Terapia ocupacional com idosos em processos de terminalidade, morte e luto

percepções de egressas da USP-SP quanto à formação oferecida

Autores

  • Jean Barroso de Souza USP - Universidade de São Paulo
  • Marina Picazzio Perez Batista
  • Maria Helena Morgani de Almeida

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v30i1p45-52

Palavras-chave:

Terapia Ocupacional;, morte, idoso, luto, ensino

Resumo

Objetivou-se conhecer aspectos que nortearam a prática de egressas do curso de Terapia Ocupacional da USP, com idosos em processos de terminalidade, morte e luto, durante e após a graduação e percepções sobre a formação oferecida para atuarem com essa população. O estudo possui caráter qualitativo, exploratório e descritivo. A coleta de dados se deu por meio de entrevista semiestruturada. As informações foram gravadas, transcritas e seu conteúdo analisado por meio de análise temática. Evidenciou-se que temas relacionados aos processos de terminalidade, morte e luto foram frequentes nos atendimentos prestados às pessoas idosas. As concepções de morte, a empatia e os recursos que acessavam no âmbito não profissional, tais como sua rede de suporte, foram mencionados como aspectos que influenciavam sua intervenção.  Algumas egressas consideraram a formação oferecida pelo curso como suficiente, por ser generalista e permitir reflexões para atuação em processos de perdas enquanto outras apontaram para a insuficiência da abordagem desse tema em sua prática como terapeutas ocupacionais. Mencionaram que vivências práticas, supervisões e atividades extracurriculares auxiliaram a atuação profissional. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Nogueira ACN, Oliveira LM, Pimentel V. O profissional da saúde e a finitude humana: a negação da morte no cotidiano profissional da assistência hospitalar. Textos Contextos (Porto Alegre). 2006;5(6):1-11. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fass/article/view/1026/806.

Gutierrez PL. O que é o paciente terminal? Rev Assoc Med Bras. 2001;47(2):92-6. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302001000200010.

Camarano AA, organizadora. Cuidados de longa duração para população idosa: um novo risco social a ser assumido? Rio de Janeiro: IPEA; 2010. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/livros/livro_cuidados.pdf.

Gomes MCPA, Thiollent MJM. Cuidados paliativos: o desafio do cuidado de idosos na terminalidade da vida. Diálogo. 2018;35(1):29-38. http://dx.doi.org/10.18316/dialogo.v0i37.4222.

Santos SS. Concepções teórico-filosóficas sobre envelhecimento, velhice, idoso e enfermagem gerontogeriátrica. Rev Bras Enferm. 2010;63(6):1035-9. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672010000600025.

Ciosak SI, Braz E, Costa MFBNA, Nakano NGR, Rodrigues J, Alencar RA, et al. Senescência e senilidade: novo paradigma na Atenção Básica de Saúde. Rev Esc Enferm USP. 2011;45(2):1763-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342011000800022.

Perdicaris AAM. A semiótica da morte e do morrer: um desafio à comunicação institucional. In: Rezende VL, organizador. Reflexões sobre a vida e a morte: abordagem interdisciplinar do paciente terminal. Campinas: UNICAMP; 2000. p.107-17.

Bifulco VA, Iochida LC. A Formação na graduação dos profissionais de saúde e a educação para o cuidado de pacientes fora de recursos terapêuticos de cura. Rev Bras Educ Méd. 2009;33(1):92-100. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022009000100013.

Poletto S, Bettinelli LA, Santin JR. Vivências da morte de pacientes idosos na prática médica e dignidade humana. Rev Bioét. 2016;24(3):590-95. http://dx.doi.org/10.1590/1983-80422016243158

Hammill K, Bye R, Cook C. Occupational Therapy for People Living with a Life-Limiting Illness: A Thematic Review. Br J Occup Ther. 2014;77(11):582-9. https://doi.org/10.4276/030802214X14151078348594.

Sartori AV, Battistel ALHT. A abordagem da morte na formação de profissionais e acadêmicos da enfermagem, medicina e terapia ocupacional. Cad Ter Ocup UFSCar. 2017;25(3):497-508. https://doi.org/10.4322/2526-8910.ctoAO0770.

Eva G, Morgan D. Mapping the scope of occupational therapy practice in palliative care: A European Association for Palliative Care cross-sectional survey. Palliat Med. 2018;32(5):960-8. doi: https://doi.org/10.1177/0269216318758928.

OTAL. Position Statement: Occupational therapy in palliative care. Aust Occup Ther J. 2015;62(6):459-61. doi: https://doi.org/10.1111/1440-1630.12264.

Bye RA. When clients are dying: occupational therapists' perspectives. OTJR. 1998;18(1):3-24. https://doi.org/10.1177/153944929801800101.

Gil AC. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas; 2008.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: LDA; 2009.

Rebelo JE, Lancman S, Batista MPP. Perspectivas sobre as estruturas não governamentais e a ação comunitária no apoio ao luto sadio em Portugal e o “Modelo Vivencial do Luto Sadio”. Rev Ter Ocup Univ São Paulo. 2017;28(1):1-8. https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v28i1p1-8.

Zorzo JCC. O processo de morte e morrer da criança e do adolescente vivências dos profissionais de enfermagem [Dissertação]. Ribeirão Preto: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo; 2004. doi: https://doi.org/10.11606/D.22.2004.tde-07072004-114012.

Araújo PVR, Vieira MJA. Questão da morte e do morrer. Rev Bras Enferm. 2004;57(3):361-3. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672004000300022.

Treggalles K, Lowrie D. An exploration of the lived experience of professional grief among occupational therapists working in palliative care settings. Aust Occup Ther J. 2018;65 (4):329-37. doi: https://doi.org/10.1111/1440-1630.12477.

Saraiva LA, Nunes MLT. A supervisão na formação do analista e do psicoterapeuta psicanalítico. Estud Psicol (Natal). 2007;12(3):259-68. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-294X2007000300008.

Downloads

Publicado

2020-08-12

Como Citar

Souza, J. B. de, Batista, M. P. P., & Almeida, M. H. M. de. (2020). Terapia ocupacional com idosos em processos de terminalidade, morte e luto: percepções de egressas da USP-SP quanto à formação oferecida. Revista De Terapia Ocupacional Da Universidade De São Paulo, 30(1), 45-52. https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v30i1p45-52

Edição

Seção

Artigo Original