O antiflâneur de “Walking Around”: errância e estranhamento na cidade

  • Carla Cancino Franco Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Neruda, poesia, vanguarda, flâneur

Resumo

A poesia do século XIX consagrou como um de seus arquétipos literários representativos a figura do flâneur, caminhante observador que encarna o espírito do homem curioso que, sem destino certo, vaga pela cidade surpreendido com a variedade da paisagem urbana. O flâneur ganhou destaque na poesia de Charles Baudelaire. No século XX, mais precisamente no poema “Walking Around”, Pablo Neruda redesenha os contornos do flâneur, a partir do olhar da vanguarda. Ressurge nos versos do poeta chileno a figura do homem que caminha pela cidade. Este, porém, diferente do andarilho do século anterior, já não é um observador apaixonado, mas um antiflâneur. Sua relação com o espaço urbano não é mais de admiração, mas de choque permanente. A sintonia passou à dissonância; a curiosidade deu lugar ao estranhamento e o deleite do ócio tornou-se cansaço. O poeta, antes observador unilateral, sofre agora a ação dos objetos do mundo, sentindo o cansaço, a angústia e a culpa de seu tempo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carla Cancino Franco, Universidade de São Paulo
Jornalista, possui graduação em Comunicação Social Com Habilitação em Jornalismo pela Universidade de São Paulo (1990) . Graduada em Direito pela Universidade Mackenzie. Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em Letras.
Publicado
2018-04-28
Como Citar
Franco, C. (2018). O antiflâneur de “Walking Around”: errância e estranhamento na cidade. La Junta (São Paulo), 2(1), 17-23. https://doi.org/10.11606/issn.2594-7753.lajunta.2018.145744
Seção
Dossiê: A poesia vanguardista Hispano-americana