Chopin e os domínios do piano

  • José Miguel Wisnik Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Chopin, imaginação melódica, popularidade, esoterismo

Resumo

O esoterismo de Frédéric Chopin refere-se à complexa trama de acontecimentos simultâneos que subjaz a evidência sedutora e contábile de suas melodias. Suas peças podem ser seguidas, em geral, por uma escuta linear de superfície, acompanhando o caminho de seu fraseado melódico. Ao mesmo tempo, as linhas cruzadas, vozes intervenientes e eventos transversais, incidindo sobre todos os parâmetros sonoros, sem deixar de estar organicamente ligados ao que se escuta na superfície, incitam a uma escuta total,superficial e profunda.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Miguel Wisnik, Universidade de São Paulo
José Miguel Wisnik é músico, compositor e professor de Literatura Brasileira na Universidade de São Paulo. É autor de Veneno remédio: o futebol e o Brasil (Companhia das Letras, 2008); Machado maxixe: o caso Pestana (PubliFolha, 2008); Sem receita – ensaios e canções (PubliFolha, 2004); O som e o sentido (Companhia das Letras, 1989); O coro dos contrários – a música em torno da Semana de 22 (Duas Cidades, 1977); entre outros. Publicou artigos nos livros coletivos Os sentidos da paixão,O olhar e Ética (Companhia das Letras, 1987, 1988 e 1992) e em Livro de partituras (Gryphus, 2004).
Publicado
2013-12-23
Como Citar
Wisnik, J. (2013). Chopin e os domínios do piano. Teresa, (12-13), 14-46. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/teresa/article/view/98896