Tiro cruzado: as dinâmicas de violência armada letal envolvendo a juventude brasileira

Autores

  • Maria Fernanda Tourinho Peres Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina
  • Mariana Thorstensen Possas Universidade Federal da Bahia
  • Ana Clara Rebouças de Carvalho Universidade Federal da Bahia
  • Fernanda Lopes Regina Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina
  • Maíne Souza Universidade Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.i129p15-28

Palavras-chave:

Violência letal, Taxas de homicídio, Regulação da morte, Letalidade juvenil

Resumo

No Brasil, as mortes violentas intencionais interpessoais, ou homicídios, constituem um fenômeno social cotidiano, que fica dissolvido em outras tantas causas de mortes que enfrentamos atualmente. Desde os anos 80, assistimos a um crescimento das taxas de homicídios, atingindo o pico em 2017. Vivemos há 30 anos um estado de violência letal endêmica, que afeta especialmente a juventude negra e pobre, sem conseguir produzir uma compreensão do problema e reação política à altura. Ao contrário, a cultura da morte permanece ativada e especialmente reproduzida em determinados espaços da sociedade. Os efeitos da dinâmica “tráfico-polícia” são a grande causa das mortes dos jovens, e sua produção é acompanhada do diagnóstico genérico “combate ao tráfico de drogas”, cujo relato inclui as justificativas morais, políticas e jurídicas para a manutenção desse contínuo e perverso ciclo de violência letal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Fernanda Tourinho Peres, Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina

Professora do Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP)

Mariana Thorstensen Possas, Universidade Federal da Bahia

Professora do Departamento de Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Ana Clara Rebouças de Carvalho, Universidade Federal da Bahia

Professora da UFBA

Fernanda Lopes Regina, Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da FMUSP.

Maíne Souza, Universidade Federal da Bahia

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da UFBA

Referências

ADORNO, S; DIAS, C. “Monopólio estatal da violência”, in R. S. de Lima; J. L. Ratton; R. G. Azevedo (orgs.). Crime, polícia e justiça no Brasil. São Paulo, Contexto, 2014.

BEATO, C. C.; ZILLI, L. F. “A estruturação de atividades criminosas: um estudo de caso”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 27, n. 80, 2012, pp. 71-88.

CANO, I.; SANTOS, N. “Políticas de segurança pública no Brasil: tentativas de modernização e democratização versus a guerra contra o crime. Sur, Rev. Int. Dir. Human., v. 3, n. 5, Dec. 2006, pp. 136-55.

CANO, I.; SANTOS, N. Violência letal, renda e desigualdade no Brasil. Rio de Janeiro, 7 Letras, 2001.

DIAS, C. C. “Ocupando as brechas do direito formal: o PCC como instância alternativa de resolução de conflitos”. Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, 2(4), 2009, pp. 83-105.

JESUS, M. G. M de. “O que está no mundo não está nos autos: a construção da verdade jurídica nos processos criminais de tráfico de drogas”. Tese de doutorado. São Paulo, USP, 2016.

MACHADO DA SILVA, Luiz A. “Um problema na interpretação da criminalidade urbana violenta”. Sociedade e Estado, v. 10, n. 2, 1995.

MISSE, M. “Mercados ilegais, redes de proteção e organização local do crime no Rio de Janeiro. Estudos Avançados, v. 21, n. 61. São Paulo, IEA/USP, dez./2007, pp. 139-57.

MISSE, M. “Crime, sujeito e sujeição criminal: aspectos de uma contribuição analítica sobre a categoria ‘bandido’”. Lua Nova, v. 79, 2010, pp. 15-38.

MISSE, M. et al. Quando a polícia mata: homicídios por autos de resistência no Rio de Janeiro (2001-2011). Rio de Janeiro, NECVU/Booklink, 2013.

SAPORI, L. F.; SENA, L. L.; SILVA, B. F. A. da. “Mercado do crack e violência urbana na cidade de Belo Horizonte”. Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, vol. 5, n. 1, 2012, pp. 37-66.

SOARES, G. A. D. Não matarás: desenvolvimento, desigualdade e homicídios. Rio de Janeiro, FGV Editora, 2008.

TELLES, V. S. da; HIRATA, D. V. “Ilegalismos e jogos de poder em São Paulo”. Tempo Social, 22(2), 2010, pp. 39-59.

UNODOC. Global study on homicide. ONU, 2019. Disponível em: https://www.unodc.org/unodc/en/data-and-analysis/global-study-on-homicide.html.

WAISELFISZ, J. J. Mapa da violência dos municípios brasileiros 2008. São Paulo, Instituto Sangari, 2008.

ZALUAR, A.; MONTEIRO, M. “Mortes prematuras e conflito armado pelo domínio das favelas no Rio de Janeiro”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 28, n. 81, 2013, pp. 17-31.

Downloads

Publicado

2021-10-15

Como Citar

Peres, M. F. T., Possas, M. T., Carvalho, A. C. R. de, Regina, F. L. ., & Souza, M. (2021). Tiro cruzado: as dinâmicas de violência armada letal envolvendo a juventude brasileira. Revista USP, 1(129), 15-28. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.i129p15-28

Edição

Seção

Dossiê Segurança Pública