Meios de comunicação na territorialização do capital

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v14i2p261-287

Palavras-chave:

Territorialização do capital, Meios de produção, Conglomerados de mídia

Resumo

O texto problematiza o papel fundamental dos meios de comunicação na territorialização do capital. Para tanto faz uma reflexão teórica na qual discute o conceito de território e territorialização do capital, a partir do entendimento de que os meios de comunicação são meios de produção. Busca-se demonstrar que as dinâmicas econômicas e políticas que orientam a territorialização das organizações midiáticas, formatam os produtos discursivos que são por elas produzidos. Mesmo em tempos de popularização da internet e aparente democratização da comunicação, deter o acesso aos meios de produção da informação ainda é uma forma de isolamento territorial e manutenção de poder de líderes locais.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Janaina Visibeli Barros, Universidade do Estado de Minas Gerais

Sou professora e coordenadora do curso de Comunicação Social da UEMG no campus de Divinópolis, com mestrado em Ciências da Comunicação pela USP, especialista em Imagens e Culturas midiáticas pela UFMG e graduada pela Newton Paiva em RP, em BH. Atualmente me dedico a pesquisa sobre os estudos do consumo e o trabalho da comunicação no interior de Minas Gerais. Leciono disciplinas de gestão da comunicação, estudos do consumo, marketing, empreendedorismo e comunicação estratégica.

Referências

Aguiar, S. (2016). Territórios do Jornalismo: Geografias da mídia local e regional no Brasil. Editora Vozes; Editora PUC Rio.

Barrios, S. (1986). A produção do espaço. In M. Santos, & M. A. Souza (Orgs.), A construção do espaço (pp. 1-24). Novel.

Barros, J. V. (2019). Conglomerados midiáticos regionais: Os meios de comunicação como meios de produção na territorialização do capital. (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo. https://doi.org/10.11606/T.27.2019.tde-24052019-102718

Barros, J. V., & Raslan Filho, G. S. (novembro, 2017). Distante do “passaralho”: Trabalho da comunicação no interior de Minas Gerais. Artigo apresentado no 15º Encontro de Pesquisadores em Jornalismo. São Paulo, SP, Brasil. https://bit.ly/31HbHTb

Boulanger, P. (2014). Géopolitique desenvolvimento médias: Acteurs, rivalités et conflits. Armand Colin.

Castells, M. (1999). A sociedade em rede. A era da informação: Economia, sociedade e cultura (vol. 1). Paz e Terra.

Castells, M. (2008). O poder da identidade. A era da informação: Economia, sociedade e cultura (vol. 2). Paz e Terra.

Dardot, P., & Laval, C. (2016). A nova razão do mundo: Ensaio sobre a sociedade neoliberal. Boitempo.

Debord, G. (1997). Sociedade do espetáculo. Contraponto.

Durand, J. P. (2003). A refundação do trabalho no fluxo tensionado. Tempo Social, 15(1), 139-158. https://doi.org/10.1590/S0103-20702003000100008

Fígaro, R. (2013). Perfis e discurso do jornalista no mundo do trabalho. In R. Fígaro (Org), As mudanças no mundo do trabalho do jornalista. Salta.

Fígaro, R. (2018). Comunicação e trabalho: Implicações teórico-metodológicas. Galáxia, (39), 177-189. https://doi.org/10.1590/1982-255435905

Fígaro, R., Roxo, M., & Barros, J. V. (novembro, 2018). Estratégias de demarcação do ethos jornalístico na figura de novos arranjos do trabalho dos jornalistas. Artigo apresentado no 16º Encontro de Pesquisadores em Jornalismo. São Paulo, SP, Brasil. https://bit.ly/31HKhN9

Gitlin, T. (1980). The whole world is watching: Mass media and the making and unmaking of the new left. University of California.

Haesbaert, R. (2010). Regional-global: Dilemas da região e da regionalização na geografia contemporânea. Bertrand Brasil.

Harvey, D. (2001). A condição pós-moderna. Edições Loyola.

Harvey, D. (2005). A arte de lucrar: Globalização, monopólio e exploração da cultura. In D. Moraes (Org.), Por uma outra comunicação: Mídia, mundialização cultural e poder (pp. 139-172). Record.

