Transcendência da palavra poética a partir do espaço paisagístico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2594-9632.geoliterart.2021.184992

Palavras-chave:

Poesia, Subjetivo, Transcendência

Resumo

A paisagem se caracteriza como matéria primordial para a união entre elementos sensíveis e inteligíveis, possibilitando a transcendência da palavra poética. Essa pesquisa tem por objetivo analisar como a paisagem enquanto um espaço capaz de possibilitar um dos recursos mais importantes da poesia que o é de transcender a palavra poética. A metodologia adotada nessa pesquisa foi a de revisão bibliográfica, com dados coletados em obras de autores como Gaston Bachelard (1978), Michel Collot (2013), Michael Hamburger (2007), dentre outros autores. Os resultados mostram que os espaços poéticos permitem aos indivíduos uma relação de intercambialidade entre a realidade e a imaginação, objetivo e subjetivo, esses elementos materiais e imaginários são indissociáveis e se interagem de maneira incessante, dando, então, vida à palavra poética.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Natália Ferreira Santos, Universidade Estadual de Goiás

Possui graduação em Letras: Língua Portugesa, Língua Inglesa e suas respectivas Literaturas pela Universidade Estadual de Goiás, onde participou de projetos de pesquisa e de extensão voltados para o ensino de literatura. Atualmente é mestranda em Língua, Literatura e Interculturalidade pela Universidade Estadual de Goiás, Câmpus Cora Coralina, onde desenvolve pesquisas voltadas para a literatura

José Elias Pinheiro Neto, Universidade Estadual de Goiás

Doutor em Ciências Humanas Universidade de São Paulo (USP/FFLCH). Professor do Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Língua Literatura e Interculturalidade (POSLLI/UEG). Integrante do Grupo de Estudo e Pesquisa em Literaturas de Língua Portuguesa (GEPELLP). ORCID: https://orcid.org/0000-0001-9574-6451. E-mail: joseeliaspinheiro@gmail.com. Telefone para contato: (62) 9 8439 – 4709.

Referências

ANDRADE, Carlos Drummond. A rosa do povo. São Paulo: Círculo do Livro, 1945.

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. São Paulo: Abril Cultura, 1978.

BAUDELAIRE, Charles. As flores do mal. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio, 1944.

BENTO, Elói Alberto. Gaston Bachelard: o lado nocturno do filósofo. 2010. 138 f. Dissertação (Mestrado em Filosofia da Educação) – Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Porto, 2010.

CALERI, Márcio José; PEREIRA, Marcio Roberto. (Resenha) A Poética do Espaço. In: InterEspaço: Revista de Geografia e Interdisciplinaridade, v. 4, n. 13, 2018. p. 275-278.

COLLOT, Michel. Poética e filosofia da paisagem. Rio de Janeiro: Editora Oficina Raquel, 2013.

DINARTE, Luiz Daniel Rodrigues; CORAZZA, Sandra Mara. Espaço poético como tradição didática: Bachelard e a imagem da casa. In: Educação & Formação, v. 1, n. 2, 2016. p. 135-148.

HAMBURGER, Michael. A verdade da poesia: tensões na poesia modernista desde Baudelaire. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

HORODYSKI, Graziela Scalise; NITSCHE, Leticia Bartoszeck; OLIVEIRA, Dircélia Maria Soares de; BIESEK, Ana Solange. Gaton Bachelard e o espaço poético: Contribuições para a geografia e o turismo. In: RA’EGA, v. 22, n. 1, 2011. p. 74-94.

PAZ, Octávio. O Arco e a Lira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982.

RIBEIRO, Amanda de Cássia Borges; LOVATO, Ana Cristina do Amaral; MERGEN, Carla Cristiane. A imaginação criadora nos devaneios de Gaston Bachelard: Possibilidades em educação. In: ANAIS - II Fórum Internacional de Educação, 2011, Universidade de Santa Cruz do Sul, 2016.

SILVA, Felipe Cabañas da. Geografia e poesia lírica: considerações sobre a poética do espaço, de Gaston Bachelard. In: GEOUSP – Espaço e Tempo, v. 19, n. 1, 2015. p. 60-75.

Downloads

Publicado

2021-12-15

Como Citar

Santos, N. F., & Pinheiro Neto, J. E. (2021). Transcendência da palavra poética a partir do espaço paisagístico. Revista Geografia Literatura E Arte, 3(2), 114-129. https://doi.org/10.11606/issn.2594-9632.geoliterart.2021.184992

Edição

Seção

Artigos