A “televisão do futuro”? Netflix, qualidade e neofilia no debate sobre TV

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v15i1p195-222

Palavras-chave:

Televisão, Streaming, Discurso, Qualidade, Netflix

Resumo

Neste artigo, investigamos a Netflix, colocando em questão as expectativas do público e da crítica a respeito de mudanças advindas com a introdução do serviço. A partir da análise de matérias jornalísticas, dados de acesso e tendências de investimento da empresa, averiguamos que tipos de experiência sobre o consumo de TV estão em jogo no discurso propalado por analistas e entusiastas do novo. Debatemos, também, como as avaliações sobre as plataformas de streaming renovam as permanentes controvérsias sobre a qualidade televisiva. A despeito do tipo de elucubração despertada pela sensação de ubiquidade e de revoluções estilísticas, defendemos que as práticas relacionadas ao streaming funcionam, na verdade, como atualizações de modelos consagrados na TV linear.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mayka Castellano, Universidade Federal Fluminense. Programa de Pós-Graduação em Comunicação

Professora do Departamento de Estudos Culturais e Mídia e do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal Fluminense (UFF). Mestre e doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura da ECO/UFRJ, onde também realizou um pós-doutorado com bolsa FAPERJ.

Melina Meimaridis, Universidade Federal Fluminense. Programa de Pós-Graduação em Comunicação

Melina Meimaridis é doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal Fluminense. É mestre em Comunicação e se graduou com Láurea Acadêmica, em Estudos de Mídia pela mesma instituição. Atualmente, ela está desenvolvendo sua tese sobre a ficcionalização de instituições sociais nas séries televisivas. Outras áreas de interesse são novas mídias e televisão, streaming, Comfort Series, spoilers e estudos de fãs. Atualmente, é pesquisadora associada ao TeleVisões (UFF) e ao Série Clube (UFF). Tem também experiência docente na graduação em Estudos de Mídia da UFF.

Referências

Abrams, J. J., Lindelof, D., Burk, B., Cuse, C., Bender, J., Pinkner, J., Kitsis, E., Horowitz, A., & Sarnoff, E. (Produtores executivos). (2004-2010). Lost [Série de televisão]. Bad Robot Productions; Touchstone Television; ABC Studios.

Almeida, M. R. (2020). TV Social: O telespectador como protagonista na televisão em múltiplas telas. Appris.

Andrejevic, M. (2004). Reality TV: The work of being watched. Rowman & Littlefield.

Anspaugh, D., Yerkovich, A., Vittes, M., & Schneider, S. (Produtores). (1981-1987). Hill Street blues [Série de televisão]. MTM Enterprises.

Astrof, J. (Roteirista), Sikowitz, M. (Roteirista), Chase, A. (Roteirista), Ungerleider, I. (Roteirista) & Lazarus, P. (Diretor). (1995, 12 de janeiro). The one with the dozen lasagnas (Temporada 1, Episódio 12) [Episódio de série de televisão]. In D. Crane, M. Kauffman, K. S. Bright, M. Borkow, M. Curtis, A. Chase, G. Malins, W. Calhoun, S. Silveri, S. Goldberg-Meehan, A. Reich, & T. Cohen (Produtores executivos), Friends. Bright/Kauffman/Crane Productions; Warner Bros. Television.

Balbi, C. (2020, 18 de julho). Depois da era de ouro das séries, streaming abraça os programas trash. Folha de S.Paulo. https://bit.ly/39jH4Xk

Barbosa, M. (2010). Imaginação televisual e os primórdios da TV no Brasil. In A. P. Ribeiro, I. Sacramento, & M. Roxo (Orgs.), História da televisão no Brasil: Do início aos dias de hoje (pp. 15-36). Contexto.

Barcroft, S. & Wyles, P. (Produtores executivos). (2018). Amazing interiors [Incríveis por dentro] [Série de televisão]. Barcroft Productions.

