A experiência de jogo como efeito da afinação do(a) jogador(a) na tonalidade afetiva (Stimmung) lúdica:

uma abordagem fenomenológica do Ingress

Palavras-chave: Experiência de jogo, Tonalidade afetiva lúdica, Ingress, Game studies

Resumo

Este artigo propõe abordar a experiência de jogo como efeito do que chamamos de tonalidade afetiva lúdica para caracterizar, especificamente, o modo como nos relacionamos com o fenômeno lúdico e a sua manifestação na forma de jogo como uma possiblidade de relação do ser-no-mundo com o mundo vivido. A abordagem teórica foi aplicada empiricamente no jogo Ingress, jogo voltado a dispositivos móveis e que se desenvolve no contexto urbano. Os resultados encontrados permitem identificar, como efeito da afinação na tonalidade afetiva lúdica no game em questão, uma forte presença de sua cosmologia em situações nas quais os(as) jogadores(as) não estão efetivamente jogando. Isso indica que a narrativa e o gameplay do Ingress transformam a experiência espacial e urbana desses sujeitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Breno Maciel Souza Reis, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutor em Comunicação e Informação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, mestre em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul e publicitário pela Universidade Federal do Espírito Santo.

Referências

Adams, E. (2009). Fundamentals of game design. Berkeley, CA: New Riders.

Amaro, M. (2016). Eu não posso ser dois: Uma perspectiva sobre o conceito de gameplay a partir de experimentos com o jogo Brothers: A tale of two sons (Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil). Recuperado de http://bit.ly/2Pph0CJ

Assunção, R. A. (2010). O “reencantamento do mundo”: Interpelando os intérpretes do desencantamento do mundo (Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, SC, Brasil). Recuperado de http://bit.ly/2NKJNPJ

Bogost, I. (2016). Play anything: The pleasure of limits, the uses of boredom, and the secret of games [Kindle version]. Recuperado de https://www.amazon.com.br/.

Buytendijk, U. F. J. J. (1977). O jogo humano. In H. G. Gadamer & P. Vogler. (Orgs.), Nova antropologia:Vol. 4. O homem em sua existência biológica, social e cultural (pp. 63-87). São Paulo, SP: EPU.

Caillois, R. (1990). Os jogos e os homens: A máscara e a vertigem. Lisboa, Portugal: Cotovia.

Coyne, R. (2010). The tunning of place: Sociable spaces and pervasive digital media. Cambridge, MA: The MIT Press.

Critchley, S., & Schürmann, R. (2016). Sobre O Ser e Tempo de Heidegger. Rio de Janeiro, RJ: Mauad X.

Csikszentmihalyi, M. (1991). Flow: The psychology of optimal experience. Nova York, NY: Harper Perennial.

Csikszentmihalyi, M. (1996). Creativity: Flow and the psychology of discovery and invention. Nova York, NY: Harpercollins.

Csikszentmihalyi, M. (1997) Finding flow in everyday life. Nova York, NY: Basic Books.

Csikszentmihalyi, M. (2014). Flow and the foundations of positive psychology: The collected works of mihaly csikszentmihalyi. Nova York, NY: Springer.

Dahlstrom, D. O. (2013). Heidegger dictionary. Londres, Inglaterra: Bloomsbury.

Fink, E. (2016). Play as symbol of the world and other writings. Bloomington, IN: Indiana University Press.

Fragoso, S. (2017). Materialidades do gameplay: uma abordagem comunicacional de situações de jogo (Projeto de Pesquisa apresentado para a chamada CNPq 12/2017). Porto Alegre, RS: Autora.

Fragoso, S., Rebs, R. R., Reis, B. M. S., Santos, L., Messa, D., Amaro, M., & Caetano, M. (2017). Estudos de games na área da comunicação no Brasil: tendências no período 2000-2014. Verso e Reverso, 31(76), 2-13. doi: 10.4013/ver.2016.31.76.01

Fragoso, S., & Reis, B. M. S. (2016). Ludic re-enchantment and the power of locative games: a case study of the game Ingress. In J. Abdelnour-Nocera, M. Strano, C. M., Ess, M. Van der Velden, & H. Hrachovec (Eds.), Culture, technology, communication. Common World, Different Futures: Proceedings of the 10th IFIP WG 13.8 International Conference (pp. 131-148). Londres, UK. doi: 10.1007/978-3-319-50109-3

Gadamer, H.-G. (2015). Verdade e Método I: Traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica (15a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Gee, J. P. (2003). What video games have to teach us about learning and literacy. Nova York, NY: Palgrave Macmillan.

Gumbrecht, H. U. (2010). Produção de presença: O que o sentido não consegue transmitir. Rio de Janeiro, RJ: Contraponto.

