Governança para a Agenda 2030 : organizações, complexidade e os desafios do Antropoceno

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-2593.organicom.2022.197818

Palavras-chave:

Agenda 2030, Antropoceno, Complexidade, Cidadania, Governança

Resumo

Este artigo problematiza a participação de organizações privadas na efetivação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas. Além de rever as práticas internas da organização, surge como desafio pensá-la como elemento de um ecossistema que envolva seu setor, sua cadeia produtiva e de valor, a partir da noção de governança colaborativa. Este texto discute os principais fundamentos dessa ideia e apresenta o exemplo do Consórcio Cerrado das Águas, parceria entre marcas de café em Minas Gerais.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Rita Machado de Campos Nardy, Universidade de São Paulo

    Doutoranda em Ciências da Comunicação pela ECA/USP.
    Mestre em Ecologia e Recursos Naturais pela UFSCAR.
    Graduada em Ciências Biológicas pela UFSCAR e em Comunicação Social pela FIAM-FAAM.
    Sócia-diretora da Società.
    Pesquisadora do Centro Internacional de Pesquisa Atopos USP.

  • Eli Borges Junior, Universidade Federal de Juiz de Fora

    Doutor em Ciências da Comunicação pela ECA/USP, com período-sanduíche na École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS) de Paris (bolsa FAPESP).
    Mestre em Ciências da Comunicação pela ECA/USP, com período-sanduíche na Université Paris 8 (bolsa FAPESP).
    Bacharel em Comunicação Social pela ECA/USP e em Filosofia pela FFLCH/USP.
    Professor da Faculdade de Comunicação Social da UFJF.
    Pesquisador do Centro Internacional de Pesquisa Atopos USP.

  • Massimo Di Felice, Universidade de São Paulo

    Professor livre-docente da ECA/USP.
    Doutor em Ciências da Comunicação pela ECA/USP. 
    Pós-doutor pela Université Paris V – Sorbonne.
    Sociólogo pela Università "La Sapienza" di Roma.
    Coordenador do Centro Internacional de Pesquisa Atopos USP.

Referências

ABNT. ABNT NBR ISO 26000: diretrizes sobre responsabilidade social. Rio de Janeiro: ABNT, 2010.

ACCOTO, C. O mundo dado: cinco breves lições de filosofia digital. São Paulo: Paulus, 2021.

BARBIERI, J. C. Desenvolvimento sustentável: das origens à Agenda 2030. Petrópolis: Vozes, 2020.

BAUER, Martin W.; GASKELL, George (org.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2004.

CRUTZEN, P. J. Geology of mankind. Nature, vol. 415, n. 6867, p. 23, 3 jan. 2002. DOI: 10.1038/415023a

DI FELICE, Massimo. Digital citizenship: the crisis of the western idea of democracy and the participation on digital networks. Milan: Mimesis International, 2022.

FLORIDI, L. The Fourth Revolution: how the infosphere is reshaping human reality. Oxford: Oxford University Press, 2017.

HARAWAY, D. Antropoceno, Capitaloceno, Plantationoceno, Chthuluceno: fazendo parentes. ClimaCom Cultura Científica, ano 3, n. 5, pp. 139-146, abr. 2016.

HARAWAY, D. J. Staying with the trouble: making kin in the Chthulucene. Durham: Duke University Press, 2016a.

KOLBERT, E. A sexta extinção: uma história não natural. Trad. Mauro Pinheiro. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2015.

LATOUR, B. Diante de Gaia: oito conferências sobre a natureza do Antropoceno. Trad. Maryalua Meyer. São Paulo: Ubu, 2020.

LATOUR, B. Reassembling the social: an introduction to Actor-Network Theory. Oxford: Oxford University Press, 2005.

LOVELOCK, J. Gaia: alerta final. Trad. Jesus de Paula Assis e Vera de Paula Assis. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2010.

MOORE, J. W. Gli Antropoceni e l'alternativa del Capitalocene. In: ANGELUCCI, D.; ARMIERO, M.; BALICCO, D. et al. (orgs.). Environmental Humanities: scienze sociali, politica, ecologia. Roma: Derive Approdi, 2021.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. Trad. Eliane Lisboa. Porto Alegre: Sulina, 2011.

ROCKSTRÖM, J.; STEFFEN, W.; NOONE, K. et al. A safe operating space for humanity. Nature, vol. 461, pp. 472-475, 24 set. 2009. DOI: 10.1038/461472a

SACHS, J. D. The age of sustainable development. New York: Columbia University Press, 2015.

STEFFEN, Will et al. The emergence and evolution of Earth System Science. Nature Reviews Earth & Environment, Amsterdam, v. 1, p. 54-63, 2020. doi: https://doi.org/10.1038/s43017-019-0005-6.

STENGERS, Isabelle. No tempo das catástrofes. Tradução de Eloisa Araújo. São Paulo: Cosac & Naify, 2015.

UNITED NATIONS. Global sustainable development report 2019: the future is now – science for achieving sustainable development. New York: United Nations, 2019. Disponível em: https://bit.ly/3C1ECnl. Acesso em: 10 ago. 2022.

UNITED NATIONS. Transforming our world: the 2030 Agenda for sustainable development. New York: United Nations, 2015. Disponível em: https://bit.ly/3qYkVXj. Acesso em: 10 ago. 2022.

VAN DIJCK, José.; POELL, Thomas; DE WAAL, Martijn. The platform society: public values in a connective world. Oxford: Oxford University Press, 2018.

VEIGA, José Eli da. O Antropoceno e a ciência do Sistema Terra. São Paulo: Editora 34, 2019.

VEIGA, José Eli da. Para entender o desenvolvimento sustentável. São Paulo: Editora 34, 2015.

WORLD ECONOMIC FORUM. The global risks report 2022: insight report. Cologny: World Economic Forum, 2022. Disponível em: https://bit.ly/3UAH1N6. Acesso em: 10 ago. 2022.

Downloads

Publicado

2022-11-23

Como Citar

NARDY, Rita Machado de Campos; BORGES JUNIOR, Eli; FELICE, Massimo Di. Governança para a Agenda 2030 : organizações, complexidade e os desafios do Antropoceno. Organicom, São Paulo, Brasil, v. 19, n. 39, p. 60–70, 2022. DOI: 10.11606/issn.2238-2593.organicom.2022.197818. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/organicom/article/view/197818.. Acesso em: 29 maio. 2024.