Barros, C. (2015). Da produção ao consumo: diversidade cultural nos usos coletivos de tecnologia entre grupos populares. Comunicação Mídia e Consumo, 12(35), 129-148. http://dx.doi.org/10.18568/cmc.v12i35.1052

Belinchón, G. (2018, 8 de maio). Festival de Cannes abre a edição da renovação (mas sem a Netflix). El País. https://bit.ly/3thCaCs

Blake, J. (2017). Television and the second screen: Interactive TV in the age of social participation. Routledge.

Bob-Waksberg, R., Bright, N., Cohen, S. A., Fetter, B., Wiseman, J., Arnett, W., Paul, A., & Weil, A. (Produtores executivos). (2014-2020). BoJack Horseman [Série de televisão]. Tornante Television; Boxer vs. Raptor; ShadowMachine

Bourdieu, P. (2007). A distinção: Crítica social do julgamento. Edusp; Zouk. (Obra original publicada em 1979)

Bourdon, J. (2018). Is the end of television coming to an end? VIEW Journal of European Television History and Culture, 7(13), 1-15. https://doi.org/10.18146/2213-0969.2018.jethc144

Brown, J. (Roteirista), & Bright, K. S. (Diretor). (1995, 12 de janeiro). The one where Rachel finds out (Temporada 1, Episódio 24) [Episódio de série de televisão]. In D. Crane, M. Kauffman, K. S. Bright, M. Borkow, M. Curtis, A. Chase, G. Malins, W. Calhoun, S. Silveri, S. Goldberg-Meehan, A. Reich, & T. Cohen (Produtores executivos), Friends. Bright/Kauffman/Crane Productions; Warner Bros. Television.

Buonanno, M. (2015). Uma eulogia (prematura) do broadcast: O sentido do fim da televisão. MATRIZes, 9(1), 67-86. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v9i1p67-86

Buonanno, M. (2016). Thematic issue on the end of television (not yet): Editor’s introduction. Media and Communication, 4(3), 95-98. http://dx.doi.org/10.17645/mac.v4i3.661

Burnett, M., Parsons, C., & Probst, J. (Produtores executivos). (2000-presente). Survivor [Série de televisão]. CBS EYE Productions; Survivor Productions LLC; CBS Studios; Castaway Television Productions; Mark Burnett Productions (2000-11); One Three Media (2012-14); United Artists Media Group (2014-15); MGM Television (2016-).

Campanella, B. (2012). Os olhos do grande irmão: Uma etnografia dos fãs do Big Brother Brasil. Sulina.

Cannito, N. (2010). A televisão na era digital. Summus.

Carbone, A., Eyal, I., McGrath, M., & Smith, B. (Produtores executivos). (2020-presente). Floor is lava [Game show]. Haymaker Media.

Carlón, M., & Fechine, Y. (Eds.). (2014). O fim da televisão. Confraria do Vento.

Castellano, M. (2010). “É bom porque é ruim!”: Considerações sobre produção e consumo de cultura trash no Brasil. Em Questão, 16(2), 283-296.

Castellano, M., & Meimaridis, M. (2016). Netflix, discursos de distinção e os novos modelos de produção televisiva. Contemporanea, 14(2), 193-209. http://dx.doi.org/10.9771/contemporanea.v14i2.16398

Castellano, M., Meimaridis, M., & Ferreirinho, G. (2019). Dramas televisivos de prestígio e masculinidade. Comunicação & Inovação, 20(44), 76-94. https://doi.org/10.13037/ci.vol20n44.5470

César, D. (2020, 5 de julho). Globoplay dispara com novelas e fatura quase R$150 milhões por mês. UOL. https://bit.ly/3thyBvS

Chase, D., Grey, B., Green, R., Burgess, M., Landress, I. S., Winter, T., & Weiner, M. (Produtores executivos). (1999-2007). The Sopranos [Família Soprano] [Série de televisão]. Chase Films; Brad Gray Television.

Costa, O. (2019, 27 de fevereiro). A Netflixazação da TV (Será o fim da TV como conhecemos?). ProXXima. https://bit.ly/3g91M0m

Crane, D., Kauffman, M., Bright, K. S., Borkow, M., Curtis, M., Chase, A., Malins, G., Calhoun, W., Silveri, S., Goldberg-Meehan, S., Reich, A., & Cohen, T. (Produtores executivos). (1994-2004). Friends [Série de televisão]. Bright/Kauffman/Crane Productions; Warner Bros. Television.

