Tendências de inovação em bibliotecas escolares: vertentes emergentes para ressignificar esses espaços

Autores

  • Gabriela Barbosa Carneiro Universidade de Brasília
  • Tel Amiel Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-5894.berev.2022.186748

Palavras-chave:

Biblioteca escolar, Inovação, Makerspace, Hackerspace, Centro de recursos

Resumo

A implementação de práticas inovadoras em espaços escolares é um movimento necessário para acompanhar as necessidades da sociedade contemporânea, que, mesmo com desigualdades, encontra-se cada vez mais imersa num universo de tecnologias. Este trabalho investiga tendências de inovação em bibliotecas escolares, com foco em novas mídias e espaços de criação colaborativos. Teve como objetivos mapear quais as práticas de inovação têm sido implementadas nas bibliotecas escolares brasileiras e de que forma os conceitos de makerspace, hackerspace e centro de recursos têm sido incorporados pelas instituições escolares. Foi realizado ummapeamento sistemático de literatura, contemplando artigos, publicações em conferências ou resumos expandidos revisados por pares, além de teses e dissertações, publicados entre os anos 2000 e 2020, em português. Como resultado final, obteu-se um escopo de 8 trabalhos que se enquadraram aos critérios de inclusão. As publicações indicaram o makerspacecomo uma tendência promissora de inovação em bibliotecas escolares e um importante recurso ao processo pedagógico, bem como o Centro de Recursos de Aprendizagem que se propõe a compor o planejamento e objetivos do sistema educativo.Os trabalhos apontam que para uma incorporação efetiva desses conceitos se faz necessário uma flexibilização do currículo, um processo de conscientização da comunidade escolar e a qualificação dos profissionais bibliotecários. Conclui-se que essa é uma área ainda pouco desenvolvida em espaços escolares no Brasil, mas, que já se mostra com exemplos efetivos em algumas instituições.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Gabriela Barbosa Carneiro, Universidade de Brasília

    Graduada em Pedagogia pela Universidade de Brasília

  • Tel Amiel, Universidade de Brasília

    Tel Amiel coordena Cátedra UNESCO em Educação a Distância (UnB). É professor da Universidade de Nova Gorica (Eslovênia) no Mestrado em Liderança em Educação Aberta.  Já foi professor visitante na Utah State University, e visiting fellow na Stanford University e University of Wollongong. Mais informações em amiel.info

Referências

AGUADO, A. G. Hackeando a educação: desenvolvimento humano e justiça social na sociedade da informação. In: SIMPÓSIO NACIONAL ABCIBER, 9., 2016, São Paulo. Anais eletrônicos... São Paulo: PUC, 2016. Disponível em: https://abciber.org.br/anaiseletronicos/wp-content/uploads/2016/trabalhos/hackeando_a_educacao_desenvolvimento_humano_e_justica_social_na_sociedade_da_informacao_alexandre_garcia_aguado.pdf. Acesso em: 2 dez. 2021.

ALBAGLI, S.; CLINIO, A.; RAYCHTOCK, S. Ciência aberta: correntes interpretativas e tipos de ação. Liinc em Revista, Brasília, v. 10, n. 2, 5 dez. 2014. Disponível em: http://revista.ibict.br/liinc/article/view/3593. Acesso em: 2 mar. 2021.

AMIEL, T.; KUBOTA, L. C.; WIVES, W. W. A systemic model for differentiating school technology integration. Research in Learning Technology, Oxfordshire, v. 24, 2016. Disponível em: https://journal.alt.ac.uk/index.php/rlt/article/view/1849. Acesso em: 1 dez. 2021.

AZEVEDO, F. O manifesto dos pioneiros da educação nova. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 65, n. 150, p. 407–425, 1984.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Censo da Educação Básica 2019: notas estatísticas. Brasília, 2020.

BRASIL. Lei nº 12.244 de 24 de maio de 2010. Dispõe sobre a universalização das bibliotecas nas instituições de ensino no país. Brasília: Congresso Nacional, [2010]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12244.htm. Acesso em: 01 dez. 2021

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. LDB: Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: 1. a 4. séries. Brasília: MEC, 1997. 10 v.

BUCKINGHAM, D. Cultura digital, educação midiática e o lugar da escolarização. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 35, n. 3, p. 37-58, set./dez. 2010.

CAMPELLO, B. S. Bibliotecas escolares e Biblioteconomia escolar no Brasil. Biblioteca Escolar em Revista, Ribeirão Preto, v. 4, n. 1, p. 1-25, ago. 2015.

CAMPELLO, B. S. et al. Situação das bibliotecas escolares no Brasil: o que sabemos? Biblioteca Escolar em Revista, Ribeirão Preto, v. 1, n. 1, p. 1-29, maio 2012.

CASA THOMAS JEFFERSON (Brasil). Resource center. 2020. Disponível em: https://thomas.org.br/servico/resource-center. Acesso em: 08 dez. 2020.

CANDIAN, E. F.; BRUNO, A. R. Tecnologias digitais da informação e comunicação na educação e uma possível “educação hacker”. RPR, Rio Grande do Sul, n. 2, p. 8-23, maio/ago. 2020.

