A comunicação organizacional por uma perspectiva interseccional. Uma proposta de diálogo com os feminismos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-2593.organicom.2023.213479

Palavras-chave:

Comunicação organizacional, Interseccionalidade, Teoria crítica, Feminismos

Resumo

O enfoque crítico da comunicação organizacional investiga como os processos de comunicação são articulados nas relações de poder estabelecidas na organização. Esse aspecto se aproxima da interseccionalidade, que enfatiza a interação de dois ou mais eixos de dominação na constituição das posições sociais. Com base nisso, este artigo visa responder teoricamente como a perspectiva interseccional pode contribuir para os estudos de comunicação organizacional crítica, considerando as desigualdades sociais presentes na sociedade brasileira.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Beatriz Molari, UniCesumar

    Doutora em sociologia pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Mestra em comunicação pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Especialista em planejamento de comunicação integrada pelo Centro Universitário Internacional (UNINTER). Bacharela em comunicação social – habilitação em relações públicas pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Professora mediadora na UniCesumar.

Referências

BRASIL, Cristina Indio do. Etarismo dificulta inserção de maiores de 50 anos no mercado. Agência Brasil, Brasília, DF, 15 jun. 2023. Disponível em https://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2023-06/etarismo-dificulta-insercao-de-maiores-de-50-anos-no-mercado#:~:text=Uma%20pesquisa%20da%20empresa%20Ernst,anos%20em%20seu%20quadro%20funcional. Acesso em: 20 jun. 2023.

BUENO, Winnie de Campos. Processos de resistência e construção de subjetividade no pensamento feminista negro: uma possibilidade de leitura da obra Black Feminist Thought: knowledge, consciousness and the politics of empowerment (2009) a partir do conceito de imagens de controle. 2019. 167 f. Dissertação (Mestrado em Direito) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos. São Leopoldo, 2019.

BUENO, Samira; MARTINS, Juliana; BRANDÃO, Juliana; SOBRAL, Isabela; LAGRECA, Amanda. Visível e Invisível: A Vitimização de Mulheres no Brasil. 4 ed. 2023. São Paulo: Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2023. Disponível em: https://forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2023/03/visiveleinvisivel-2023-relatorio.pdf. Acesso em: 16 jun. 2023.

COLLINS, Patricia Hill. Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Sociedade e Estado, Brasília, DF, v. 31, n. 1, p. 99-127, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/se/v31n1/0102-6992-se-31-01- 00099.pdf. Acesso em: 29 maio 2023.

COLLINS, Patricia Hill. Se perdeu na tradução? Feminismo negro, interseccionalidade e política emancipatória. Parágrafo, [s. l.], v. 5, n. 1, p. 6-17, 2017. Disponível em: http://revistaseletronicas.fiamfaam.br/index.php/recicofi/article/view/559. Acesso em: 29 maio 2023.

COLLINS, Patricia Hill. Pensamento feminista negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. São Paulo: Boitempo, 2019.

COLLINS, Patricia Hill. Bem mais que ideias: a interseccionalidade como teoria social crítica. São Paulo: Boitempo, 2022.

COLLINS, Patricia Hill; BILGE, Sirma. Interseccionalidade. São Paulo: Boitempo, 2020.

CORRÊA, Luciana Silva. Envelhecimento feminino e etarismo nas organizações: o desafio da mulher madura no mundo do trabalho. Organicom, São Paulo, v. 20, n. 41, p. 120-134, 2023. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/organicom/article/view/206721. Acesso em: 20 jun. 2023

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 171-188, jan. 2002. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2002000100011/8774. Acesso em: 29 maio 2023.

CURVELLO, João José Azevedo. Estudos de comunicação organizacional: entre a análise e a prescrição. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO. 25., 2002, Salvador, Anais […]. Salvador, 2002. Disponível em: http://www.portcom.intercom.org.br/pdfs/51464753535320645087391174508999057550.pdf. Acesso em: 2 jun. 2023.

DIAS, Isabel. Violência contra as mulheres no trabalho: o caso do assédio sexual. Sociologia, problemas e práticas, Lisboa, n. 57, p. 11-23, 2008. Disponível em: https://repositorio.iscte-iul.pt/handle/10071/1201?mode=simple. Acesso em: 19 jun. 2023.

DYNIEWICZ, Luciana. Diferença salarial entre homens e mulheres vai a 22%, diz IBGE. CNN, São Paulo, 8 mar. 2023. Disponível em: https://www.cnnbrasil.com.br/economia/diferenca-salarial-entre-homens-e-mulheres-vai-a-22-diz-ibge/. Acesso em: 16 jun. 2023.