Cullis, C. (2016, 19 de outubro). Streaming killed the TV star. Cape Talk. https://bit.ly/3gbnS2C

Daniels, G., Schur, M., Klein, H., Miner, D., Sackett, M., Holland, D., & Goor, D. (Produtores executivos). (2009-2015). Parks and recreation [Confusões de Leslie] [Série de televisão]. Open 4 Business Productions; Deedle-Dee Productions; Fremulon; 3 Arts Entertainment; Universal Television.

Dhoest, A., & Simons, N. (2016). Still ‘watching’ TV? The consumption of TV fiction by engaged audiences. Media and Communication, 4(3), 176-184. http://dx.doi.org/10.17645/mac.v4i3.427

Diebold, J. M.N. (2018, 28 de agosto). La revolución de Netflix apenas comenzó. Milenio. https://bit.ly/3dhJJDB

Fechine, Y. (2009). A programação da TV no cenário de digitalização dos meios: configurações que emergem dos reality shows. In J. Freire Filho (Org.), A TV em Transição (pp. 139-170). Sulina.

Fechine, Y. (2014). Elogio à programação: repensando a televisão que não desapareceu [Artigo apresentado]. 37o Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Foz do Iguaçu, PR, Brasil. https://bit.ly/3sdho6s

Fechine, Y. (2017). TV social: Contribuições para delimitação do tema. Revista Contracampo, 36(1), 1-15. https://doi.org/10.22409/contracampo.v36i1.965

Feltrin, R. (2020, 8 de junho). Streaming já é o 2o maior ibope do país e só perde para Globo. UOL. https://bit.ly/3fjZwmS

Ferraz, T. (2009). A segunda Cinelândia carioca: Cinemas, sociabilidade e memória na Tijuca. Multifoco.

Fidler, R. F. (1997). Mediamorphosis: Understanding new media. Pine Forge Press.

Fincher, D., Spacey, K., Roth, E., Donen, J., Brunetti, D., Davies, A., Dobbs, M., Melfi, J., Willimon, B., Manson, D., Coles, J. D., & Wright, R. (Produtores executivos). (2013-2018). House of cards [Série de televisão]. Media Rights Capital; Trigger Street Productions; Wade/Thomas Productions; Knight Takes King Productions.

Freire Filho, J. (2003). A TV, os literatos e as massas no Brasil. RevistaContracampo, 8(1), 105-124.

Garcia, R. (2017, 14 de março). Quinze tecnologias de ponta que ficaram obsoletas. Veja São Paulo. https://bit.ly/3dhv5MB

Gavin, H. (2018, 4 de dezembro). Netflix paid $100 million to keep streaming friends. Slate. https://bit.ly/3mJmKV2

Gilligan, V., Johnson, M., & MacLaren, M. (Produtores executivos). (2008-2013). Breaking bad [Série de televisão]. High Bridge Entertainment; Gran Via Productions; Sony Pictures Television.

Gomes, H. S. (2020, 29 de abril). Internet chega a 80% das casas, e TV digital aberta cresce, diz IBGE. UOL. https://bit.ly/34dM4tw

Guaraldo, L. (2018, 25 de fevereiro). Com projetos bizarros, Netflix ameaça virar uma TV por assinatura completa. UOL. https://bit.ly/2Q0DDOU

Haas, N. (2013, 29 de janeiro). And the award for the next HBO goes to... GQ. https://bit.ly/3sgb119

Hill, A. (2004). Reality TV: Audiences and popular factual television. Routledge.

Hilmes, M. (2005). The bad object: Television in the American academy. Cinema Journal, 45(1), 111-117. https://doi.org/10.1353/cj.2006.0008

Jang-soo, L., & Sae-jung, J. (Produtores executivos). (2021-presente). Vincenzo [Série de televisão]. Logos Film.

Jaramillo, D. L. (2013). Rescuing television from ‘the cinematic’: The perils of dismissing television style. In S. Peacock & J. Jacobs (Eds.), Television aesthetics and style (pp. 67-75). Bloomsbury.

