Repercussões de doença renal crônica na rotina familiar de crianças em hemodiálise

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v31i1-3p24-30

Palavras-chave:

Criança, Família, Doença renal crônica

Resumo

Nesta pesquisa objetivou-se analisar as repercussões da DRC na rotina familiar de crianças em tratamento de hemodiálise. Trata-se de um estudo exploratório, com abordagem qualitativa dos dados. Participaram 10 responsáveis/cuidadores principais de crianças com DRC em tratamento de hemodiálise, em um hospital de referência no tratamento de doenças renais pediátricas em Belém/PA. As categorias analisadas evidenciam a percepção das cuidadoras sobre as principais alterações na rotina familiar, são elas: “A percepção das cuidadoras sobre as principais alterações na rotina familiar”; “Os dias mais preocupantes” e “Os dias mais tranquilos”. Seus conteúdos incluem o abandono de atividades significativas, alterações nas Atividades de Vida Diária como alimentação, a mudança de cidade e consequentemente o afastamento da criança e cuidadora dos demais membros da família. Considera-se relevante o conhecimento deste tema pelos terapeutas ocupacionais pois, uma vez conhecidas as repercussões ocupacionais da DRC na rotina familiar as intervenções podem ser aprimoradas e favorecer uma atenção mais humanizada e sistematizada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Heloisa Sâmella Santos dos Santos, Universidade Federal do Pará.

Artigo referente ao TCC de Bacharel em TO, apresentado à Universidade Federal do Pará (UFPA), Faculdade de Fisioterapia e Terapia Ocupacional do Instituto de Ciência da Saúde.
Terapeuta ocupacional pela Universidade Federal do Pará (UFPA). 

Larice Pinto de Almeida, Universidade Federal do Pará.

Artigo referente ao TCC de Bacharel em TO, apresentado à Universidade Federal do Pará (UFPA), Faculdade de Fisioterapia e Terapia Ocupacional do Instituto de Ciência da Saúde.
Terapeuta ocupacional pela Universidade Federal do Pará (UFPA).

Fernanda do Socorro Carvalho da Silva, Secretaria de Estado de Saúde Pública (SESPA). Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará (FSCMP)

Artigo referente ao TCC de Bacharel em TO, apresentado à Universidade Federal do Pará (UFPA), Faculdade de Fisioterapia e Terapia Ocupacional do Instituto de Ciência da Saúde.
Secretaria de Estado de Saúde Pública (SESPA), Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará (FSCMP).

Elson Ferreira Costa, Universidade do Estado do Pará.

Artigo referente ao TCC de Bacharel em TO, apresentado à Universidade Federal do Pará (UFPA), Faculdade de Fisioterapia e Terapia Ocupacional do Instituto de Ciência da Saúde.
Universidade do Estado do Pará (UEPA), Doutor em Teoria e Pesquisa do Comportamento pela Universidade Federal do Pará (UFPA).

Luisa Sousa Monteiro Oliveira, Universidade Federal do Pará. Instituto de Ciências da Saúde. Faculdade de Fisioterapia e Terapia Ocupacional

Artigo referente ao TCC de Bacharel em TO, apresentado à Universidade Federal do Pará (UFPA), Faculdade de Fisioterapia e Terapia Ocupacional do Instituto de Ciência da Saúde.
Mestra em Teoria e Pesquisa do Comportamento pela Universidade Federal do Pará (UFPA), Professora Assistente I da UFPA,vinculada ao Instituto de Ciências da Saúde, Faculdade de Fisioterapia e Terapia Ocupacional.

Referências

Barbosa DC, Sousa FGM, Silva ACO, Silva IR, Silva DCM, Silva TP. Funcionalidade de famílias de mães cuidadoras de filhos com condição crônica. Cienc Cuid Saude 2011;10(4):731-38. doi: http://dx.doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v10i4.18317

Pinho SR, Souza BSF, Cunha CCC, Costa DM, Nunes LN, Fonseca LCG, Lima MF, Mello RP, Hora TWJP, Silva VVC. Alterações comportamentais em crianças portadoras de enfermidades crônicas e suas repercussões na família: Hospital da Criança – Obras Sociais de Irmã Dulce, Salvador, BA. Rev Cienc Méd Biol. 2007;6(1):07-16. doi: http://dx.doi.org/10.9771/cmbio.v6i1.4138

Silva MAS, Collet N, Silva KL, Moura FM. Cotidiano da família no enfrentamento da condição crônica na infância. Acta Paul Enferm. 2010; 23(3):359-65. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002010000300008

