Mapeamento de públicos no ecossistema de inovação

um desafio de relações públicas

Autores

  • Leila Gasparindo Universidade de São Paulo
  • Sergio Risola Fundação Instituto de Administração

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-2593.organicom.2019.161962

Palavras-chave:

Relações Públicas, Mapeamento e Classificação de Públicos, Inovação Aberta

Resumo

Este artigo tem como objetivo mapear os principais atores do ecossistema de inovação no Brasil e propor diretrizes para que relações públicas atuem no fortalecimento das relações institucionais entre empresas inovadoras e esses stakeholders. Buscou-se propor o uso de uma ferramenta colaborativa no trabalho de mapeamento e de classificação de públicos, que possa contribuir para promover o diálogo, reconhecer e envolver os públicos da organização no seu propósito de inovação e nos programas de inovação aberta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leila Gasparindo, Universidade de São Paulo

• Mestre em Ciência da Comunicação pela Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (USP)
• Graduada em Comunicação Social – Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
• Sócia-fundadora da Trama Comunicação
• Pesquisadora da Associação Brasileira de Pesquisadores de Comunicação Organizacional e Relações
Públicas
• Coautora das obras Marketing para incubadoras: o que de bom está acontecendo e Faces do empreendedorismo inovador

Sergio Risola, Fundação Instituto de Administração

• Professor Docente da Fundação Instituto de Administração (FIA), Professor Assistente da pós-graduação em Inovação e Empreendedorismo da Faculdade Getúlio Vargas e Professor Emérito da Escola Superior de Propaganda e Marketing
• Pós-graduado em Gestão Habitat de Inovação pela FIA.
• Graduado em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade de Direito de Pinhal
• CEO do Centro de Inovação, Empreendorismo e Tecnologia
• Membro Efetivo da Mobilização Empresarial pela Inovação, da Confederação Nacional da Indústria
• Coautor das obras Marketing para incubadoras: o que de bom está acontecendo e Faces do empreendedorismo inovador

Referências

AHMED, Pervaiz K. Culture and climate for innovation. European Journal of Innovation Management, Bingley, v. 1, n. 1, p. 30-43, 1998. doi: 10.1108/14601069810199131.

AMABILE, Teresa M.; GRYSKIWEICZ, Nur D. The creative environment scales: the work environment inventory. Creativity Research Journal, London, v. 2, n. 4, p. 231-254, 1989. doi: 10.1080/10400418909534321.

ANDRADE, Cândido Teobaldo de Souza. Curso de Relações Públicas: relações com os diferentes públicos. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1994.

ARANHA, José A. S. Mecanismos de geração de empreendimentos inovadores. Brasília, DF: Anprotec, 2016. Disponível em: https://bit.ly/2IolW3X. Acesso em: 20 jun. 2019.

ASPEN NETWORK OF DEVELOPMENT ENTREPRENEURS; INOVAÇÃO EM CIDADANIA EMPRESARIAL. Panorama das incubadoras e aceleradoras no Brasil. São Paulo: ICE, 2017. Disponível em: https://bit.ly/2lRRp7c. Acesso em: 20 jun. 2019.

BROWN, Tim. Design thinking: uma metodologia poderosa para decretar o fim das velhas ideias. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

CHESBROUGH, Henry. Inovação aberta: como criar e lucrar com tecnologia. Porto Alegre: Bookman, 2012.

ECHOS. Mapa de stakeholders: o primeiro passo para criar uma experiência de serviços inesquecível. São Paulo: Echos, 2018. Disponível em: https://bit.ly/2kke9fD. Acesso em: 1 out. 2018.

ETZKOWITZ, Henry. Hélice tríplice: universidade-indústria-governo, inovação em movimento. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2009.

FERRARI, Maria A. A influência dos valores organizacionais na determinação da prática e do papel dos profissionais de relações públicas: estudo comparativo entre organizações do Brasil e do Chile. 2000. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.

FERRARI, Maria A. Relações Públicas e sua função estratégica. In: CONGRESSO BRASILIERO DE CIÊNCIA DA COMUNICAÇÃO, 26., 2003, Belo Horizonte. Anais […]. Belo Horizonte: Intercom, 2003. p. 1-15. Disponível em: https://bit.ly/2ki9fQg. Acesso em: 15 nov. 2012.

