A comunidade de jornalistas LGBTQIA+ e o esforço das ações afirmativas num Brasil conservador

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v17i2p153-169

Palavras-chave:

Jornalismo, Jornalistas, Gênero, Comunidade LGBTQIA , Mundo do trabalho

Resumo

Este ensaio discute o esforço da comunidade de jornalistas LGBTQIA+ em ações afirmativas no mundo do trabalho, considerando a onda conservadora que tomou conta da cena político-social do Brasil nos últimos anos. São evidenciadas três iniciativas: a criação de uma Comissão LGBT pelo Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo; uma pesquisa sobre profissionais de jornalismo que se identificam com a referida sigla; e o Manual de Comunicação LGBTI+ destinado a amparar jornalistas em relação às pautas de gênero. Embora significativas, em um contexto marcado por preconceitos e por silenciamentos de minorias, essas ações caminham devagar, justamente porque esbarram em outras questões, resultando em paradoxo semelhante ao que o feminismo identificou, há tempos, sobre a divisão sexual do trabalho: “tudo muda, mas nada muda”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco de Assis, Escola Superior de Propaganda e Marketing

Doutor em Comunicação. Foi bolsista do Programa Nacional de Pós-Doutorado da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (PNPD/Capes), com pesquisa da qual se originou este artigo. Professor do curso de Jornalismo da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM).

Referências

Abreu, A. P., Hirata, H., & Lombardi, M. R. (Orgs.) (2016). Gênero e trabalho no Brasil e na França: perspectivas interseccionais. Boitempo.

Benevides, B. G. (2022). Dossiê assassinatos e violências contra travestis e transexuais brasileiras em 2021. Distrito Drag.

Biroli, F. (2020). Gênero, “valores familiares” e democracia. In F. Biroli, M. D. C. Machado & J. M. Vaggione, Gênero, neoconservadorismo e democracia (pp. 135-187). Boitempo.

Braga-Orillard, G. (2018). Prefácio. In T. Reis (Org.), Manual de Comunicação LGBTI+ (pp. 8-9). Aliança Nacional LGBTI; Rede GayLatino.

Brito, D. (2021, 28 de junho). Projetos sobre direitos LGBT caducam sem análise no Congresso. Jota. https://www.jota.info/legislativo/projetos-sobre-direitos-lgbt-caducam-sem-analise-no-congresso-28062021

Carvalho, C. A. (2012). Jornalismo, homofobia e relações de gênero. Appris.

Carvalho, K. (2021, 1 de março). Ao vivo, Marcelo Cosme, GloboNews, fala do namorado pela 1ª vez. Observatório G. https://observatoriog.bol.uol.com.br/noticias/ao-vivo-marcelo-cosme-globonews-fala-do-namorado-pela-1a-vez

Costa, A. C. (2011). Ações afirmativas de gênero e trabalho: o Programa Pró-equidade de Gênero na Eletronorte [Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília].

Darde, V. W. S. (2009). O padrão normativo na notícia: uma reflexão sobre as representações das masculinidades no discurso jornalístico. Galáxia, (18), 194-203.

Dardot, P., & Laval, C. (2016). A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. Boitempo.

Dias, S. (2019, 2 de novembro). Primeiro apresentador gay do Jornal Nacional diz: “Não tenho nada a esconder”. Observatório G. https://observatoriog.bol.uol.com.br/noticias/primeiro-apresentador-gay-do-jornal-nacional-diz-nao-tenho-nada-esconder

Figaro, R. (Coord.) (2021). Como trabalham os comunicadores no contexto de um ano da pandemia de Covid-19: …1 ano e 500 mil mortes depois. CPCT-ECA-USP.

Figaro, R. (2013). Perfis e discursos de jornalistas no mundo do trabalho. In R. Figaro (Org.), As mudanças no mundo do trabalho do jornalista (pp. 7-143). Atlas.

Guazina, L. S., & Leite, A. G. G. (2021). Frame sponsorship e populismo de direita no Brasil: o “kit gay” na Folha de S.Paulo. Líbero, (48), 73-99.

Hirata, H., & Kergoat, D. (2007). Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, 37(132), 595-609.

Jornalistas organizam Comissão LGBT. (2017, 19 de maio). SJSP. https://www.sjsp.org.br/noticias/jornalistas-organizam-comissao-lgbt-b6a2

Lacerda, M. B. (2019). O novo conservadorismo brasileiro. Zouk.

Lando, G. A., Santos, J. C. M., & D’Angelo, I. B. M. (2020). O direito à identidade dos profissionais LGBT+ e a difícil arte de ser quem se é no ambiente de trabalho. Research, Society and Development, 9(4), 1-23.

Manual de Comunicação LGBTI+ propõe substituir o preconceito por informação. (2018, 14 de junho). https://www.sindjorce.org.br/manual-de-comunicacao-lgbti-propoe-substituir-o-preconceito-por-informacao/

Maruani, M., & Meron, M. (2016). Como contar o trabalho das mulheres? França, 1901-2011. In A. P. Abreu, H. Hirata & M. R. Lombardi (Orgs.), Gênero e trabalho no Brasil e na França: perspectivas interseccionais (pp. 59-69). Boitempo.

Menezes, F. C. (2010). Repensando a funcionalidade do racismo para o capitalismo no Brasil contemporâneo. Libertas, 13(1), 9-72.

Mick, J., & Lima, S. (Coord.) (2013). Perfil do jornalista brasileiro: características demográficas, políticas e do trabalho jornalístico em 2012. Insular.

Oliveira, J. M. D., & Mott, L. (Orgs.) (2022). Mortes violentas de LGBT+ no Brasil: relatório 2021. Grupo Gay da Bahia.