Heller, A. (2004). O cotidiano e a história. Paz e Terra.

Intervozes. (2017). Monopólios digitais: concentração e diversidade na internet. Intervozes/Ford Foundation. https://bit.ly/3m9uXQk

Leal, V. N. (1997). Coronelismo, enxada e voto (3ª ed.). Nova Fronteira.

Lefebvre, H. (1972). Espace et politique. Anthropos.

Lima, V. A. (2011). Regulação das comunicações: História, poder e direitos. Paulus.

Lukács, G. (2012). Ontologia do ser social I. Boitempo.

Machado, I. (2015). Variáveis semióticas do espaço na cultura de meios. Galáxia, (29), 70-82. http://dx.doi.org/10.1590/1982-25542015120606

Marx, K. (2004). Manuscritos econômico-filosóficos. Boitempo.

Marx, K. (2013). Livro I: O processo de produção do capital. In K. Marx, O capital: Crítica da economia política. (R. Enderle, trad.). Boitempo.

Marx, K., & Engels, F. (1998). O manifesto comunista. Paz e Terra.

Moraes, D. (2005). O capital da mídia na lógica da globalização. In D. Moraes (Org.), Por uma outra comunicação: Mídia, mundialização cultural e poder (pp. 187-216). Record. Motter, M. L. (2002). Campo da comunicação: Cotidiano e linguagem. In M. A. Baccega (Org.), Gestão de processos comunicacionais (pp. 29-47). Editora Atlas.

Peruzzo, C. K. (2009). Aproximações entre a comunicação popular e comunitá- ria e a imprensa alternativa no Brasil na era do ciberespaço. Galáxia, (17), 131-146. https://bit.ly/3baz5vv

Projor – Instituto para o desenvolvimento do jornalismo & Volt Data Lab. (2017). Atlas da Notícia (1ª ed.). https://www.atlas.jor.br

Raffestin, C. (1993). Por uma geografia do poder (M. C. França, trad.). Editora Expressão Popular.

Raslan Filho, G. S. (2010). Dai-me almas: O pastoreio midiatizado da TV Canção Nova. (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo. https://doi.org/10.11606/T.27.2010.tde-04112010-131915

Ratzel, F. (1990). Geografia (Coleção Grandes Cientistas Sociais). Ed. Ática.

Repórteres Sem Fronteira, & Intervozes. (2017). Media Owership Monitor Brasil. https://bit.ly/2R7jjZj

Rocha, P. F., & Santos, A. F. (2012). Holding Familiar. Tibúrcio Rocha.

Saquet, M. A. (2007). Abordagens e concepções de território. Editora Expressão Popular.

Santos, M. (setembro, 1955). Classificação funcional dos jornais brasileiros: As regiões jornalísticas. Artigo apresentado no IV Congresso Nacional de Jornalistas. Belo Horizonte, MG, Brasil.

Santos, S. (2006). E-Sucupira: O coronelismo eletrônico com herança do coronelismo nas comunicações brasileiras. E-Compós, 7, 1- 27. https://doi.org/10.30962/ec.104

Santos, S., & Aires, J. (2017). Sempre foi pela família: Mídia e políticas do Brasil. Mauad.

Schaff, A. (1974). Linguagem e conhecimento. Almedina.

Sfez, L. (1994). Crítica da comunicação. Loyola.

Sodré, M. (2014). A ciência do comum: Notas para o método comunicacional. Vozes.

Thompson, J. B. (1998). A mídia e a modernidade: Uma teoria social da mídia. Vozes.

Traquina, N. (2005). Teorias do jornalismo: Porque as notícias são como são (vol. 1). Insular.

Volochinov, V. (Bakhtin, M). (2004). Marxismo e filosofia da linguagem. Editora Hucitec.

Williams, R. (2011). Cultura e materialismo. Editora Unesp.

Wolf, M. (1992). Teorias da comunicação. Editorial Presença.

Wolton, D. (1996). Elogio do grande público: Uma teoria crítica da televisão. Editora Ática.

Publicado

2020-12-31

Como Citar

Barros, J. V. (2020). Meios de comunicação na territorialização do capital. MATRIZes, 14(2), 261-287. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v14i2p261-287

Edição

Seção

Em Pauta/Agenda