Perda gestacional e neonatal, um sofrimento como outro qualquer

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v13i2p91-112

Palavras-chave:

Luto, Perda Gestacional e neonatal, Ultrassonografia, Sofrimento

Resumo

Investigamos sessenta e três narrativas de mães publicadas no livro “Histórias de amor na perda gestacional e neonatal” (2016). Nosso objetivo é mostrar que as estratégias de luta dessas mães são similares as de tantos outros movimentos sociais identitários. Em comum, a ideia de que um sofrimento contingente permite a construção de identidade. No caso das mães de perda gestacional e neonatal, para além da morte de seus bebês, há um sofrimento causado por aqueles que não atribuem ao filho morto o status de Pessoa, não reconhecendo a dor da perda. Em contrapartida, as mães vêm a público testemunhar a existência do filho, reivindicar a condição de mães e lutar por políticas públicas que minimizem os danos causados por aqueles que não consideram seu sofrimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristina Teixeira Viera de Melo, Universidade Federal de Pernambuco

Professora no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Pernambuco

Paulo Roberto Gibaldi Vaz, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professor no Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ

Referências

Ariès, P. (2014). O homem diante da morte. São Paulo, SP: Editora Unesp.

Armstrong, E. M. (2003). Conceiving risk, bearing responsibility: Fetal Alcohol Syndrome & the diagnosis of a moral disorder. Baltimore, MD: John Hopkins University Press.

Belluck, P. (2018, 6 de fevereiro). Far more U.S. children than previously thought may have fetal alcohol disorders. New York Times. Recuperado de https://www.nytimes.com/2018/02/06/health/pregnancy-drinking-fetal-alcohol.html

Cole, A. M. (2007). The cult of true victimhood: from the war against welfare to the war on terror. Stanford, CA: Stanford University Press.

Elias, N. (2001). A solidão dos moribundos. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar, 2001.

Elias, R. (1993). Victims still: the political manipulation of crime victims. Londres, Inglaterra: SAGE Publications.

Fassin, D., & Rechtman, R. (2007). L’empire du traumatisme: enquête sur la condition de victime. Paris, França: Flammarion.

Foucault, M. (1999). Em defesa da sociedade. São Paulo, SP: Martins Fontes.

Foucault, M. (2006). História da sexualidade 1. A vontade de saber (17. ed.). Rio de Janeiro, RJ: Edições Graal.

Freud, S. (2009). Escritos sobre a guerra e a morte. Covilhã, Portugal: LusoSofia Press.

Gould, D. B. (2009). Moving politics: emotion and ACT UP’s fight against AIDS. Chicago, IL: Chicago University Press.

Jacobs, J. B., & Potter, K. (1998). Hate crimes: criminal law & identity politics. Oxford, Inglaterra: Oxford University Press.

Lerner, K., & Vaz, P. (2017). “Minha história de superação”: sofrimento, testemunho e práticas terapêuticas em narrativas de câncer. Interface. Comunicação, Saúde e Educação, 21(61), 153-163. doi: 10.1590/1807-57622015.0822

Leys, R. (2007). From guilt to shame: Auschwitz and after. Princeton, NJ: Princeton University Press.

Lupi, C., Lupi, L., Camargo, F., & Couri, R. (Orgs.). (s.d.). Histórias de amor na perda gestacional e neonatal [versão Kindle]. Recuperado de http://www.amazon.com

Santos, H. C. O., & Amaral, W. N. do. (2012). A história da ultrassonografia no Brasil. Goiânia, GO: Contato Comunicação.

Simon, J. (2007). Governing through crime: how the war on crime transformed American democracy and created a culture of fear. Nova York, NY: Oxford University Press, 2007.

Taylor, V. (1996). Rock-a-Baby: feminism, self-help and postpartum depression. Nova York, NY: Routledge.

Weed, F. J. (1996). Certainty of justice: reform in the crime victim movement. Nova York, NY: De Gruyter.

World Health Organization. (2016) Making every baby count: auditi and review of stillbirth and neonatal deaths. World Health Organization: Genebra, Suíça. Recuperado de https://www.who.int

Young, M. P. (2002). Confessional protest: the religious birth of U.S. national social movements. American Sociological Review, 67(5), 660-688. doi: 10.2307/3088911

Publicado

2019-09-02

Como Citar

Melo, C. T. V. de, & Vaz, P. R. G. (2019). Perda gestacional e neonatal, um sofrimento como outro qualquer. MATRIZes, 13(2), 91-112. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v13i2p91-112

Edição

Seção

Em Pauta/Agenda