Cavalcanti A, Silva Dutra FCM, Elui VMC (trad).American Occupational Therapy Association, A. Estrutura da prática da Terapia Ocupacional: domínio e processo (3ed.). Rev Ter Ocup Univ São Paulo. 2015; 26(ed.esp.):1-49. doi: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v26iespp1-49

Turato ER. Métodos qualitativos e quantitativos na área da saúde: definições, diferenças e seus objetos de pesquisa. Rev Saúde Pública. 2005;39(3):507-14. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102005000300025

Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará. Santa Casa do Pará - Assistência e ensino. Pará; 2018 [citado 31 jul. 2018]. Disponível em: www.santacasa.pa.gov.br.

Bardin L. Análise de conteúdo. Portugal: Lisboa: Edições 70; 2009.

Witt WP, De Leire T. A Family Perspective on Population Health: The case of child health and the family. WMJ.2009;108(5):240-45 [citado 5 maio 2019]. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2871389/

Chiattone HBC. A criança e a morte. In: Angerami-Camom VA, organizador. E a psicologia entrou no hospital. São Paulo: Pioneira Thomson Learning; 2001. p. 69-102.

Nóbrega VM, Reicherti APS, Silva KL, Coutinho SED, Collet N. Imposições e conflitos no cotidiano das famílias de crianças com doenças crônicas. Esc Anna Nery. 2012;16(4):781-8. doi: http://dx.doi.org/10.1590/81452010200400020S1414.

Vieira MA, Dupas G, Ferreira NMLA. Doença renal crônica: conhecendo a experiência da criança. Esc Anna Nery. 2009;13(1):74-83. doi:http://dx.doi.org/10.1590/51414-81452009000100011.

Meira B, Vale T. Nível de estresse das acompanhantes de pacientes internados no setor de pediátrico e os aspectos sócio emocionais inter-relacionados. In: Neme C, Rodrigues O, organizador. Psicologia da saúde: perspectivas interdisciplinares. São Carlos: Rima; 2003. p. 193-245.

Fermi MRV. Diálise para Enfermagem: Guia prático. 2a ed. Rio Janeiro: Guanabara Koogan; 2010.

Almeida A, Pacheco E, Mota L. A família: o primeiro suporte ao insuficiente renal crônico. Rev Nephros. 2010;11:19-30.

Caetano JPM, Fernandes MV, Marcon SS, Decesaro, MN. Refletindo sobre as relações famílias e os sentimentos aflorados no enfrentamento da doença crônica. Ciênc Cuid Saúde. 2011;10(4):845-52. doi: 104025/cienccuidsaude.v20i4.18331.

Wegner W, Pedro ENR. Os múltiplos papéis sociais de mulheres cuidadoras-leigas de crianças hospitalizadas. Rev Gaúcha Enferm. 2010; 31(2):335-42. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1983-14472010000200019.

Abrahão SS, Ricas J, Andrade DF, Pompeu FC, Chamahum L, Araújo TM, et al. Dificuldades vivenciadas pela família e pela criança/adolescente com doença renal crônica. J Bras Nefrol. 2010;32(1):18-22. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-28002010000100004

Jorge CF, Toldrá RC. Percepção dos cuidadores sobre a experiência de cuidar dos familiares e a relação com a equipe profissional no contexto da hospitalização. Rev Ter Ocup Univ São Paulo. 2017; 28(3):271-80. doi: 10.11606/issn.2238-6149.v28i3p271-280

Burille A, Zillmer JGV, Swarowsky GE, Schwartz E, Muniz RM, Santos BP, et al. Os vínculos apoiadores como estratégia das famílias para lidar com a doença renal crônica e o tratamento. Rev Enferm UFPE. 2010; 4(1):106-11. doi: 10.5205/1981-8963-v4i1a5839p106-111-2010

Salgado CL, Branco MMMC, Machado PMA. A Família no processo de cuidar do paciente com doença renal crônica. São Luís: Edufma; 2016. Disponível em: https://ares.unasus.gov.br/acervo/handle/ARES/7479

Downloads

Publicado

2020-05-18

Como Citar

Santos, H. S. S. dos ., Almeida, L. P. de ., Silva, F. do S. C. da, Costa, E. F., & Oliveira, L. S. M. (2020). Repercussões de doença renal crônica na rotina familiar de crianças em hemodiálise. Revista De Terapia Ocupacional Da Universidade De São Paulo, 31(1-3), 24-30. https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v31i1-3p24-30

Edição

Seção

Artigo Original