GONZALEZ. Lélia. Racismo e sexismo da cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, São Paulo, 1984, p. 223-244.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidade e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG; Brasília, DF: Representações da UNESCO no Brasil, 2003.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais. Desigualdade Sociais por Cor ou Raça no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2022. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101972_informativo.pdf. Acesso em: 16 jun. 2023.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais. Características gerais dos domicílios e dos moradores 2022. Rio de Janeiro: IBGE, 2023. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv102004_informativo.pdf. Acesso em 20 jun. 2023

KUNSCH, Margarida Maria Krohling. Comunicação Organizacional: contextos, paradigmas e abrangência conceitual. MATRIZes, São Paulo, v. 8, n. 2, p. 35-61, 2014. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/matrizes/article/view/90446. Acesso em: 29 maio 2023.

LAGO, Claudia. Feminismo e Comunicação: uma relação necessária. Organicom, São Paulo, v. 19, n. 40, p. 62-73, 2022. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/organicom/article/view/205767. Acesso em: 30 maio 2023.

LIMA, Fábia Pereira. Provocações para pensar a comunicação organizacional e as relações públicas hoje. In: KUNSCH, Margarida Maria Krohling; LIMA, Fábia Pereira; SAMPAIO, Adriano de Oliveira (org.). Comunicação organizacional e relações públicas: 15 anos da Abrapcorp. Salvador: EFUFBA; São Paulo: ABRAPCORP, 2022. p. 143-155.

MACEDO, Bruna. Racismo é principal forma de discriminação em 75% das empresas no Brasil, diz pesquisa. CNN, São Paulo, 12 jul. 2022. Disponível em: https://www.cnnbrasil.com.br/economia/racismo-e-principal-forma-de-discriminacao-em-75-das-empresas-no-brasil-diz-pesquisa/. Acesso em: 19 jun. 2023.

MERCER, Kobena. Introduction. In: MERCER, Kobena. The fateful triangle: race, ethnicity, nation. Cambridge: Harvard University Press, 2017. p. 1-30.

MOTTA, Alda Britto da. As dimensões de gênero e classe social na análise do envelhecimento. Cadernos Pagu, Campinas, n. 13, p. 191–221, 1999. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8635327. Acesso em: 29 maio 2023.

NOBRE, Marcos. Teoria Crítica. Rio de Janeiro: Zahar, 2004.

OLIVEIRA, Ivone de Lourdes. A comunicação organizacional no Brasil: virada epistemológica. In: KUNSCH, Margarida Maria Krohling; LIMA, Fábia Pereira; SAMPAIO, Adriano de Oliveira (org.). Comunicação organizacional e relações públicas: 15 anos da Abrapcorp. Salvador: EFUFBA; São Paulo: ABRAPCORP, 2022. p. 37-48.

PRESIDENTE Lula sanciona lei que garante igualdade salarial entre mulheres e homens. Gov.br, Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome, Brasília, DF, 3 jul. 2023. Disponível em: https://www.gov.br/mds/pt-br/noticias-e-conteudos/desenvolvimento-social/noticias-desenvolvimento-social/presidente-lula-sanciona-lei-que-garante-igualdade-salarial-entre-mulheres-e-homens. Acesso em: 10 out. 2023.

RODRIGUES, Jorge Fernando; TADEU, Vinícius. LGBTQIA+: 54% não sentem segurança no ambiente de trabalho. CNN, São Paulo, 17 nov. 2021. Disponível em: https://www.cnnbrasil.com.br/economia/lgbtqi-54-nao-sentem-seguranca-no-ambiente-de-trabalho/. Acesso em: 20 jun. 2023.

RUÃO, Teresa. O estado da arte em Comunicação Organizacional. 1900 – 2000: um século de investigação. In: CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO EM CONGRESSO NA COVILHÃ: III SOPCOM, VI LUSOCOM e II IBÉRICO, Covilhã, Actas […]. Covilhã: Universidade da Beira Interior, 2004. Disponível em: http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/2714. Acesso em: 31 maio 2023.

SARDENBERG, Cecília Maria Bacellar. Caleidoscópio de gênero: gênero e interseccionalidade na dinâmica das relações sociais. Mediações, Londrina, v. 20, n. 2, p. 56-96, jul./dez. 2015.

SCROFERNEKER, Cleusa Maria Andrade. Perspectivas teóricas da comunicação organizacional. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 2000, [s. l.]. Anais […]. [S. l.], 2000. Disponível em: http://www.portcom.intercom.org.br/pdfs/8246b4fdf73b3a9827ad27378a2c1de0.pdf. Acesso em: 30 maio 2023.

WIEVIORKA, Michel. O racismo, uma introdução. São Paulo: Perspectiva, 2007.

Downloads

Publicado

2023-12-29

Como Citar

MOLARI, Beatriz. A comunicação organizacional por uma perspectiva interseccional. Uma proposta de diálogo com os feminismos. Organicom, São Paulo, Brasil, v. 20, n. 43, p. 82–93, 2023. DOI: 10.11606/issn.2238-2593.organicom.2023.213479. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/organicom/article/view/213479.. Acesso em: 24 jun. 2024.