Romantismo e barroco

  • João Adolfo Hansen Universidade de São Paulo
Palavras-chave: letras e artes do século XVII, interpretação evolucionista, “Barroco”, romantismo

Resumo

A categoria “Barroco” foi utilizada dedutivamente pela primeira vez como categoria estética positiva por um autor neokantiano, Heinrich Wölfflin, em 1888. Desde então, passou-se a acreditar que “O Barroco” existiu em si, ante rem, sempre se esquecendo de que a noção de “barroco” não tem existência independente do corpus usado para defini-la.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Adolfo Hansen, Universidade de São Paulo
João Adolfo Hansen é professor de Literatura Brasileira da Universidade de São Paulo, autor de Alegoria. Construção e interpretação da metáfora (Hedra/ Unicamp, 2006); Solombra ou A sombra que cai sobre o eu (Hedra, 2005). A sátira e o engenho. Gregório de Matos e a Bahia do Século XVII (Ateliê/ Unicamp, 2004); O O. Ficção da literatura em Grande sertão: veredas (Hedra, 2000); Carlos Bracher. Da Mineração da Alma (Edusp, 1998). Publicou artigos sobre Vieira, Nóbrega, Anchieta,Castro Alves, Machado de Assis, Mário de Andrade, Carlos Drummond de Andrade, Clarice Lispector, Guimarães Rosa, entre outros.
Publicado
2013-12-23
Como Citar
Hansen, J. (2013). Romantismo e barroco. Teresa, (12-13), 50-64. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/teresa/article/view/99055