“Questão Social”, Autoritarismo e Pensamento Político e Social Brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/rgpp.v10i2.184122

Palavras-chave:

Autoritarismo, Questão social, Democracia, Revolução burguesa, Modernização conservadora

Resumo

O artigo que segue se trata de uma reflexão a partir da “questão social” sobre como autoritarismo e democracia coexistem no Brasil. Busca através de interlocutores do pensamento político e social brasileiro analisar o nosso processo sociohistórico, considerando nossa formação social e o modo de produção que estrutura e organiza a sociedade. Entendida como o campo em que o capitalismo reproduz-se e se reifica, portanto, o lócus da luta de classes, contrastando a miséria e a exploração à opulência e a produção em escala, a “questão social” surge como categoria e objeto da reflexão e intervenção conservadora da burguesia e das ciências sociais. Dado que a “questão social” é inerente ao capitalismo, cumpre analisar o desenvolvimento histórico da ordem burgo-capitalista nos parâmetros da nossa formação e modo de produção, posto que é nesse campo que autoritarismo e democracia se chocam, articulam-se e se renovam.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mario Miranda Antonio Junior, Universidade Federal de São Paulo

Graduada em Sociologia e Política pela Fundação Escola de Sociologia e Política, São Paulo, SP, Brasil. É mestrando no Programa de Pós-Graduação em Serviço Social e Políticas Sociais e pesquisador no Grupo de Pesquisa em Violência de Estado, Direitos Humanos e Educação Popular da Universidade Federal de São Paulo, Santos, SP, Brasil.

Referências

Agostini, Manuela R., Vieira, Luciana., & Bossle, Marília B. (2016). Social innovation as a process to overcome institutional voids: a multidimensional overview. RAM. Revista de Administração Mackenzie, 17(6), 72-101. Acessado em 9 de Março de 2020, de: https://doi.org/10.1590/1678-69712016/administracao.v17n6p72-101

Anistia Internacional. (2015). Informe 2014/15: O estado dos direitos humanos no mundo. Acesso em 20 de Fevereiro de 2019, de: https://anistia.org.br/wp-content/uploads/2015/02/Web-Informe-2015-03-06-final.pdf

Anistia Internacional. (2015). Relatório da Anistia Internacional aponta que as polícias brasileiras são as que mais matam no mundo. Acesso em 20 de Fevereiro de 2019, de: https://www.amnesty.org/en/latest/news/2015/09/amnesty-international-releases-new-guide-to-curb-excessive-use-of-force-by-police/

Anistia Internacional. (2018). Informe 2017/18: O estado dos direitos humanos no mundo. Acesso em 20 de novembro de 2019, de: https://anistia.org.br/wp-content/uploads/2018/02/informe2017-18-online1.pdf

Cardoso, Fernando Henrique. (1975). Autoritarismo e Democratização. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Costa-Chicareli, Semiramis., & Silva, Alessandro Soares da. (2017). A Pastoral Carcerária e a Luta por Justiça e Dignidade no Sistema Prisional Brasileiro. Revista Gestão & Políticas Públicas, 7(2), 162-194. Acesso em 20 de novembro de 2019, de: https://www.revistas.usp.br/rgpp/article/view/174584

Deo, Anderson. (2011). A consolidação da social democracia no Brasil: forma tardia de dominação burguesa nos marcos do capitalismo de extração prussiano-colonial. Tese (doutorado). Universidade Estadual Paulista. Brasil. Acesso em 20 de Fevereiro de 2019, de: http://hdl.handle.net/11449/101001

Fernandes, Florestan. (2006). A revolução burguesa no Brasil. São Paulo: Globo.

Folha de São Paulo (2016, 28 de outubro). Polícia brasileira mata em 6 dias o mesmo que a britânica em 25 anos. Acesso em 20 de Fevereiro de 2020, de: https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2016/10/1827203-policia-brasileira-mata-em-6-dias-o-mesmo-que-a-britanica-em-25-anos.shtml

Fórum Brasileiro de Segurança Pública. (2019). 13º Anuário Brasileiro de Segurança Pública. Acesso em 20 de Fevereiro de 2020, de: http://www.forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2019/10/Anuario-2019-FINAL_21.10.19.pdf

Furlan, Vinícius. (2018). Uma Análise Psicopolítica do Fascismo Brasileiro. Revista Gestão & Políticas Públicas, 8(1), 39-53. Acesso em 20 de Fevereiro de 2020, de: https://www.revistas.usp.br/rgpp/article/view/174794

Galvão, Nina. (2020). Lembrar “Para Que” ou “Em Nome do Que”? Reflexões Sobre os Sentidos Políticos da Memória. Acesso em 2 de Agosto de 2020, de: Revista Gestão & Políticas Públicas, 10(1), 88-103. https://doi.org/10.11606/rgpp.v10i1.176779

Holanda, Sérgio Buarque. (1963). Raízes do Brasil. Brasília: Editora da UnB.

Iamamoto, Marilda Villela. (2010). Serviço Social em tempo de capital fetiche. São Paulo: Cortez.

Ianni, Octavio. (1986). Classe e Nação. Petrópolis: Vozes.

Marx, Karl. (1989). O Capital, livro I - O processo de produção do Capital. Vol. II. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Meirelles, Domingos. (1995). A noite das grandes fogueiras: uma história da Coluna Prestes. São Paulo: Record.

Melo, Felipe Athayde Lins de. (2020). A burocracia penitenciarista. Estudo sobre a configuração da gestão prisional no Brasil. Curitiba: Brazil Publishing.

Netto, José Paulo. (2001). Cinco notas a propósito da "questão social". Revista Temporalis, 2(3), 41-50. Acesso em 20 de Fevereiro de 2019, de: http://cressmt.org.br/novo/wp-content/uploads/2018/08/Temporalis_n_3_Questao_Social.pdf

Netto, José Paulo. (1996). Capitalismo monopolista e Serviço Social. São Paulo: Cortez.

Oliveira, Beatriz Besen de. (2019). A Demão Invisível do Mercado: desregulamentação do mundo do trabalho, políticas de austeridade e ativismo jurídico. Revista Gestão & Políticas Públicas, 9(1), 16-31. Acesso em 20 de Fevereiro de 2019, de: http://10.11606/rgpp.v9i1.175156

Prado Júnior, Caio. (1962). Evolução Política do Brasil. São Paulo: Brasiliense.

Silva, Alessandro Soares da. (2012). Psicologia Política, Movimentos Sociais e Políticas Públicas. Tese (Livre Docência). Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Silva, Alessandro Soares da., & Braga, Victória Lustosa. (2019). Memorial da Resistência: um instrumento de políticas de memória, de educação em direitos humanos e de luta contra o esquecimento. Revista Gestão & Políticas Públicas, 9(1), 101-122. Acesso em 12 de Fevereiro de 2020, de: https://doi.org/10.11606/rgpp.v9i1.176278

Vianna, Oliveira. (1987). Instituições Políticas Brasileiras. Rio de Janeiro: EdUFF.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

Antonio Junior, M. M. (2020). “Questão Social”, Autoritarismo e Pensamento Político e Social Brasileiro. Revista Gestão & Políticas Públicas, 10(2), 310-326. https://doi.org/10.11606/rgpp.v10i2.184122

Edição

Seção

Artigos