O filme Na Cidade Vazia - Uma adaptação do livro As Aventuras de Ngunga: da utopia à distopia de Pepetela

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9826.literartes.2022.193280

Palavras-chave:

obra literária adaptada, intertextualidade, As aventuras de Ngunga

Resumo

Este artigo busca identificar as “novas lentes e discursos” que marcam o filme Na cidade vazia, de 2004, da cineasta angolana Maria João Ganga, em relação ao texto que lhe serve de fonte As aventuras de Ngunga, de 1972, do também angolano Artur Carlos Maurício Pestana dos Santos, o Pepetela. Para tal intento, serão utilizados como aportes teóricos e analíticos, os estudos de Robert Stam (2006) e de Linda Hutcheon (2011) sobre a adaptação. Ambos exploram as possibilidades intertextuais ou dialógicas que se estabelecem quando uma obra literária é adaptada para o cinema, transportando para outros espaços-tempos as particularidades locais que resultam em uma obra nova, híbrida e não necessariamente inferior à que lhe deu origem. Ambos se afastam da retórica da perda que lamenta o que foi perdido na transição do romance para o filme.

Biografia do Autor

Thiago Lauriti, Universidade Nove de Julho

Doutor e Mestre em Letras com foco em Literatura Infanto-Juvenil e Educação pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP). Especialista em Direito Constitucional (Direitos Humanos) pela Faculdade Autônoma de Direito (FADISP) e em Psicopedagogia Clínica e Institucional pela Universidade Nove de Julho (UNINOVE). Possui bacharelado em Letras (Língua Portuguesa) pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH-USP) e Licenciatura em Língua Portuguesa pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FE-USP). Sou bacharel em Direito e licenciado em Pedagogia pela Universidade Nove de Julho (UNINOVE). Ex-coordenador executivo para realização de capacitações da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB), exercendo a função de Analista de Educação Ambiental. Possuo experiência na elaboração de cursos com a temática ambiental nas modalidades de Ensino a Distância (EaD) e Presencial, para diversas Secretarias do Governo do Estado de São Paulo e iniciativa privada. Atualmente, é professor de ensino superior da Universidade Nove de Julho (UNINOVE) e colaborador do grupo de pesquisa Literatura Infantil/Juvenil e sociedade da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da Universidade de São Paulo (USP). Avaliador (parecerista) da Revista da FUNDARTE - Fundação Municipal de Artes de Montenegro, Rio Grande do Sul, Brasil e da Revista LITERARTES destinada a estudos de produções literárias para crianças e jovens da área de Literatura Infantil e Juvenil da FFLCH/USP que visa a propiciar um espaço de reflexões sobre a arte literária e os diálogos que vem estabelecendo com outras linguagens, outras artes e suportes.

Referências

AUSTIN, J. L. Quando dizer é fazer. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 4ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BLOCH, E. O Princípio Esperança. v.1/v.2. Trad. Nélio Schneider/ Werner Fucks. Rio de Janeiro: Contraponto, 2005.

GREGORIN FILHO, J. N. Literatura Infantil – Múltiplas linguagens na formação de leitores. São Paulo: Melhoramentos, 2009.

HARRINGTON, J. The rhetoric of film. New York: Holt, Rinehart and Winston, 1973.

HOUAISS, A.; VILLAR, M. S. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Instituto Houaiss de Lexicografia. Rio de Janeiro: Objetiva, 2004.

HUTCHEON, L. Uma teoria da adaptação. Tradução André Cechinel. Florianópolis: Ed. Da UFSC, 2011.

MOLETTA, A. Criação de curta-metragem em vídeo digital: uma proposta para produções de baixo custo. São Paulo: Summus, 2009.

KRISTEVA, J. Introdução à Semanálise. São Paulo: Perspectiva, 1974.

SOUSA, R. Ver e tornar visível – formulações básicas em cinema e vídeo. Coleção Temas Educacionais nº 8. Lisboa: Universidade Aberta, 1992.

STAM, R. Teoria e prática da adaptação: da fidelidade à intertextualidade. Ilha do Desterro, n. 51, p. 19-53, jul./dez., 2006.

PEPETELA. As aventuras de Ngunga. São Paulo: Ática, 1980.

PEPETELA. A geração da utopia. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000.

PLAZA, J. Tradução intersemiótica. São Paulo: Perspectiva, 2003.

CUNHA, M. Z. Entre livros e telas – a narrativa para crianças e jovens: saberes sensíveis e olhares críticos. Via Atlântica, nº14, 2008. Disponível para consulta em: http://www.revistas.usp.br/viaatlantica/article/view/50379. Data de acesso: 16/10/2014.

GENETTE, G. Palimpsestos: a literatura de segunda mão. Tradução de Luciene Guimarães e Maria Antônia Ramos Coutinho. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, 2006. (Livros Viva Voz). Disponível para consulta em: http://issuu.com/labed/docs/palimpsestoslivro-site. Data de acesso: 16/10/2014.

GONÇALVES, C. Entrevista sobre o cinema angolano com Maria João Ganga. Lisboa. Fev/2005. Disponível para consulta em: http://cine-africa.blogspot.com.br/2012/11/a-n-gola-maria-joao-ganga-2004-drama.html. Data de acesso: 17/10/2014.

LAURITI, T. As aventuras de Ngunga, de Pepetela: muito além da cartilha. Via Atlântica, nº14, 2008. Disponível para consulta em: http://www.revistas.usp.br/viaatlantica/article/view/50408/54531. Data de acesso: 16/10/2014.

MARQUEZINI, F. B. C. Aos cacos: imagens da nação angolana em ‘As aventuras de Ngunga’ e ‘Na cidade vazia’, livro e filme. Via Atlântica, nº13, 2008. Disponível para consulta em: http://www.revistas.usp.br/viaatlantica/article/view/50305. Data de acesso: 16/10/2014.

MENESES, A. A história do kizomba. Disponível para consulta em: http://www.maiskizomba.com/kizomba. Data de acesso: 16/10/2014.

GANGA, M. J. Na cidade vazia. Drama. 90 min. Cor. Angola/Portugal, 2004. Disponível para consulta em: https://www.youtube.com/watch?v=Lz_9EstYLn4. Data de acesso: 16/10/2014.

Downloads

Publicado

2022-12-30

Como Citar

LAURITI, T. O filme Na Cidade Vazia - Uma adaptação do livro As Aventuras de Ngunga: da utopia à distopia de Pepetela. Literartes, [S. l.], v. 1, n. 17, p. 105-133, 2022. DOI: 10.11606/issn.2316-9826.literartes.2022.193280. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/literartes/article/view/193280. Acesso em: 1 mar. 2024.