A “mulher louca” em Game of Thrones: gênero e a crítica do pop no jornalismo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v15i1p223-247

Palavras-chave:

Cultura pop, Gênero, Feminismo, Jornalismo, Crítica cultural, Game of Thrones

Resumo

Game of Thrones é uma série que revela complexidades na representação de personagens femininas. Tal percepção explodiu simbolicamente através do destino dado à personagem Daenerys Targaryen. Empreendemos, aqui, a partir da leitura de gênero, um mapeamento dos jornalismos que construíram críticas sobre a problemática implicada no destino da personagem. A partir da análise do discurso francesa, mapeamos e analisamos 49 textos. Percebemos como o feminino e o masculino atravessam a cultura pop, operacionalizada pelo jornalismo, acionando saberes sobre o gênero. Por fim, destacamos o jornalismo de cultura pop feminista como um espaço potente para discutir criticamente como o gênero está implicado na série.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe Viero Kolinski Machado Mendonça, Universidade Federal de Ouro Preto. Programa de Pós-Graduação em Comunicação

É Professor Adjunto do Departamento de Jornalismo (DEJOR) da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) e Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Ouro Preto (PPGCOM UFOP). Atualmente é vice-coordenador do GT Comunicação, Gêneros e Sexualidades da Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Comunicação. É Doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), com bolsa CAPES. Realizou estágio doutoral no exterior, com bolsa CAPES/PDSE, junto ao Centro em Rede de Investigação em Antropologia (CRIA/ISCTE-IUL), em Lisboa/Portugal É Mestre em Ciências da Comunicação também pela UNISINOS, com bolsa CNPq. Realizou estágio junto ao Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) (3 meses). É jornalista pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), com bolsa FNDE. Entre os anos de 2017 e 2019 realizou estágio de pós-doutorado junto ao Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) (Bolsa de Pós-Doutorado Júnior - PDJ/CNPq). Integra os grupos de Pesquisa Núcleo de Estudos Tramas Comunicacionais: Narrativa e Experiência (UFMG) e o Ponto: afetos, gêneros, narrativas (UFOP). Possui experiência profissional/estágio em rádio e em televisão e, como docente, ministra disciplinas teóricas, metodológicas e laboratoriais na área da comunicação e do jornalismo. Em suas pesquisas, interessa-se pelas seguintes áreas/temáticas: Produção de sentidos nas Mídias e no Jornalismo; Análise do Discurso Midiático e Estudo de rotinas produtivas; Geração, Gêneros e Sexualidades; Teoria Queer e Estudos Comunicacionais; Cultura Pop.

Christian Gonzatti, Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação

Doutorando e Mestre em Ciências da Comunicação, com ênfase em Processos Midiáticos, na linha de pesquisa de Linguagens e Práticas Jornalísticas pela Unisinos, com bolsa da CAPES. Graduado em Comunicação Social, com habilitação em Publicidade e Propaganda, também pela Unisinos, com bolsa integral. Membro do LIC, Laboratório de Investigação do Ciberacontecimento, do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Unisinos, desde 2012, atuando em pesquisas que articulam temas do jornalismo, como as teorias do acontecimento, dos processos em redes e mídias digitais e dos estudos de semiótica. Trabalha com marketing digital e gerenciamento de sites de redes sociais, tendo experiências na área com empresas de diferentes segmentos. Ministra cursos sobre metodologias para análises de redes digitais. Tem interesse, atualmente, nos estudos de cultura pop, redes e mídias digitais, semiótica e pedagogias das diferenças.

Referências

Alcântara, F. (2019, 6 de maio). Game of Thrones: O episódio é escuro e o roteiro é cheio de horrores. Minas Nerds. http://bit.ly/2QE0IHj

Althusser, L. (1974). Aparelhos ideológicos do estado. Presença; Martins Fontes.

Amaral, A., Souza, R. V. de, & Monteiro, C. (2015). De westeros no #vemprarua à shippagem do beijo gay na TV brasileira. Ativismo de fãs: Conceitos, resistências e práticas na cultura digital. Galaxia, (29), 141-154. http://dx.doi.org/10.1590/1982-25542015120250

Amaral, M. F. (2005). Sensacionalismo, um conceito errante. Intexto, (13), 103-116. c

Austin, J. L. (1962). How to do things with words (J. O. Urmson, Ed.). Clarendon Press.

Awards & nominations. (s.d.). Television Academy. http://bit.ly/3spjAYn

Ballerini, F. (2015). Jornalismo cultural no século 21: Literatura, artes visuais, teatro, cinema e música, as novas plataformas, o ensino e as tendências na prática. Summus.

Bastos, A. (2019, 29 de maio). As mulheres em Game of Thrones: Machismo, estereótipos e os diversos problemas. Delirium Nerd. http://bit.ly/3sqLcwg

Benetti, M. (2016). Análise de discurso como método de pesquisa em comunicação. In C. P. de Moura & M. I. V. de Lopes (Orgs.), Pesquisa em comunicação: Metodologias e práticas acadêmicas (pp. 235-256). EDIPUCRS.

