"Los rubios" e os limites da noção de pós-memória

  • Fernando Seliprandy Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. História Social
Palavras-chave: pós-memória, filhos, documentário, ditadura, Los rubios.

Resumo

A noção de pós-memória, de Marianne Hirsch, é recorrente nas análises dos documentários realizados por filhos de vítimas das ditaduras do Cone Sul. Articulando a carga afetiva da lembrança, os laços consanguíneos e a indicialidade fotográfica, suas premissas dão concretude à transmissão intergeracional de memórias traumáticas. Por sua vez, o documentário Los rubios (Os loiros, 2003), de Albertina Carri, filha de desaparecidos da ditadura argentina, é radicalmente reflexivo. O filme se recusa a herdar uma visão épica da resistência, questionando a própria possibilidade da rememoração. O objetivo do artigo é problematizar a noção de pós-memória a partir da análise de Los rubios. A hipótese é que, ao invés de um legado natural, o que existe entre as gerações é um espaço cruzado por heranças e apropriações, transmissões de memória e transferências culturais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Seliprandy, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. História Social
Doutorando em História Social na Universidade de São Paulo (USP), onde também concluiu mestrado, no mesmo programa (2012), e graduou-se em História - Bacharelado (2003) e Licenciatura (2004). Pesquisa as relações entre cinema, memória e história, com ênfase nas representações cinematográficas da resistência às ditaduras na América do Sul.

Referências

AGUILAR, G. Otros mundos: un ensayo sobre el nuevo cine argentino. 2. ed., Buenos Aires: Santiago Arcos editor, 2010.

AMADO, A. La imagen justa: cine argentino y política (1980-2007). Buenos Aires: Colihue, 2009.

BARRIL, C. Las imágenes que no me olvidan: cine documental autobiográfico y (pos)memorias de la dictadura militar chilena. Santiago: Editorial Cuarto Propio, 2013.

BECEYRO, R. et al. Cine documental: la objetividad en cuestión. Punto de vista. Buenos Aires, ano XXVIII, n. 81, p. 14-23, abr. 2005a.

______ et al. Cine documental: la primera persona. Punto de vista. Buenos Aires, ano XXVIII, n. 82, p. 27-36, ago. 2005b.

BERNADES, H. El hombre que veía demasiado. Página/12. Buenos Aires, 25 maio 2003. Disponível em: < http://www.pagina12.com.ar/diario/suplementos/radar/9-757-2003-05-25.html>. Acesso em: 03 jan. 2014.

CARRI, A. Los rubios: cartografía de una película. Buenos Aires: Buenos Aires Festival Internacional de Cine Independiente (Bafici), 2007.

DIDI-HUBERMAN, G. Imagens apesar de tudo. Lisboa: KKYM, 2012.

ESPAGNE, M. La notion de transfert culturel. Revue Sciences/Lettres, n. 1, 2013. Disponível em: <http://rsl.revues.org/219>. Acesso em: 06 fev. 2015.

HIRSCH, M. Family frames: photography, narrative, and postmemory. Cambridge: Harvard University Press, 1997.

______. The generation of postmemory. Poetics Today, Durham: Duke University Press, 29:1, 2008. p. 103-128.

______. The generation of postmemory: writing and visual culture after the Holocaust. New York: Columbia University Press, 2012.

KOHAN, M. La apariencia celebrada. Punto de vista. Buenos Aires, ano XXVII, n. 78, p. 24-30, abr. 2004a.

______. Una crítica en general y una película en particular. Punto de Vista. Buenos Aires, ano XXVII, n. 80, p. 47-48, dez. 2004b.

MACÓN, C. Los rubios o del trauma como presencia. Punto de vista. Buenos Aires, ano XXVII, n. 80, p. 44-47, dez. 2004.

MORENO, M. Esa rubia debilidad. Página/12, Buenos Aires, 19 out. 2003. Radar.

NORIEGA, G. Estudio crítico sobre Los Rubios: entrevista a Albertina Carri. Buenos Aires: Picnic Editorial, 2009.

OUBIÑA, D. (org.). Jean-Luc Godard: El pensamiento del cine. Cuatro miradas sobre Histoire(s) du cinéma. 1ª ed. 1ª reimp. Buenos Aires: Paidós, 2005.

QUÍLEZ, L. La representación de la dictadura militar en el cine documental argentino de segunda generación. 2009. 538 f. Tese (Doutorado em Estudos de Comunicação) – Departamento de Estudios de Comunicación, Universitat Rovira i Vigili, Tarragona, 2009.

______. Sutiles pretéritos: (post)memoria(s) y (auto)biografía(s) en el cine documental contemporáneo. In: GUTIÉRREZ, Gregorio Martín (org.). Cineastas frente al espejo. Madrid: T&B Editores, 2008. p. 83-99.

RICŒUR, P. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Editora da Unicamp, 2007.

RIERA, E. L.. Albertina Carri: el cine de la furia. Valencia: Ediciones de la Filmoteca, 2009.

SARLO, B. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. São Paulo: Cia. das Letras; Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007.

SCHANTON, P. Una propuesta sin golpes bajos. Clarín, Buenos Aires, 18 out. 2003. Revista Ñ, n. 32.

STAM, R. Reflexivity in film and literature: from Dom Quixote to Jean-Luc Godard. New York: Columbia University Press, 1992.

TERÁN, O. Pensar la memoria. In: CONGRESO INTERNACIONAL DE FILOSOFÍA DE LA HISTORIA, 1., 2000, Buenos Aires. Anais… Buenos Aires: OEI, 2000. Não paginado. Disponível em: <http://www.oei.org.ar/edumedia/pdfs/T09_Docu1_Pensarlamemoria_Teran.pdf>. Acesso em: 06 set. 2015.

Publicado
2015-12-18
Como Citar
Seliprandy, F. (2015). "Los rubios&quot; e os limites da noção de pós-memória. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 42(44), 120-141. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2015.103652