Estudos Pós-Coloniais e Antirracismo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2237-1095.v9p340-353

Palavras-chave:

Direitos Humanos, Racismo, Antirracismo, Estudos Culturais, Decolonialidade.

Resumo

O presente texto reflete sobre a área dos estudos pós-coloniais. Para diversos autores consideram que a crítica pós-colonial é uma forma ou um produto da resistência ao colonialismo e ao imperialismo. Para outros, o objetivo da compreensão da crítica pós-colonial é associá-la com o momento do passado e o presente que prefacia as críticas feitas pelas teorias multiculturais. Neste texto trazemos também uma reflexão acerca de possíveis estratégias feministas, decoloniais e antirracistas que permitem considerar toda narrativa opressiva que está inscrita no campo das heranças e atualizações das práticas colonialistas e que precisam ser enfrentadas na contemporaneidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gislene Aparecida dos Santos, Universidade de São Paulo

Graduada e mestre em Filosofia, doutora em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano e Livre docência em Filosofia pela Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil. Atualmente é pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas das Políticas Públicas para a Inclusão Social e é docente do curso de Gestão de Políticas Públicas, dos Programas de Pós-Graduação em Direitos Humanos e de Pós-Graduação Humanidades, Direitos e Outras Legitimidades da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Referências

Anderson, Benedict. (2008). Comunidades imaginadas. São Paulo: Companhia das Letras.

Ballestrin, Luciana. (2013). “América Latina e o giro decolonial”. Rev. Bras. Ciênc. Polít., 11, pp. 89-117. Acessado em 12 de Janeiro de 2019, de: http://www.scielo.br/pdf/rbcpol/n11/04.pdf

Brand, Dionne. (1991). No Burden to Carry: Narratives of Black Working Women in Ontario 1920s to 1950s (excerpts). Em Dionne Brand. No Burden to Carry Narratives of Black Working Women in Ontario 1920s to 1950s. (pp. 20-28). Toronto: Women's Press.

Carone, Iray., & Bento, Maria Aparecida. (2002). Psicologia Social do Racismo. Petrópolis: Vozes.

Carty, Linda., & Brand, Dionne. (1993). Visible Minority Women: A Creation of the Canadian State. Em Himani Bannerji. The Gaze: Returning the Gaze, Essays on Racism, Feminism and Politics. (pp. 207-222). Toronto. Sister Vision Press: Black Women and Women of Colour Press.

Carty, Linda. (1991). Black Women in Academia: A Statement from the Periphery. Em Himani Bannerji e cols. Unsettling Relations: The University as a Site of Feminist Struggle. Ed. (pp-13-41). Toronto: Women's Press.

Castro-Gómez, Santiago., & Grosfoguel, Ramón. (coords.) (2007). El giro decolonial: reflexiones para uma diversidad epistêmica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre, Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos, Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar. Acessado em 17 de maio de 2019, de: https://www.academia.edu/1832666/El_pensamiento_decolonial_desprendimiento_y_apertura_Un_manifiesto

Collins, Patricia Hill. (2000a). The Social Construction of Black Feminist Thought, Em: Black Feminist Thought: Knowledge, Consciousness and the Politics of Empowerment. (pp. 1-21). Nova Iorque: Routledge.

Collins, Patricia Hill. (2000b). Black Women and Motherhood. Em Black Feminist Thought; Knowledge, Consciousness and the Politics of Empowerment. (pp. 173-200). Nova Iorque: Routledge.

Collins, Patricia Hill. (1990) Black Feminist Thought. New York: Routledge.

Fanon, Frantz. (1983). Pele Negra. Máscaras Brancas. Rio de Janeiro: Fator.

Fanon, Frantz. (2006). Os condenados da terra. Juiz de Fora: EUFJF.

Hall, Stuart. (1992) The West and the Rest: Discourse and Power. Stuart Hall., & Gieben, Bram. (eds.) Formations of Modernity. Understanding Modern Societies an Introduction. (pp. 275-331). Open University/Polity Press.

Hall, Stuart. (2003). Diáspora. Belo Horizonte: Humanitas

Hall, Stuart. (2004). A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A.