Jeffries, S. (2013, 30 de dezembro). Netflix’s Ted Sarandos: The ‘evil genius’ behind a TV revolution. The Guardian. https://bit.ly/3mO3RAj

Jenner, M. (2018). Netflix and the re-Invention of television. Palgrave MacMillan.

Kang, J. M. (2017). Just another platform for television? The emerging web dramas as digital culture in South Korea. Media, Culture & Society, 39(5), 762-772. https://doi.org/10.1177/0163443717709442

Katz, E. (2009). The end of television? The Annals of the American Academy of Political and Social Science, 625(1), 6-18. https://doi.org/10.1177/0002716209337796

Kelly, J. P. (2020). “This title is no longer available”: Preserving television in the streaming age. Television & New Media, online first, https://doi.org/10.1177%2F1527476420928480

Kohan, J., Hess, S., & Herrmann, T. (Produtores executivos). (2013-2019). Orange is the new black [Série de televisão]. Lionsgate Television; Tilted.

Kroll, N., Mulaney, J., Klein, J., Mantzoukas, J., Slate, J., Armisen, F., Rudolph, M., & Peele, J. (Produtores executivos). (2017-presente). Big mouth [Série de televisão]. Danger Goldberg Productions; Good at Bizness, Inc.; Fathouse Industries; Titmouse, Inc.

Ladeira, J. D. M. (2019). O algoritmo e o fluxo: Netflix, aprendizado de máquina e algoritmos de recomendações. Intexto, (47), 166-184. https://doi.org/10.19132/1807-8583201947.166-184

Leverette, M., Ott, B. L., & Buckley, C. L. (Eds.). (2008). It’s not TV: Watching HBO in the post-television era. Routledge.

Lexton, L., Rogan, T., & Reddy, S. (Produtores executivos). (2012-2014). Here comes Honey Boo [Série de televisão]. Authentic Entertainment.

Lima, C. A., Moreira, D. G., & Calazans, J. C. (2015). Netflix e a manutenção de gêneros televisivos fora do fluxo. MATRIZes, 9(2), 237-256. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v9i2p237-256

Lobato, R. (2019). Netflix nations: The geography of digital distribution. NYU Press.

Lorre, C., Molaro, S., Prady, B., & Kaplan, E. (2007-2019). The big bang theory [Série de televisão]. Chuck Lorre Productions; Warner Bros. Television.

Lotz, A. D. (2007). The television will be revolutionized. NYU Press.

Lotz, A. D. (2009). What is US television now? The Annals of the American Academy of Political and Social Science, 625(1), 49-59. https://doi.org/10.1177/0002716209338366

Lotz, A. D. (2017). Portals: A treatise on internet-distributed television. Michigan Publishing; University of Michigan Library.

Lotz, A. D. (2020, 23 de julho). Why distinguish between commissions and acquisitions in analyzing SVODs? Amanda Lotz. https://bit.ly/3abtqWS

Machado, A. (1999). Pode-se falar em gêneros na televisão? Famecos: mídia, cultura e tecnologia, 6(10), 142-158. https://doi.org/10.15448/1980-3729.1999.10.3037

Machado, A. (2011). Fim da televisão? Revista Famecos, 18(1), 86-97. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2011.1.8799

Masson, C., & Amaral, L. (2017, 10 de fevereiro). TV é coisa do passado. IstoÉ. http://bit.ly/2PeJUG5

Meimaridis, M., Mazur, D., & Rios, D. (2020). The streaming wars in the global periphery: a glimpse from Brazil. Series-International Journal of TV Serial Narratives, 6(1), 65-76. https://doi.org/10.6092/issn.2421-454X/10457

Meriwether, E., Kasdan, J., Chernin, P., Pope, K., Finkel, D., & Baer, B. (Produtores executivos). (2011-2018). The new girl [Série de televisão]. Meriwether Productions (episódios 1-3), Elizabeth Meriwether Pictures (episódios 4-146), American Nitwits, Chernin Entertainment, 20th Century Fox Television.

Miller, T. (2009). A televisão acabou, a televisão virou coisa do passado, a televisão já era. In: J. Freire Filho (Org.), A TV em transição: Tendências de programação no Brasil e no mundo (pp. 9-26). Sulina.

