O “Povo quer”. Mas que povo quer o quê? A propósito das “Revoluções Árabes”

Autores

  • Smaïn Laacher Universidade de Estrasburgo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1517-0128.v1i32p87-95

Resumo

A literatura sobre o que se chamou de “primaveras árabes” é atualmente abundante. Numerosas são as obras e os artigos que se propuseram a esclarecer e interpretar os protestos públicos que tangem  com alcance inédito um número muito grande de países árabes. Propomo-nos, nos desenvolvimentos que se seguem, pôr em relevo de maneira sintética algumas perspectivas analíticas que podem resumir as
características principais destas revoluções atrasadas. É preciso render-se à evidência: subverter uma ditadura não significa modificar substancialmente os paradigmas que estão no fundamento da ordem social e das estruturas mentais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CASTORIADIS, Cornelius. « La polis grecque et la création de la démocratie », in Domaines de l’homme, Paris: Seuil, 1986.

LEFORT, Claude. L’Invention démocratique, Paris, Fayard, 1981 [ed. brasileira: A invenção democrática. 3ª ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2011];

LEFORT, Claude. Essais sur le politique: XIXe et XXe siècles, Paris, Seuil, 1986 [ed. brasileira: Pensando o político: ensaios sobre democracia, revolução e liberdade. São Paulo: Paz & Terra, 1991].

LAACHER, Smaïn. Insurrections arabes. Utopie révolutionnaire et impensé démocratique, Paris, Buchet-Chastel, 2013.

TEMLALI, Yassim. “Le ‘Printemps arabe’: l’arabisme en question” [“A ‘Primavera árabe’: o arabismo em questão”], 2ª parte e fim, El Watan, 30/10/11.

Downloads

Publicado

2018-08-27

Como Citar

Laacher, S. (2018). O “Povo quer”. Mas que povo quer o quê? A propósito das “Revoluções Árabes”. Cadernos De Ética E Filosofia Política, 1(32), 87-95. https://doi.org/10.11606/issn.1517-0128.v1i32p87-95