Diploma para quê? A educação superior e os praças da Polícia Militar de Minas Gerais

Autores

  • Vicente Riccio Universidade Federal de Juiz de Fora

DOI:

https://doi.org/10.1590/s1678-4634201706154559

Palavras-chave:

Polícia Militar, Educação superior, Carreira policial, Reforma policial

Resumo

O artigo analisa como policiais de baixa patente da Polícia Militar de Minas Gerais (praças) com formação superior percebem a sua organização, a sua carreira e a relação com a sociedade. A pesquisa aborda um ponto controverso no estudo sobre a polícia: o papel da educação superior. No caso brasileiro esta questão é reforçada pela existência de dois níveis hierárquicos em seus policiais militares: oficiais e praças. O estudo adotou metodologia qualitativa baseada em entrevistas semiestruturadas. A partir da análise dos dados, quatro categorias emergiram: capacidade crítica; conflitos hierárquicos; ausência de reconhecimento profissional; abandono da carreira. Em linhas gerais, os policiais apontam que a formação superior confere maior capacidade de discernimento nas ações cotidianas, mas também reforça os conflitos com o oficialato. Apesar disso, não há valorização pelo investimento pessoal realizado. Logo, esse contingente de novos policiais cada vez mais educados e capazes de fornecer uma base sólida para o exercício de um novo modelo de policiamento em sua maioria tem um único desejo: deixar a instituição. A pesquisa conclui que o modelo de dupla entrada das polícias brasileiras afasta os policiais com formação superior e aponta a necessidade de inserção do tema da mudança do modelo organizacional em uma agenda ampla de reformas das polícias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2017-12-01

Como Citar

Riccio, V. (2017). Diploma para quê? A educação superior e os praças da Polícia Militar de Minas Gerais. Educação E Pesquisa, 43(4), 1111-1126. https://doi.org/10.1590/s1678-4634201706154559

Edição

Seção

Artigos