Maldonado-Torres, Nelson. (2007). Sobre la colonialidade del ser: contribuiciones al desarrolo de um concepto. Em Santiago Castro-Gómez., & Ramón Grosfoguel. (Orgs.) El giro decolonial: reflexiones para uma diversidad epistêmica más allá del capitalismo global. (pp. 127-167). Bogotá: Siglo del Hombre, Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos, Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar. Acessado em 17 de maio de 2019, de: https://www.academia.edu/1832666/El_pensamiento_decolonial_desprendimiento_y_apertura_Un_manifiesto

Mignolo, Walter. (1993). Colonial and postcolonial discourse: cultural critique or academic colonialism?. Latin America Research Review, 28 (3): 120-134. Acessado em 11 de maio de 2019, de: https://ailleurs.hypotheses.org/files/2016/09/Mignolo_Colonial-and-Postcolonial-Discourse-Cultural-Critique-or-Academic-Colonialism.pdf

Mignolo, Walter. (2007). El pensamiento decolonial: desprendimiento y apertura. Un manifiesto. Em Santiago Castro-Gómez., & Ramón Grosfoguel. (coords.). El giro decolonial: reflexiones para uma diversidad epistêmica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos, Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar. Acessado em 17 de maio de 2019, de: https://www.academia.edu/1832666/El_pensamiento_decolonial_desprendimiento_y_apertura_Un_manifiesto

Oliveira, Maria., Meneghel, Stela., & Bernardes, Jefferson. (2009). Modos de subjetivação de mulheres negras: efeitos da discriminação racial. Psicologia & Sociedade, 21(2), 266-274. https://doi.org/10.1590/S0102-71822009000200014

Quijano, Anibal. (2000). Colonialidad del poder y clasificación social. Journal of world-systems research, 11(2), 342-386. Acessado em 24 de junho de 2019, de: https://doi.org/10.5195/jwsr.2000.228

Quijano, Anibal. (2005). Dom Quixote e os moinhos de vento na América Latina. Estud. Avançados, 19(55), 9-31. Acessado em 24 de junho de 2019, de: https://doi.org/10.1590/S0103-40142005000300002

Quijano, Anibal., & Wallerstein, Immanuel. (1992). Americanity as a concept, or the Americas in the modern world-system. International Social Science Journal, 44(4), 549 - 557. Acessado em 16 de março de 2019, de: https://www.javeriana.edu.co/blogs/syie/files/Quijano-and-Wallerstein-Americanity-as-a-Concept.pdf

Santos, Gislene Aparecida. (2002a). Selvagens, exóticos, demoníacos: ideias e imagens sobre uma gente de cor preta. Estudos Afro-asiáticos, 24(2), 275-289. Acessado em 24 de junho de 2019, de: https://doi.org/10.1590/S0101-546X2002000200003

Santos, Gislene Aparecida. (2002b). A invenção do ser negro. São Paulo-Rio de Janeiro: EDUC-PALLAS-FAPESP.

Santos, Gislene Aparecida. (2004). Mulher negra. Homem branco. Rio de Janeiro: Pallas.

Santos, Gislene Aparecida. (2012). Reconhecimento, utopia, distopia. São Paulo: Annablume/FAPESP.

Santos, Gislene Aparecida. (2008). Racism and Its Masks in Brazil. Em Jerome Branche. (Ed.). Race, Colonialism, and Social Transformation in Latin America and the Caribbean. Gainesville: University Press of Florida.

Santos, Gislene Aparecida. (2013). Eichmann, o Racismo Institucional e as Políticas Públicas: reflexões sobre o PIMESP e outras políticas. Revista Gestão & Políticas Públicas, 3(1), 113-131. Acessado em 21 de Agosto de 2019, de: https://www.revistas.usp.br/rgpp/article/view/97889

Spivak, Gayatri C. (2010). Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG. Acessado em 30 de fevereiro de 2019, de: https://joaocamillopenna.files.wordpress.com/2013/10/spivak-pode-o-subalterno-falar.pdf

Young, Robert. (2008). Postcolonialism. An Historical Introduction. Padstow: Blackwell Publishing. Acessado em 30 de fevereiro de 2019, de: https://pt.scribd.com/document/394696993/Robert-J-C-Young-Postcolonialism-an-Historical-Introduction-Wiley-Blackwell-2001

Wane, Njoki. (2008). Mapping the field of Indigenous knowledges in anti‐colonial discourse: a transformative journey in education. Race Ethnicity and Education, 11(2),183-197. Acessado em 21 de Agosto de 2019, de: https://doi.org/10.1080/13613320600807667

Wane, Njoki. (2009). Black Canadian feminist thought: perspectives on equity and diversity in the academy, Race Ethnicity and Education, 12(1), 65-77. Acessado em 21 de Agosto de 2019, de: https://doi.org/10.1080/13613320802650964

Downloads

Publicado

2019-12-31

Como Citar

Santos, G. A. dos. (2019). Estudos Pós-Coloniais e Antirracismo. Revista Gestão & Políticas Públicas, 9(2), 340-353. https://doi.org/10.11606/issn.2237-1095.v9p340-353

Edição

Seção

Ensaios