Benioff, D., Weiss, D. B., Strauss, S., Doelger, F., Caulfield, B., Cogman, B., Sapochnik, M., & Nutter, D. (Produtores executivos). (2011-2019). Game of thrones [Série de televisão]. Television 360; Grok! Television; Generator Entertainment; Startling Television; Bighead Littlehead.

Borrillo, D. (2010). Homofobia: História e crítica de um preconceito. Autêntica.

Burlamaque, F. V., & Barth, P. A. (2017). Experiências literárias com sagas fantásticas: As crônicas de gelo e fogo e a criação de um novo universo. Revista Brasileira de Literatura Comparada, 18(29), 1-24. https://bit.ly/2PtXdTj

Butler, J. (2012). Problemas de gênero: Feminismo e subversão da identidade. Record.

Carvalho, D. (2019, 9 de maio). Daenerys não é a rainha louca em Game of Thrones – Ela só está (e com razão) putíssima. Garotas Geeks. http://bit.ly/3soXIwj

Carvalho, I. (2019, 22 de maio). Daenerys Targaryen: De quebradora de correntes à Rainha Louca da noite para o dia. Quarta Parede Pop. http://bit.ly/3lON3bQ

Charaudeau, P., & Maingueneau, D. (2008). Dicionário de análise do discurso. Contexto.

Cixous, H. (1997). The laugh of Medusa. In R. R. Warhol & D. P. Herndl (Eds.), Feminisms: An anthology of literary theory and criticism (pp. 875-893). Rutgers University Press.

Connell, R. (2016). Gênero em termos reais. nVersos.

Couto, P. R. D. (2015) Um jogo de rainhas: As mulheres de Game of Thrones [Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Juiz de Fora]. Repositório institucional da UFJF. https://bit.ly/3d4Lh2u

Davis, A. (2016). Mulheres, raça e classe. Boitempo.

Endress, J. (2019, 7 de maio). “Game of Thrones”: Por que Daenerys deve seguir a sina dos Targaryen e enlouquecer. Gaúcha ZH. http://bit.ly/3fgaN7w

Esmitiz, F. (2019). Jornalismo feminista: Uma análise dos processos de comunicação em rede do Portal Catarinas [Dissertação de mestrado, Universidade do Vale do Rio dos Sinos]. Repositório Digital da Biblioteca da Unisinos. https://bit.ly/3rp10OV

Farinha, R. (2019, 13 de maio). “A Guerra dos Tronos”: Se esperavam um final feliz, é porque não têm estado atentos. New in Town. http://bit.ly/2PuAJl6

Fausto Neto, A. (1999). Comunicação e mídia impressa: Estudo sobre a AIDS. Hacker.

Fischer, R. M. B. (2002). O dispositivo pedagógico da mídia: Modos de se educar na (e pela) TV. Educação e Pesquisa, 28(1), 151-162. https://doi.org/10.1590/S1517-97022002000100011

Flood, A. (2015, 10 de abril). George RR Martin revolutionised how people think about fantasy. The Guardian. http://bit.ly/3spl4Sq

Foucault, M. (2007). A ordem do discurso. Loyola.

Foucault, M. (2012). A arqueologia do saber (8a ed.). Forense Universitária.

Frankel, V. E. (2014). Women in Game of Thrones: Power, conformity and resistance. McFarland.

‘Game of Thrones’ chega à última temporada com recordes de orçamento, audiência e pirataria (2019, 14 de abril). Folha de S.Paulo. http://bit.ly/2QvtE42

Gilbert, S. M., & Gubar, S. (2000). The madwoman in the attic: The woman writer and the nineteenth-century literary imagination. Yale University Press. (Obra original publicada em 1979)

Gjelsvik, A., & Schubart, R. (Eds.). (2016). Women of ice and fire: Gender, Game of Thrones and multiple media engagements. Bloomsbury.

Gonzatti, C. (2017). Bicha, a senhora é performática mesmo: Sentidos queer nas redes digitais do jornalismo pop [Dissertação de mestrado, Universidade do Vale do Rio dos Sinos]. Repositório Digital da Biblioteca da Unisinos. https://bit.ly/2OJvuxS

Hall, S. (2000). Quem precisa da identidade? In T. T. da Silva (Org.), Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais (pp. 103-133). Vozes.

Hartnett, R. (2016). Mhysa or monster: Masculinization, mimicry, and the white savior in “A song of ice and fire”. Florida Atlantic University.

Janotti, J., Jr. (2015). Cultura pop: Entre o popular e a distinção. In S. P. de Sá, R. Carreiro, & R. Ferraraz (Orgs.), Cultura pop (pp. 45-56). EDUFBA.

Koblin, J. (2019, 15 de abril). ‘Game of Thrones’ returns to record ratings in season 8 premiere. The New York Times. http://nyti.ms/3rnzdyv

Laurie, T. (2015, 23-25 de novembro). Serialising gender, breeding race: Biopolitics in Game of Thrones [Artigo apresentado]. Trans/Forming Feminisms: Media, Technology, Identity, University of Otago, Dunedin, Nova Zelândia.