Paniza, M. D. R. (2019, 2 a 5 de outubro). À sombra do arco-íris, à margem da diversidade organizacional: uma revisão narrativa sobre travestis e transexuais no mundo do trabalho [Paper]. 43º Encontro da ANPAD, São Paulo, SP, Brasil.

Péret, F. (2012). Imprensa gay no Brasil: entre a militância e o consumo. Publifolha.

Perfil do jornalista 2021: características sociodemográficas, políticas, de saúde e do trabalho. (2021, 9 a 12 de novembro) [Apresentação em Painel]. 19º Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo. https://perfildojornalista.paginas.ufsc.br/files/2021/11/2021-11-12-Sumário-Executivo-19º-Encontro-da-SBPJor-RETIJ-VFINAL-REVISADA-2.pdf

Pinheiro, E. (2022, 23 de janeiro). Há 13 anos no topo da lista, Brasil continua sendo o país que mais mata pessoas trans no mundo. Brasil de Fato. https://www.brasildefato.com.br/2022/01/23/ha-13-anos-no-topo-da-lista-brasil-continua-sendo-o-pais-que-mais-mata-pessoas-trans-no-mundo

Pires, A. M., Mazza, S. R., & Pires, J. H. S. (2020). “É crime sim!”: uma netnografia sobre a criminalização da LGBTQIA+fobia no Brasil. REBEH – Revista Brasileira de Estudos da Homocultura, 3(12), 108-131.

Pour une association des journalistes LGBT. (2013, 16 de maio). Libération. https://www.liberation.fr/societe/2013/05/16/pour-une-association-des-journalistes-lgbt_903471/

Quase 40% dos jornalistas LGBT já sofreram discriminação no trabalho. (2017, 11 de setembro). SJSP. https://www.sjsp.org.br/noticias/quase-40-dos-jornalistas-lgbt-ja-sofreram-discriminacao-no-trabalho-738a

Reis, T. (Org.) (2018). Manual de Comunicação LGBTI+. Aliança Nacional LGBTI; Rede GayLatino.

Ribeiro, I. R. (2010). A TV no armário: a identidade gay nos programas e telejornais brasileiros. GLS.

Rocha, P. M., & Sousa, J. P. (2011). O mercado de trabalho feminino em jornalismo: análise comparativa entre Portugal e Brasil. Impulso, (51), 7-18.

Rodrigues, J. F., & Tadeu, V. (2021, 17 de novembro). LGBTQIA+: 54% não sentem segurança no ambiente de trabalho. CNN Brasil. https://www.cnnbrasil.com.br/economia/lgbtqi-54-nao-sentem-seguranca-no-ambiente-de-trabalho/

Serafim, F. (2017, 6 de junho). Participe da pesquisa sobre assédios moral e sexual no jornalismo. SJSP. https://sjsp.org.br/noticias/participe-da-pesquisa-sobre-assedios-moral-e-sexual-no-jornalismo-ad4e

Silva, M. V. (2014). Masculino, o gênero do jornalismo: modos de produção das notícias. Insular.

Simões, R. (2021, 1 de abril). Casamento gay: onde ocorreram as primeiras cerimônias, há exatos 20 anos. BBC News Brasil. https://www.bbc.com/portuguese/internacional-56004287

Simor, C. (2020, 30 de junho). Por um mercado de trabalho que não julgue cor, credo e orientação sexual. UPF. https://www.upf.br/noticia/por-um-mercado-de-trabalho-que-nao-julgue-cor-credo-e-orientacao-sexual

Sindicato tem canal para denúncias de assédios moral e sexual no jornalismo. (2018, 5 jan.). SJSP. https://sjsp.org.br/noticias/sindicato-tem-canal-para-denuncias-de-assedios-moral-e-sexual-no-jornalismo-174b

Souza, L. H. B. L. (2020). Trabalho e diversidade sexual e de gênero: dilemas entre a inserção econômica e social no mercado de trabalho e as estratégias de sobrevivência da população LGBT. REBEH – Revista Brasileira de Estudos da Homocultura, 3(10), 252-275.

Tatemoto, R. (2019, 12 de fevereiro). Bancada BBB se reconfigura e pode ampliar influência nos próximos quatro anos. Brasil de Fato. https://www.brasildefato.com.br/2019/02/12/bancada-bbb-se-reconfigura-e-pode-ampliar-influencia-nos-proximos-quatro-anos

Vaggione, J. M., Machado, M. D. C., & Biroli, F. (2020). Matrizes do neoconservadorismo religioso na América Latina. In F. Biroli, M. D. C. Machado & J. M. Vaggione, Gênero, neoconservadorismo e democracia (pp. 13-40). Boitempo.

Vasconcelos, C. (2021). Opinião: um ano e meio depois da criminalização da LGBTIfobia. In B. G. Benevides & S. N. B. Nogueira (Orgs.), Dossiê dos assassinatos e da violência contra travestis e transexuais brasileiras em 2020 (pp. 127-130). Expressão Popular; Antra; IBTE.

Vicenzo, G. (2021, 7 de dezembro). Você sabe o que significa cada letra da sigla LGBTQIA+? Ecoa. https://www.uol.com.br/ecoa/ultimas-noticias/2021/12/07/o-que-significa-lgbtqia-e-como-a-sigla-da-visibilidade-a-diferentes-lutas.htm

Publicado

2023-08-31

Como Citar

Assis, F. de. (2023). A comunidade de jornalistas LGBTQIA+ e o esforço das ações afirmativas num Brasil conservador. MATRIZes, 17(2), 153-169. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v17i2p153-169

Edição

Seção

Em Pauta/Agenda