Mittell, J. (2011). TiVoing childhood: Time-shifting a generation’s concept of television. In M. Kackman, M. Binfield, M. T. Payne, A. Perlman, & B. Sebok (Eds.), Flow TV: Television in the age of media convergence (pp. 46-54). Routledge.

Molla, R. (2018, 21 de dezembro). Here are some of the most popular shows on Netflix: which may be leaving Netflix son. Vox. http://bit.ly/3rc8jt9

Newman, M. Z. (2016). Quality TV as Liberal TV. Western Humanities Review, 70(3). https://bit.ly/2PnXbvV

Nunes, L. (2015, 21 de abril). O fenômeno Netflix e o futuro da TV. Observatório da Imprensa. https://bit.ly/2RBa4Ec

Padiglione, C. (2020, 8 de abril). Com BBB no topo, audiência do Globoplay cresce 46% após início da quarentena. Folha de S.Paulo. https://bit.ly/3tkYAm2

Parmeggiani, B. (2017). Questões epistemológicas no debate sobre o fim da televisão [Artigo apresentado]. 40º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Curitiba, PR, Brasil. https://bit.ly/3tGiojE

Penner, T. A., & Straubhaar, J. (2020). Títulos originais e licenciados com exclusividade no catálogo brasileiro da Netflix. MATRIZes, 14(1), 125-149. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v14i1p125-149

Peterson, R., & Kern, R. (1996). Changing highbrow taste: From snob to omnivore. American Sociological Review, 61(5), 900-907. https://doi.org/10.2307/2096460

Poniewozik, J. (2014, 30 de outubro). The post-television tv era has begun. Time. https://bit.ly/3ggzMbv

Rede Globo. (2020, 31 de agosto). Globoplay + canais ao vivo chega à plataforma em setembro. Site de Imprensa. https://bit.ly/3sn9CG5

Rhimes, S., Heinberg, A., Reaser, A., Beers, B., Allen, D., Parriott, J. D., Renshaw, J., Rafner, J., Rater, J., Hodder, K., Vernoff, K., Gordon, M., Wilding, M., Noxon, M., Marinis, M., Horton, P., Corn, R., McKee, S., Mulholland, S., Phelan, T., Harper, W., & Clack, Z. (Produtores executivos). (2005-presente). Grey’s anatomy [A anatomia de Grey] [Série de televisão]. Shondaland Productions (2005-presente); The Mark Gordon Company (2005-2018; Temporadas 1-14); Entertainment One Television (2018-presente; Temporada 15-presente); Touchstone Television (2005-2007; Temporadas 1-3); ABC Studios (2007-2020; Temporadas 4-16); ABC Signature (2020-presente; Temporada 17-presente).

Robinson, M. J. (2017). Television on demand: Curatorial culture and the transformation of TV. Bloomsbury.

Rodriguez, A. (2020, 28 de agosto). Brazil now has more Netflix subscribers than pay-TV households, according to Bernstein analysts. Here are 3 takeaways from their report about the key streaming market. Business Insider. https://bit.ly/3jjBOpI

Salgado, E. (2017, 07 de setembro). Como a revolução do streaming mudou as TVs e Hollywood. Exame. https://bit.ly/2OOnzzn

Sandoval, P. X. D. (2015, 18 de outubro). A TV será substituída pela internet assim como o celular fez com o fixo. El País. https://bit.ly/3mLTuNi

Sandoval, P. X. D. (2019, 5 de março). Steven Spielberg ataca Netflix e reabre o debate sobre ‘streaming’. El País. https://bit.ly/2OQxiVS

Schneider, M. (2020a, 28 de julho). Emmys: Netflix dominates in 2020, with a whopping 160 nominations; HBO’s ‘Watchmen’ leads programs. Variety. https://bit.ly/3abk6lK

Schneider, M. (2020b, 20 de fevereiro). ‘Friends’ DVD, digital sales soar as it takes a break from streaming. Variety. https://bit.ly/3tkSPou

Schur, M., Miner, D., Sackett, M., & Goddard, D. (Produtores executivos). The good place [O bom lugar] [Série de televisão]. Fremulon; 3 Arts Entertainment; Universal Television.

