A necropolítica neoliberal de encontro ao nomadismo: uma corpografia dos povos errantes na Bahia, no contexto do bolsonarismo no Brasil

Autores

  • Hanna Cláudia Freitas Rodrigues Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
  • Jonas de Jesus Pinheiro Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.11606/extraprensa2019.163215

Palavras-chave:

Necropolítica Neoliberal, Cultura Nômade, Bolsonarismo

Resumo

Este artigo ampara-se na investigação teórica acerca da necropolítica neoliberal quando de encontro ao nomadismo. A interpretação da política neoliberal como trabalho para a morte e da soberania como a expressão do direito de matar ganha dimensão material a partir de uma análise sociológica das práticas culturais e transformações das cidades contemporâneas: trata-se de uma breve corpografia (cartografia realizada pelo corpo) dos povos errantes no território da Bahia e da análise de suas conjecturas econômico-sociais quando do advento do bolsonarismo, a fim de desvelar a violência empunhada pelo Estado sobre três atores sociais representantes do nomadismo: o peregrino (romeiro religioso a cidade de Bom Jesus da Lapa, oeste do estado), o originário (comunidade remanescente indígena Ribeirão dos Paneleiros, na cidade de Vitória da Conquista, região sudoeste), e o andarilho (em situação de rua na capital baiana: Salvador).

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Hanna Cláudia Freitas Rodrigues, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

    Graduada em Direito pela Faculdade Social da Bahia, especializada em Filosofia Contemporânea pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), e mestre em Comunicação, Mídia e Formatos Narrativos pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB).

  • Jonas de Jesus Pinheiro, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

    Graduado em Comunicação – Jornalismo pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e mestre em Comunicação, Mídia e Formatos Narrativos pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB).

Referências

ALENCAR, Itana. Com a capital mais negra do país, Bahia ganha aplicativo gratuito para registro de denúncias contra racismo e intolerância religiosa. G1 Bahia, Salvador, 19 nov 2018. Disponível em: https://glo.bo/2O9mUVL. Acesso em: 23 out. 2018.

ARTAUD, Antonin. Escritos de Antonin Artaud. Porto Alegre: L&PM, 1982.

ASSARÉ, Patativa do. Inspiração nordestina. São Paulo: Hedra, 2003.

ATLAS da Violência 2019. Rio de Janeiro, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada: Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2019. Disponível em: https://bit.ly/2GxoP1V. Acesso em: 12 jul. 2019.

BHABHA, Homi. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa e ao Controle Social. Óbitos por suicídio entre adolescentes e jovens negros 2012 a 2016. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2018.

CHAUI, Marilena. Cultura do povo e autoritarismo das elites. In: VALLE, Edênio; QUEIRÓZ, José (org.). A cultura do povo. São Paulo: Educ, 1982. p. 119-134.

AS GUERRAS da conquista. Produção: Luiz Bolognesi. Rio de Janeiro: Curta!, 2018. 1 vídeo (27 min). Série Guerras do Brasil.doc. Disponível em: https://bit.ly/2NXtY7z. Acesso em: 24 jan. 2020.

IBGE. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Estudos e Pesquisas: Informação Demográfica e Socioeconômica, Rio de Janeiro, n. 37, 2017.

JACQUES, Paola B. Corpografias urbanas. Vitruvius, São Paulo, ano 8, 2008.

JACQUES, Paola B. Elogio aos errantes. Salvador: Edufba, 2012.

JACQUES, Paola B. Elogia ao errantes. In: JEUDY, Henri Pierre; JACQUES, Paola B. (org.). Corpos e cenários urbanos: territórios urbanos e políticas culturais. Salvador: Edufba, 2006. p. 117-140. Disponível em: https://bit.ly/2S5GVh9. Acesso em: 27 jan. 2020.

KALIL, Isabela Oliveira (coord.). Quem são e no que acreditam os eleitores de Jair Bolsonaro? São Paulo: Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo, 2018.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1989.

FRANCO, Marielle. UPP – A redução da favela a três letras: uma análise da política de segurança pública do Estado do Rio de Janeiro. Dissertação (Mestrado em Administração) – Faculdade de Administração e Ciências Contábeis, Universidade Federal Fluminense do Rio de Janeiro, Niterói, 2014.

LEFEBVRE, Henri. Critique de la vie quotidienne. Paris: L’Arche, 1961. 3 v.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. 3. ed. São Paulo: N-1, 2018.

MUNIZ, Tailane. Homens e negros são a maioria da população de rua de Salvador. Correio, Salvador, 26 abr. 2017. Disponível em: https://glo.bo/36xoZRr. Acesso em: 13 dez. 2019.

ROLNIK, Suely. Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. São Paulo: Estação Liberdade, 1989.

SOUSA, Maria Aparecida Silva de. A Conquista do Sertão da Ressaca: povoamento e posse da terra no interior da Bahia. Vitória da Conquista: Edições Uesb, 2001.

TUPINAMBÁ, Casé Angatu Xukutu. Nós não somos donos da terra, nós somos a terra. [Entrevista cedida a] Ricardo Machado. IHU on-line, São Leopoldo, n. 527, 27 ago. 2018. Disponível em: https://bit.ly/2Rp1Nkg. Acesso em: 27 ago. 2018.

VILLAS BÔAS, Bruno; SARAIVA. Alessandra. População com mais de 65 aumenta 26% em 6 anos. Valor Ecônomico, São Paulo, 23 maio 2019. Disponível em: https://glo.bo/2RPs75Y. Acsso em: 27 jan. 2020.

Downloads

Publicado

2019-12-30

Como Citar

A necropolítica neoliberal de encontro ao nomadismo: uma corpografia dos povos errantes na Bahia, no contexto do bolsonarismo no Brasil. (2019). Revista Extraprensa, 13(1), 241-261. https://doi.org/10.11606/extraprensa2019.163215