Sobre a fragilidade da democracia brasileira diante da crise do coronavírus

Autores

  • Diego Moraes Universidade de São Paulo
  • José Álvaro Moisés Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.i131p121-138

Palavras-chave:

democracia, cultura política, crise, pandemia, covid-19

Resumo

O presente artigo discute em que medida a experiência da crise do coronavírus tem afetado o apoio à democracia no Brasil. Partimos da abordagem da cultura política afim de examinar se elementos de uma cultura democrática têm sido importantes para evitar a deterioração da legitimidade democrática no país. Verificamos que há um cisma entre Apoio Difuso e Específico no Brasil, sendo que as variáveis de cultura democrática contribuem para a proteção do primeiro, mas não do segundo. Ademais, os efeitos deletérios da crise, sobretudo os econômicos, contribuem para minar o Apoio Difuso, mas não o Específico. Esses achados parecem estar relacionados com o fato de que o atual governo federal brasileiro possui nítidas tendências autoritárias e neopopulistas, de modo que não apenas os dois tipos de apoio não convergem, mas a experiência da crise os afeta de maneira distinta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diego Moraes, Universidade de São Paulo

É pesquisador do Instituto Sivis e colaborador do Grupo de Pesquisa da Qualidade da Democracia do Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP.

José Álvaro Moisés, Universidade de São Paulo

É professor do IEA/USP, professor titular aposentado do Departamento de Ciência Política da USP e coordenador do Grupo de Pesquisa da Qualidade da Democracia do IEA/USP.

Downloads

Publicado

2021-12-10

Como Citar

Moraes, D., & Moisés, J. Álvaro. (2021). Sobre a fragilidade da democracia brasileira diante da crise do coronavírus. Revista USP, 1(131), 121-138. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.i131p121-138

Edição

Seção

Dossiê pandemia: valores em crise