondros P, Dowrick CF, Densley K, Hegart K L, et al. The effect of strategies of personal resilience on depression recovery in an Australian cohort: A mixed methods study. Health. 2015;19(1):86-106. doi: 10.1177/1363459314539774.

Brasileiro TOZ, Prado AAO, Assis BB, Nogueira DA, Lima RS, Chaves ECL. Effects of prayer on the vital signs of patients with chronic kidney disease: randomized controlled trial. Rev Esc Enferm USP. 2017;51:e03236. doi: 10.5752/P.2175-5841.2012v10n28p1280.

Santos R.I., Costa O. R. S. Avaliação da Resiliência em Pacientes com Insuficiência Renal Crônica Submetidos à Hemodiálise. Rev Ciênc Saúde. 2016;6(1):5-13. doi: 10.21876/rcsfmit.v6i1.461.

Andrade S, Sesso R, Diniz D. Hopelessness, suicide ideation, and depression in chronic kidney disease patients on hemodialysis or transplant recipients. J Bras Nefrol. 2015;37(1):55-63. doi: 10.5935 / 0101-2800.20150009.

Bazrafshan MR, Jahangir F, Mansouri A, Kashfi SH. Coping strategies in people attempting suicide. Int J High Risk Behav Addict. 2014;9;3(1):e16265. Disponível em: http:// www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4070193/pdf/ ijhrba-03-01-16265.pdf. doi: 10.5812/ijhrba.16265.

Fontes AP, Neri AL. Resiliência e velhice: revisão de literatura. Cien Saude Coletiva. 2015;20(5):1475-95. doi: 10.1590/1413-81232015205.00502014.

Black G, Davis BA, Heathcotte K, Mitchell N, Sanderson C. The relationship between spirituality and compliance in patients with heart failure. Prog Cardiovasc Nurs. 2006;21(3):128-33. doi: 10.1111/j.0889-7204.2006.04804.x.

Kretchy I, Owusu-Daaku F, Danquah S. Spiritual and religious beliefs: Do they matter in the medication adherence behaviour of hypertensive patients? Bio Psycho Social Med. 2013;7. doi: 10.1186/1751-0759-7-15.

Vieira DCR, Aquino TAA. Vitalidade subjetiva, sentido na vida e religiosidade em idosos: um estudo correlacional. Temas Psicol. 2016;24(2):483-94. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-389X2016000200005&lng=pt. doi: 9788/TP2016.2-05Pt.

Sowa A, Golinowska S, Deeg D, Principi A, Casanova G, Schulmann K, et al. Predictors of religious participation of older Europeans in good and poor health. Eur J Ageing. 2016;13(2):145-7. doi: 10.1007 / s10433-016-0367-2.

Best M, Butow P, Olver I. Do patients want doctors to talk about spirituality?: a systematic literature review. Patient Educ Couns. 2015;98(15):1320-8. doi: 10.1016/j.pec.2015.04.017.

Roberts KC, Rao DP, Bennett TL, Loukine L, Jayaraman, GC. Prevalence and patterns of chronic disease multimorbidity and associated determinants in Canada. Health Promot Chronic Dis Prev Can. 2015;35(6):87-94. doi: 10.24095/hpcdp.35.6.01.

Chaves CLC, Paulino CF, Souza VHS, Mesquita AC, Carvalho FS, Nogueira DA. Qualidade de vida, sintomas depressivos e religiosidade em idosos: um estudo transversal. Texto Contexto Enferm (Florianópolis). 2014;23(3):648-55. doi: 10.1590/0104-07072014001000013.

Boell, JEW. Fatores associados à resiliência de pessoas com diabetes mellitus. Florianópolis [Tese]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem; 2017.

Almeida KC, Sousa MN, Oliveira T, Bezerra AL, Nunes RM, Medeiro RC. Atitude religiosa de pessoas com doença renal crônica em tratamento hemodialítico. Rev Enf UFPI. 2016;5(2):4-10. doi: 10.26694/reufpi.v5i2.5042.

Publicado

2021-05-20

Como Citar

Bôas, G. V. ., & Nakasu, M. V. P. (2021). Associação entre resiliência, religiosidade e adesão terapêutica em pacientes submetidos à hemodiálise. Revista De Medicina, 100(2), 119-127. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v100i2p119-127

Edição

Seção

Artigos/Articles