FERRARI, Maria A. Teorias e estratégias de Relações Públicas. In: KUNSCH, Margarida M. K. (org.). Gestão estratégica em comunicação organizacional e relações públicas. São Caetano do Sul: Difusão, 2008. p. 137-159.

FERREIRA, Gabriela C.; SORIA, Alessandra F.; CLOSS, Lisiane. Gestão da interação universidade-empresa: o caso PUCRS. Sociedade e Estado, Brasília, DF, v. 27, n. 1, p. 79-94, 2012. doi: 10.1590/S0102-69922012000100006.

FLEURY, Afonso; FLEURY, Maria T. L. Multinacionais brasileiras: competências para a internacionalização. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2012.

FLEURY, Maria T. L. Gerenciando a diversidade cultural: experiências de empresas brasileiras. RAE, São Paulo, v. 40, n. 3, p. 18-25, 2000. doi: 10.1590/S0034-75902000000300003.

FLEURY, Maria T. L.; FISCHER, Rosa M. (coord.). Cultura e poder nas organizações. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2013.

FRANÇA, Fábio. Públicos: como identificá-los em nova visão estratégica. 2. ed. São Caetano do Sul: Yendis, 2008.

FREEMAN, Edward. Strategic management: a stakeholder approach. Boston: Pitman, 1984.

FREEMAN, Edward; MCVEA, John. A stakeholder approach to strategic management. Darden Business Scholl Working Paper, Charlottesville, n. 1-2, p. 1-32, 2010. Disponível em: https://bit.ly/2NriU2V. Acesso em: 10 ago. 2019. doi: 10.2139/ssrn.263511.

GASPARINDO, Leila. As determinantes de comunicação e cultura para promover a inovação: um estudo em um grupo de multinacionais brasileiras. 2016. Dissertação (Mestrado em Ciências da Comunicação) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

GODOY, Renata. S. P.; PEÇANHA, Dóris L. N. Cultura organizacional e processos de inovação: um estudo psicossociológico em empresa de base tecnológica. Boletim, São Paulo, v. 29, n. 1, p. 142-163, 2009.

GRUNIG, James E. (ed.). Excellence public relations and communication management. New Jersey: Lawrence Erlbaum, 1992.

GRUNIG, James E.; FERRARI, Maria A.; FRANÇA, Fábio. Relações públicas: teoria, contexto e relacionamento. 2. ed. São Caetano do Sul: Difusão, 2011.

GRUNIG, James E.; KIM, Jeong-Nam. Actions speak louder than words. PR Romania, Bucharest, 7 jul. 2011. Disponível em: https://bit.ly/2kCYbxy. Acesso em: 20 jun. 2019.

HUNT, T.; GRUNIG, J. E. Public relations techniques. Fort Worth: Harcourt College Pub, 1994.

LAVCA. Inaugural survey of Latin American startups. New York: LAVCA, 2019. Disponível em: https://bit.ly/2W8gNTq. Acesso em: 20 jul. 2019.

MARTINS, Ellen C.; TERBLANCHE, F. Building organizational culture that stimulates creativity and innovation. European Journal of Innovation Management, London, v. 6, n. 1, p. 64-74, 2003. doi: 10.1108/14601060310456337.

MCKINSEY & COMPANY. Brazil digital report. New York: McKinsey & Company, 2019. Disponível em: https://bit.ly/2lWvlIM. Acesso em: 20 jul. 2019.

MITCHELL, Ronald K.; AGLE, Bradley R.; WOOD, Donna J. Toward a theory of stakeholder identification and salience: defining the principle of who and what really counts. Academy of Management Review, New York, v. 22, n. 4, p. 853-886, 1997. doi: 10.2307/259247.

ORGANIZAÇÃO PARA COOPERAÇÃO ECONÔMICA E DESENVOLVIMENTO. Manual de Oslo: proposta de diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre Inovação Tecnológica. Brasília, DF: OECD, 2006. Disponível em: https://bit.ly/1tfxCpd. Acesso em: 28 dez. 2013.

VALOR ECONÔMICO. Anuário Inovação Brasil: as 150 empresas mais inovadoras. São Paulo: Valor Econômico, 2018.

VALOR ECONÔMICO. Anuário Inovação Brasil: as 150 empresas mais inovadoras. São Paulo: Valor Econômico, 2019.

YANG, Samanta. Open Innovation como estratégia de inovação para indústrias farmacêuticas brasileiras: um estudo exploratório. 2010. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

Downloads

Publicado

2019-12-20