A dimensão espacial no estudo da escravidão

  • Marco Aurélio dos Santos Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Palavras-chave: História, Uso do espaço de plantação, Escravidão, Poder, Espacialidade.

Resumo

O objetivo deste artigo é entender a importância do espaço nos estudos da escra- vidão na América. Numa abordagem temática, o artigo procura entender como muitos pesquisadores compreenderam o significado do espaço na organização do poder senhorial e como os escravos usaram o espaço de plantação como ferra- menta de resistência à exploração e à violência. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marco Aurélio dos Santos, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Docente do Mestrado em Estudos Fronteiriços, na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Referências

BENINCASA, V. Fazendas paulistas: arquitetura rural no ciclo cafeeiro. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, 2007.

BROWN, V. Spiritual terror and sacred authority: the power of the supernatural in Jamaican slave society. In: BAPTIST, E. E.; CAMP, S. M. H. New studies in the history of Ameri- can slavery. Athens/Georgia: The University of Georgia Press, 2006. p. 179-210.

CAMP, S. M. H. Closer to freedom: enslaved women and everyday resistance in the plantation South. Chapel Hill/London: The University of North Carolina Press, 2004.

______. “I could not stay there”: enslaved women, truancy and the geography of everyday forms of resistance in the antebellum plantation south. Slavery & Abolition, London, v. 23, n. 3, p. 1-20, 2002.

CARRILHO, M. J. Fazendas de café oitocentistas no Vale do Paraíba. Anais do Museu Paulis- ta, São Paulo, v. 14, n. 1, p. 59-80, jan./jun. 2006.

DELLE, J. A. An archaeology of social space: analyzing coffee plantations in Jamaica’s Blue Mountains. New York: Plenum Press, 1998.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes, 1987.

FRAGOSO, J. L. R. Sistemas agrários em Paraíba do Sul (1850-1920): um estudo de relações não capitalistas de produção. Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Histó- ria?, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1983.

KAYE, A. Joining Places: slave neighborhoods in the Old South. The University of North Carolina Press, 2007.

Volume 18 • no 1 (2014) 150

Marco Aurelio Santos

KAYE, A. Neighbourhoods and solidarity in the Natchez District of Mississipi: rethinking the antebellum slave community. Slavery & Abolition, London, v. 23, n. 1, p. 1-24, apr. 2002.

LE GOFF, J. A História nova. In: ______. A História nova. São Paulo: Martins Fontes: 2001. p. 25-64.

LEMOS, C. A. C. Casa paulista: história das moradias anteriores ao ecletismo trazido pelo café. São Paulo: Edusp, 1999.

MARQUESE, R. B. Diáspora Africana, escravidão e a paisagem da cafeicultura no Vale do Paraíba oitocentista. Almanack Braziliense (online), v. 7, p. 138-152, 2008.

MARQUESE, R. B. Moradia escrava na era do tráfico ilegal: senzalas rurais no Brasil e em Cuba, c. 1830-1860. Anais do Museu Paulista, São Paulo, v. 13, n. 2, p. 165-188, jul./ dez. 2005.

MENESES, U. T. B. A cultura material no estudo das sociedades antigas. Revista de História, n. 115, p. 103-117, jul./dez. 1983.

MUAZE, M. As memórias da Viscondessa: família e poder no Brasil Império. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

NORMAN JR., W. C. V. Shade-grown slavery: the lives of slaves on coffee plantations in Cuba. Nashville/Tennessee: Vanderbilt University Press, 2013.

REDE, M. História a partir das coisas: tendências recentes nos estudos de cultura material. Anais do Museu Paulista, São Paulo, v. 4, n. 1, p. 265-282, jan./dez. 1996.

REIS, J. C. Nouvelle Histoire e tempo histórico: a contribuição de Febvre, Bloch e Braudel. São Paulo: Ática, 1994.

SANTOS, M. A. Geografia, história, escravidão. In: ENCONTRO ESCRAVIDÃO E LI- BERDADE NO BRASIL MERIDIONAL, 6., 2013, Florianópolis, SC. Anais..., p. 1-14. Disponível em: <http://labhstc.paginas.ufsc.br/files/2013/04/Marco-Aurelio-dos-San- tos-texto.pdf>. Acesso em: 12 jul. 2013.

SCHNOOR, E. Das casas de morada às casas de vivenda. In: CASTRO, H. M. M.; SCH- NOOR, E. (Orgs.). Resgate: uma janela para o oitocentos. Rio de Janeiro: Topbooks, 1995. p. 31-62.

SINGLETON, T. A. Slavery and spatial dialectics on Cuban coffee plantations. World Archa- eology. v. 33, n. 1, p. 98-114, 2001.

SLENES, R. W. Na senzala, uma flor: esperanças e recordações na formação da família escra- va, Brasil Sudeste século XIX. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

SOARES, C. E. L. A capoeira escrava e outras tradições rebeldes no Rio de Janeiro (1808-1850). Campinas – SP Editora da Unicamp, 2004.

SOJA, E. W. Geografias pós-modernas: a reafirmação do espaço na teoria social críticaRio de Janeiro: Jorge Zahar. 1993.

STEIN, S. J. Grandeza e decadência do café no Vale do Paraíba. São Paulo: Brasiliense, 1961.

Publicado
2014-04-30
Como Citar
dos Santos, M. A. (2014). A dimensão espacial no estudo da escravidão. GEOUSP Espaço E Tempo (Online), 18(1), 140-151. https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2014.81094
Seção
Artigos