O olhar polêmico do narrador no filme Rio

Autores

  • José Nicolau Gregorin Filho Universidade de São Paulo;Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9826.literartes.2012.47171

Palavras-chave:

Rio, herói, narrador

Resumo

O texto propõe um debate sobre a configuração e o percurso do herói na animação Rio, escrito por Carlos Saldanha e Earl R. Jones, dirigido pelo primeiro. Pretende-se começar a discutir a supremacia dos EUA e desvendar algumas das diversas  possibilidades de entender esse herói-narrador. Observa-se que a voz do narrador fala de um centro hegemônico produtor de entretenimento direcionado a dois destinatários: o próprio espaço em que se produz o entretenimento, bem como outros espaços periféricos e também consumidores (muitas vezes, alheiros a um olhar mais crítico) dessa forma de dominação em massa que é o cinema produzido pelos Estados Unidos da América do Norte.

Biografia do Autor

José Nicolau Gregorin Filho, Universidade de São Paulo;Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Professor Doutor das Áreas de Literatura infantil e Juvenil e Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa, Coordenador da Pós – Graduação da Área de Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa na Universidade de São Paulo.

Downloads

Publicado

2012-09-21

Como Citar

GREGORIN FILHO, J. N. O olhar polêmico do narrador no filme Rio. Literartes, [S. l.], n. 1, p. 1-7, 2012. DOI: 10.11606/issn.2316-9826.literartes.2012.47171. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/literartes/article/view/47171. Acesso em: 29 jul. 2021.

Edição

Seção

Artigos