“Edgar Allan Poe”: uma tradução comentada da crônica de Rubén Darío

Autores

  • Davi Silva Gonçalves Universidade Estadual do Centro-Oeste

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2359-5388.i23p162-177

Palavras-chave:

Edgar Allan Poe, Crônica, Tradução, Rubén Darío

Resumo

Na crônica “Edgar Allan Poe” (2013), um narrador angustiado e indignado com as imagens assombrosas e, ao mesmo tempo, maravilhosas que se multiplicam ao redor dele em um passeio por Manhattan é desenvolvido pelo autor nicaraguense Rubén Darío. No texto, o cronista evidencia por que é importante falar da perspectiva não só da América hispânica, como também de uma América periférica a observar, crítica, o centro. Com um ritmo elétrico, marcado pela ausência de pausas, assim como através do uso de uma linguagem híbrida, repleta de referências hipertextuais, o texto é sufocante – da mesma forma que, para Darío, parecia ser sufocante Manhattan. Neste sentido, e para manter a confusão de estilo e imagens que faz Darío, muito provavelmente de forma proposital, minha proposta de tradução da crônica “Edgar Allan Poe” é guiada por duas premissas: 1) Promover a manutenção de sua pontuação peculiar, que preza pelo ritmo acelerado e dá ao leitor poucas oportunidades de “respirar” entre as diferentes observações que faz o narrador; 2) Reiterar o caráter híbrido e hipertextual da crônica, reproduzindo as diversas referências que Darío faz a personagens (históricos e fictícios) e a espaços, assim como seu uso de palavras em inglês, que, através do contrato de verossimilhança, convida o leitor a embarcar naquela viagem pela metrópole americana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Davi Silva Gonçalves, Universidade Estadual do Centro-Oeste

Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Inglês: Estudos Linguísticos e Literários (PPGI-UFSC); Doutor pelo Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução (PGET-UFSC); Professor vinculado ao Departamento de Letras da Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO-PR).

Referências

ANTUNES, Antonio Lobo. O meu nome é legião. São Paulo: Alfaguara, 2009.

BÍBLIA. A. T. O evangelho segundo Marcos. In: BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada: Antigo e Novo Testamento. Trad. João Ferreira de Almeida. Rio de Janeiro: Sociedade Bíblica do Brasil, 1966. pp. 678-686.

CANDIDO, Antonio. “A Vida ao Rés-do-Chão”. In: CANDIDO, Antonio et al. A Crônica: O gênero, sua fixação e suas transformações no Brasil. Campinas: Editora Unicamp, 1992. pp. 13-22.

DARÍO, Ruben. Los raros. Buenos Aires: Letras libres, 1896.

DARÍO, Ruben. “Edgar Allan Poe.” In: Viajes de un Cosmopolita Extremo. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2013. pp. 129-133.

DE LISLE, Leconte. Poèmes barbares. Lyon: Librairie Alphonse Lemerre, 1862.

JOUVE, Vincent. Por que estudar literatura? Trad. Marcos Bagno e Marcos Marciolino. São Paulo: Parábola editorial, 2012.

LAZARO IGOA, Rosario; COSTA, Walter Carlos. “Edição e tradução nas crônicas brasileiras dos séculos XIX e XX: Entrevista com John Gledson.” In: Cadernos de Tradução, v. 36, n. 2 (2016): pp. 311-329.

MONTALDO, Graciela. “Guía Rubén Darío.” In: DARÍO, Rubén. Viajes de un Cosmopolita Extremo. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2013. pp. 11-52.

PAIVA, Daniel. “Fronteira e contacto em O meu nome é Legião.” In: Estudos geográficos de Lisboa, v. 42, n. 1 (2013): pp. 183-201.

PIGLIA, Ricardo. El Último Lector. Buenos Aires: Debolsillo, 2014.

SHAKESPEARE, William. The Tempest. London: Penguin popular classics, 1992.

VILLORO, Juan. “La crónica, ornitorrinco de la prosa”. La Nación, Buenos Aires, 22 de Janeiro de 2006, Suplemento Cultura.

Downloads

Publicado

2021-07-12

Como Citar

Gonçalves, D. S. . (2021). “Edgar Allan Poe”: uma tradução comentada da crônica de Rubén Darío. Cadernos De Literatura Em Tradução, (23), 162-177. https://doi.org/10.11606/issn.2359-5388.i23p162-177

Edição

Seção

Prosa