Leão, F. (2019, 20 de maio). Chega ao fim a maior série de todos os tempos. Poderia ter sido melhor? Dom Total. http://bit.ly/3d4BLMN

Marques, D. (2019). Power and the denial of femininity in Game of Thrones.Canadian Review of American Studies, 49(1), 46-65. https://doi.org/10.3138/cras.49.1.004

Martin, G. (2010). A guerra dos tronos. Leya. (Obra original publicada em 1996)

Monteiro, C. (2019, 6 de maio). Game of Thrones – O episódio é escuro e o roteiro é cheio de horrores. Minas Nerds. http://bit.ly/2QE0IHj

Monteiro, M. H., & Soares, T. (2014, 15-17 de maio). Museu de grandes novidades: Crítica, agendamento e valor sobre a obra de Madonna no jornalismo cultural [Artigo apresentando]. XVI Congresso de Ciências da Comunicação na Região Nordeste, João Pessoa, PB, Brasil. https://bit.ly/3lQu3to

O destino de Daenerys Targaryen e as utopias sociais. (2019, 20 de maio). Indutância Nerd. http://bit.ly/3tTQO2G

Orlandi, E. P. (2009). Análise de discurso: Princípios e procedimentos (8a ed.). Pontes.

Pêcheux, M. (1997). A análise do discurso: três épocas. In F. Gadet & T. Hak (Orgs.), Por uma análise automática do discurso: Uma introdução à obra de Michel Pêcheux (pp. 311-319). Editora Unicamp.

Penkala, A. P., Pereira, L. P., & Ebersol, I. (2014). Arquétipos complexos de gênero em Game of Thrones: Daenerys nascida da tormenta, a puta, a guerreira, a mãe. Paralelo 31, 1(2). http://bit.ly/3w2xhPd

Pérez Navarro, P. (2008). Del texto al sexo: Judith Butler y la performaividad. Egales.

Pimenta, J. J. (2019, 24 de maio). Daenerys Targaryen, a Stalin de Game of Thrones. Diário Causa Operária. https://bit.ly/3coqFTM

Piza, D. (2004). Jornalismo cultural (2a ed.). Contexto.

Ramirez, N. (2019, 15 de maio). Por que decepciona ver Daenerys reduzida ao mito da cabeça de medusa. El País. http://bit.ly/31lSEwZ

Rantin, C. (2019). Não, a narrativa da rainha louca em Game of Thrones não é forçada! Legião dos Heróis. http://bit.ly/3fdnpw2

Report critiques inclusion among film critics. (2018, 11 de junho). USC Annenberg. http://bit.ly/2Po2xrb

Ribeiro, D. (2017). O que é lugar de fala. Letramento.

Ribeiro, J. (2019, 5 de maio). Com o fim dos White Walkers, poderia Daenerys Targaryen ser a última vilã de Game of Thrones? Ultimato do Bacon. http://bit.ly/3fe1YuN

Rich, A. (2010). Heterossexualidade compulsória e existência lésbica. Bagoas: Estudos Gays: Gêneros e Sexualidades, 4(5), 17-44. https://bit.ly/3rl0UI3

Rossetti, M. L. (2015). Artes plásticas e jornalismo cultural, reflexos da pós-modernidade: Ilustríssima, revista Cult e Digestivo Cultural [Dissertação de mestrado, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul]. Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da PUCRS. https://bit.ly/39eV58Y

Sá, S. P. de, Carreiro, R., & Ferraraz, R. (2015). Cultura pop. EDUFBA.

Santos, S. (2019, 19 de maio). Daenerys Targaryen, a rainha louca. C7nema. https://bit.ly/3fkJeKt

Showalter, E. (1981). Feminist criticismo in the wilderness. Critical Inquiry, 8(2),179-205. https://doi.org/10.1086/448150

Silva, M. V. da. (2014). Masculino, o gênero do jornalismo: Modos de produção das notícias. Insular.

Soares, T. (2014). Abordagens teóricas para estudos sobre cultura pop. Logos, 2(24),1-14. https://doi.org/10.12957/logos.2014.14155

Spivak (2010). Pode o subalterno falar? Editora UFMG.

Tarnowski, A. (2019). “Yet I’m Still a Man”: Disability and masculinity in George RR Martin’s A Song of Ice and Fire Series. Canadian Review of American Studies, 49(1), 77-98. https://doi.org/10.3138/cras.49.1.007

Warner, M. (Ed.). (1991). Fear of a queer planet: Queer politics and social theory. University of Minnesota Press.

Woodward, K. (2000). Identidade e diferença: Uma introdução teórica e conceitual. In T. T. da Silva (Org.), Identidade e diferença: A perspectiva dos estudos culturais (pp. 7-72). Vozes.

Publicado

2021-06-08

Como Citar

Mendonça, F. V. K. M., & Gonzatti, C. (2021). A “mulher louca” em Game of Thrones: gênero e a crítica do pop no jornalismo. MATRIZes, 15(1), 223-247. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v15i1p223-247

Edição

Seção

Em Pauta/Agenda