COLEGROVE, T. Editorial board thoughts: libraries as makerspace? Information Technology and Libraries, [Chicago], v. 32, 1st ed, p. 2-5, 2013.

DUARTE, T.; SPUDEIT, D. Práticas inovadoras nas bibliotecas escolares em Florianópolis: empreendedorismo cultural em foco. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 23, n. 3, p. 104–123, jul./set, 2018.

DOUGHERTY, Dale. The maker movement. Innovations: Technology, Governance, Globalization, Cambridge, v. 7, n. 3, p. 11-14, 2012.

GASQUE, K. C. G. D. Centro de recursos de aprendizagem: biblioteca escolar para o século XXI. RDBCI: Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, v. 11, n. 1, p. 138–154, jan. 2013.

GASQUE, K. C. G. D.; SILVESTRE, F. D. M. Competência leitora nas bibliotecas escolares. Em Questão, Porto Alegre, v. 23, n. 3, p. 79–105, 21 ago. 2017.

GOMES, E. et al. A experiência de implantação de uma disciplina maker em uma escola de educação básica. In: WORKSHOP DE INFORMÁTICA NA ESCOLA, 23., 2017, Recife. Anais... Recife: SBC, 2017.

HATCH, Mark. The maker movement manifesto: rules for innovation in the new world of crafters, hackers, and tinkerers. [S. l.]: McGraw-Hill Education, 2014, 213 p.

JESUS, D. L. Makerspace em bibliotecas escolares: uma análise bibliométrica. 2019. 163 p. Dissertação (Mestrado em Gestão da Informação e Bibliotecas Escolares) – Universidade Aberta, Lisboa, 2019.

JESUS, D. L.; CUNHA, M. B. A biblioteca do futuro: um olhar em direção ao presente. Informação & Informação, Londrina, v. 24, n. 3, p. 311–334, 2019.

LEMOS, A. Ciber-cultura-remix. In: Redes: criação e reconfiguração. Itaú Cultural, 2005. Disponível em: http://www.hrenatoh.net/curso/textos/andrelemos_remix.pdf.

LEVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999. p. 264.

MACEDO, P. A.; SANTOS, A. M. S. Design thinking para bibliotecas. Ideias Emergentes em Biblioteconomia, São Paulo, p. 69-77, 2016.

MANOVICH, Lev. The language of new media. Cambridge, MA: MIT Press, 2001. 400p.

NASSI-CALÒ, L. A revisão por pares como objeto de estudo. SciELO em Perspectiva, São Paulo, 2015. Disponível em: https://blog.scielo.org/blog/2015/04/24/a-revisao-por-pares-como-objeto-de-estudo/. Acesso em: 08 dez. 2020.

OLIVEIRA, L. A. R. Bibliotecas: uma breve revisão histórica. 52 p. Monografia (Graduação em Biblioteconomia) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2019.

PRETTO, N. Redes colaborativas, ética hacker e educação. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 26, n. 3, p. 305-316, 2010.

PINTO, S. L. U. et al. O movimento maker: enfoque nos fablabs brasileiros. Revista Livre de Sustentabilidade e Empreendedorismo, Paraná, v. 3, n. 1, p. 38 - 56, 2018.

RAMOS, A.; FARIA, P. M.; FARIA, A. Revisão sistemática de literatura: contributo para a inovação na investigação em Ciências da Educação. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 14, n. 41, p. 17-36, 2014.

SANTOS, R. G.; CÂNDIDO, A. C. Bibliotecas como makerspace: oportunidades de implementação a partir de um caso prático. Ciência da Informação em Revista, Maceió, v. 6, n. 1, p. 114–125, maio 2019.

SILVA, A. P. O embate entre a pedagogia tradicional e a educação nova: políticas e práticas educacionais na escola primária catarinense (1911-1945). In: SEMINÁRIO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO DA REGIÃO SUL, 9., 2012, Santa Catarina. Apresentações. Caxias do Sul: Universidade de Caxias do Sul, 2012. Disponível em: http://www.ucs.br/etc/conferencias/index.php/anpedsul/9anpedsul/paper/viewFile/1259/13. Acesso em: 2 dez. 2021.

SILVEIRA, S. A. Diversidade digital e cultura. 19 jun. 2007. Disponível em: https://diversidadedigital.blogspot.com/2007/06/effective-opensource.html. Acesso em: 2 dez. 2021.

VIEIRA, D. V. Inovação em bibliotecas: considerações sobre a disponibilização de serviço de impressão 3D. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, São Paulo, v. 13, p. 1106–1120, 2017.

ZANINELLI, T. B.; SANTOS NETO, J. A. Biblioteca escolar com makerspace: um estudo de caso na Biblioteca Abraham Lincoln. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, São Paulo, v. 13, p. 2633–2655, 2017.

Downloads

Publicado

2022-01-28

Edição

Seção

Artigos

Como Citar

Tendências de inovação em bibliotecas escolares: vertentes emergentes para ressignificar esses espaços. (2022). Biblioteca Escolar Em Revista, 8(1), 42-63. https://doi.org/10.11606/issn.2238-5894.berev.2022.186748