Seacrest, R., Murray, J., Goldschein, G., Jenkins, J., Farjam-Chazan, F., Jenner, K., Kardashian, K., Kardashian West, K., & Kardashian, K. (Produtores executivos). (2007-presente). Keeping up with the Kardashians [Série de televisão]. Ryan Seacrest Productions; Bunim/Murray Productions.

Sigiliano, D. M. V., & Borges, G. (2013). Social TV: A sinergia entre as hashtags e os índices de audiência. Revista GEMInIS, 4(2), 106-119.

Silverman, B., Daniels, G., Gervais, R., Merchant, S., Klein, H., Kwapis, K., Lieberstein, P., Celotta, J., Novak, B. J., Kaling, M., Forrester, B., & Sterling, D. (Produtores executivos). (2005-2013). The office [Série de televisão]. Deedle-Dee Productions; 3 Arts Entertainment; Reveille Productions (2005-12); Shine America (2012-13); NBC Universal Television Studio (2005-07); Universal Media Studios (2007-11); Universal Television (2011-13) Sleeman, E., Richards, J., Wilson, L., & Kolar, V. (Produtores executivos). (2020-presente). Too hot to handle [Reality show]. Talkback Productions.

Spigel, L., & Olsson, J. (Eds.). (2004). Television after TV: Essays on a medium in transition. Duke University Press.

Stark, S. D. (1997). Glued to the set: The sixty television shows and events that made us who we are today. Bantam Doubleday Dell.

Starkman, P. (Diretor). (2018-presente). Nailed it! [Mandou bem] [Reallity show]. Magical Elves.

Strangelove, M. (2015). Post-TV: Piracy, cord-cutting, and the future of television. University of Toronto Press.

Tefertiller, A. (2018). Media substitution in cable cord-cutting: the adoption of web-streaming television. Journal of Broadcasting & Eletronic Media, 62(3), 390-470. https://doi.org/10.1080/08838151.2018.1451868

Teixeira S. J. (2017, 27 de abril). Como o furacão Netflix está transformando a televisão. Exame. https://bit.ly/3e8AGnM

Thompson, R. J. (1997). Television’s second golden age: From Hill Street blues to ER. Syracuse University Press.

Tryon, C. (2015). TV got better: Netflix’s original programming strategies and the on-demand television transition. Media Industries Journal, 2(2), 104-116. https://doi.org/10.3998/mij.15031809.0002.206

Tse, Y. K. (2020). Black Ships? Locating Netflix in Taiwan and Japan. JCMS: Journal of Cinema and Media Studies, 59(3), 143-148. https://doi.org/10.1353/cj.2020.0036

Uricchio, W. (2004). Television’s next generation: Technology/interface culture/flow. In L. Spigel & J. Olsson (Eds.), Television after TV: Essays on a medium in transition (pp.163-182). Duke University Press.

Van Esler, M. (2016). Not yet the post-TV era: Network and MVPD adaptation to emergent distribution technologies. Media and Communication, 4(3),131-141. http://dx.doi.org/10.17645/mac.v4i3.548

Vilela, M. (2017). A grade de programação ainda prende alguém? Apontamentos sobre a Social TV nas redes sociais. Comunicação & Sociedade, 39(1), 191-217. https://doi.org/10.15603/2175-7755/cs.v39n1p191-217

Williams, R. (1974). Television: Technology and cultural form. Fontana.

Yorkey, B., Son, D., McCarthy, T., Wettels, J. G., Golin, S., Sugar, M., Gomez, S., Teefey, M., & Laiblin, K. (Produtores executivos). (2017-2020). 13 Reasons Why [Série de televisão]. July Moon Productions; Kicked to the Curb Productions; Anonymous Content; Paramount Television.

Publicado

2021-06-08

Como Citar

Castellano, M., & Meimaridis, M. (2021). A “televisão do futuro”? Netflix, qualidade e neofilia no debate sobre TV. MATRIZes, 15(1), 195-222. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v15i1p195-222

Edição

Seção

Em Pauta/Agenda