Gumbrecht, H. U. (2014). Atmosfera, ambiência, Stimmung: Sobre um potencial oculto da literatura. Rio de Janeiro, RJ: Contraponto, Editora PUC-Rio.

Gumbrecht, H. U. (2015). Nosso amplo presente: O tempo e a cultura contemporânea. São Paulo, SP: Ed. Unesp.

Harman, G. (2007). Heidegger explained: From phenomenon to thing. Chicago, IL: Open Court.

Heidegger, M. (2011). Os conceitos fundamentais da metafísica: Mundo, finitude, solidão (2a ed.). Rio de Janeiro, RJ: Forense Universitária.

Heidegger, M. (2015). Ser e Tempo (10a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Huizinga, J. (2001). Homo ludens: O jogo como elemento da cultura (5a ed.). São Paulo, SP: Perspectiva.

Mastrocola, V. M. (2012). Ludificador: Um guia de referências para o game designer brasileiro. São Paulo, SP: Independente.

Merleau-Ponty, M. (2014). Fenomenologia da percepção. São Paulo, SP: Martins Fontes.

Nacke, L. E., & Lindley, C. A. (2009). Affective ludology, flow and immersion in a first-person shooter: Measurement of player experience. Loading… The Journal of The Canadian Game Studies Association, 3(5), 1-21. Recuperado de http://bit.ly/332dPUm

Niantic (2012). Ingress [Jogo de computador]. São Francisco, CA: Niantic, Inc. Recuperado de https://ingress.com/

Nieuwdorp, E. (2005). The pervasive interface: Tracing the magic circle. In J. Raessens, M. van den Boomen, S. Lammes, A.-S. Lehmann, & M. T. Schäfer (Eds.), Digital material: Tracing new media in everyday life and technology (pp. 199-209). Amsterdã, Holanda: Amsterdam University Press.

Nitsche, M. (2008). Video game spaces: Image, play, and structure in 3d worlds. Cambridge, MA: MIT Press.

Oliveira, B. A. S. (2006). Tonalidade afetiva e compreensão de si segundo a analítica existencial de Martin Heidegger (Dissertação de mestrado, Universidade Estadual do Norte Fluminense, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasil). Recuperado de http://bit.ly/2UkejkY

Pierucci, A. F. (2013). O desencantamento do mundo: Todos os passos do conceito em Max Weber. São Paulo, SP: Editora 34.

Reis, B. M. S. (2018). Experiência de jogo como a afinação em uma tonalidade afetiva lúdica: Stimmung, LARGs e reencantamento do mundo no Ingress (Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil). Recuperado de https://lume.ufrgs.br/handle/10183/178641

Reis, B. M. S., & Fragoso, S. D. (2017). O reencantamento lúdico da cidade contemporânea: Ingress e o tensionamento da instrumentalidade. Metamorfose, 2(1), 134-149.

Salen, K., & Zimmerman, E. (2004). Rules of play: Game design fundamentals. Cambridge, MA: MIT Press.

Schluchter, W. (2014). O desencantamento do mundo: Seis estudos sobre Max Weber. Rio de Janeiro, RJ: Editora UFRJ.

Sicart, M. (2014). Play matters. Cambridge, MA: MIT Press.

Sicart, M. (2017, 21 jun.). Play and Mortality [Postagem de blog]. Recuperado de http://www.playmatters.cc/play-and-mortality/

Stein, E. (2004). Mundo vivido: Das vicissitudes e dos usos de um conceito da fenomenologia. Porto Alegre, RS: Edipucrs.

Stengers, I. (2015). No tempo das catástrofes: Resistir à barbárie que se aproxima. São Paulo, SP: Cosac Naify.

Tyriakian, E. (1992). Dialectics of modernity: Reenchantment and Dedifferentiation as Counterprocesses. In H. Haferkamp, & N. J. Smelser (Orgs.), Social Change and modernity (pp. 78-94). Berkeley, CA: University of California Press.

Tuan, Y.-F. (1977). Space and place: The perspective of experience. Minneapolis, MN: University of Minnesota Press.

Weber, M. (1993). Ciência e política: Duas vocações (9a ed.). São Paulo: Cultrix.

Weber, M. (2015a). Ciência e política: Duas vocações. São Paulo: Martin Claret.

Weber, M. (2015b). Economia e sociedade: Fundamentos da sociologia compreensiva (4a ed.). Brasília, DF: Editora da UnB.

Publicado
2019-09-02
Como Citar
Reis, B. (2019). A experiência de jogo como efeito da afinação do(a) jogador(a) na tonalidade afetiva (Stimmung) lúdica:. MATRIZes, 13(3), 229-253. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v13i3p229-253
Seção
Em Pauta/Agenda