O lobby como estratégia criativa de oposição

Autores

  • Asdrúbal Borges Formiga Sobrinho Universidade de Brasília. Curso de Comunicação Social

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-2593.organicom.2011.139087

Palavras-chave:

Imagem institucional. Criatividade. Cultura organizacional. Texto. Lobby.

Resumo

Este artigo aborda a semiose de um conceito empregado na comunicação de uma organização. Baseia-se no modelo de Goodall Jr., Eisenberg e Trethewey (2010) que apresenta a comunicação diante da dicotomia entre criatividade e sujeição (Scroferneker, 2006); e se enquadra na perspectiva interpretativa, que aborda organizações como culturas (Kunsch, 2009). A interpretação se baseia em conceitos como texto e não-texto (Lotman, 1978, Machado, 2003). Os resultados indicam o potencial de ressignificação de um conceito no contexto externo à organização e ações adaptativas da mesma.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Asdrúbal Borges Formiga Sobrinho, Universidade de Brasília. Curso de Comunicação Social

Doutor em Psicologia pelo Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília (UnB). Mestre em Comunicação Social pela Faculdade de Comunicação da UnB. Graduado em Publicidade e Propaganda pela UnB. Professor adjunto do curso de Comunicação Social da UnB. Professor e assessor pedagógico do curso de Comunicação Social da Universidade Católica de Brasília (UCB) de 2001 a 2009.

Downloads

Publicado

2011-06-26

Como Citar

FORMIGA SOBRINHO, A. B. O lobby como estratégia criativa de oposição. Organicom, [S. l.], v. 8, n. 14, p. 105-117, 2011. DOI: 10.11606/issn.2238-2593.organicom.2011.139087. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/organicom/article/view/139087. Acesso em: 23 fev. 2024.