Submissões

O cadastro no sistema e posterior acesso, por meio de login e senha, são obrigatórios para a submissão de trabalhos, bem como para acompanhar o processo editorial em curso. Acesso em uma conta existente ou Registrar uma nova conta.

Condições para submissão

Como parte do processo de submissão, os autores são obrigados a verificar a conformidade da submissão em relação a todos os itens listados a seguir. As submissões que não estiverem de acordo com as normas serão devolvidas aos autores.
  • A contribuição é original e inédita, e não está sendo avaliada para publicação por outra revista.
  • O arquivo da submissão está em formato Microsoft Word, OpenOffice ou RTF.
  • URLs para as referências foram informadas quando possível.
  • Na plataforma de submissão, as informações do(a) autor(a) e do artigo foram inseridas nos respectivos campos. Obs: preencher filiação por extenso (Ex.: Universidade de São Paulo); inserir uma palavra-chave de cada vez.
  • O texto segue os padrões de estilo e requisitos bibliográficos descritos em Diretrizes para Autores, na página Sobre a Revista.
  • O texto está em espaço 1,5; usa uma fonte de 12-pontos, Times New Roman; emprega itálico em vez de sublinhado (exceto em endereços URL); as figuras e tabelas estão inseridas no texto, não no final do documento na forma de anexos.
  • Todas as informações que identifiquem os/as autores/as foram retiradas do arquivo a ser avaliado (no conteúdo e nas propriedades), garantindo a avaliação duplo-cega.
  • Junto ao arquivo submetido, foi anexado o formulário contendo os dados de autoria de todos/todas os/as autores/autoras.

Diretrizes para Autores

Diretrizes para Autores (ATENÇÃO, essas diretrizes foram atualizadas recentemente, portanto os números publicados anteriormente NÃO devem ser usados como parâmetro de formatação)

Forma de apresentação dos textos enviados

1. Os textos submetidos à Plural devem seguir as seguintes orientações, baseadas nas normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT):

a) Até 51 mil caracteres (com espaços) para artigos e entrevistas -- incluídos os elementos pré e pós-textuais --, e até 15 mil caracteres (com espaços) para resenhas. Traduções não possuem um limite determinado e serão avaliadas caso a caso. Resenhas, traduções e entrevistas não precisam de resumo/abstract. 

a.1) As resenhas submetidas à avaliação devem ser de livros recentes, que tenham sido publicados em português há no máximo três anos. Caso tenham sido publicados em língua estrangeira, aceitam-se obras de até cinco anos atrás

a.2) Junto às traduções submetidas à avaliação, deve ser anexada como arquivo complementar a carta de autorização para a tradução e publicação, assinada pela editoria do periódico em que o texto foi originalmente publicado. O processo de editoração só tem início após o envio da autorização. Em caso de textos que já sejam de domínio público, essa informação deve ser explicitada pelo/a tradutor/tradutora nos comentários da submissão. Segue modelo de carta de autorização aceita pela Plural: Carta de autorização

b) Fonte Times New Roman, tamanho 12 para o corpo do texto, 10 para as citações diretas longas (acima de três linhas) e 10 para as notas de rodapé, paginação, legendas das ilustrações, tabelas e gráficos.

c) Recuo de primeira linha (1,25 cm), alinhamento justificado, espaçamento entre linhas de 1,5 cm no corpo do texto e simples nas citações diretas longas e nas notas de rodapé. Não incluir espaçamento entre parágrafos (0 pt “antes” e “depois”)

d) Margens (superior, inferior e laterais) de 2,5 cm.

e) Notas de rodapé ao final de cada página correspondente e não ao final do texto.

f) Textos no formato DOC e RTF (desde que não ultrapassem o limite de 2MB), identificando o título do arquivo da seguinte forma: Título do trabalho.

g) Todos os textos devem ser escritos em português seguindo o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

h) As citações devem ser traduzidas ao português, mesmo que sejam traduções próprias.

i) As tabelas e gráficos devem estar em formato editável (.doc, .xls ou .ods)

j) Subtítulos e seções devem estar em negrito, primeira letra maiúscula, com espaçamento 8 pt depois.

2. Sequência dos elementos pré e pós-textuais

2.1. Elementos pré-textuais

a) Título em português (tamanho 12, centralizado, com a primeira letra maiúscula, sem versalete, em negrito);

b) Título em inglês (tamanho 12, centralizado, com a primeira letra maiúscula, sem versalete, sem negrito, em itálico);

c) Resumo em português com, no máximo, 15 linhas e espaçamento simples. O resumo deve apresentar de forma sucinta os objetivos, métodos e conclusões do artigo.

d) 5 Palavras-chave em português, sem dois pontos no início, separadas por ponto final, espaçamento simples.

e) Resumo em inglês (abstract), em itálico, com espaçamento simples.

f) 5 Palavras-chave em inglês (keywords), em itálico, sem dois pontos no início, separadas por ponto final.

2.2. Elementos pós-textuais

a) Referências bibliográficas em ordem alfabética, com espaçamento simples entre as linhas e espaçamento de 6 pt entre os parágrafos.

b) Glossário, apêndices e anexos.

3. Citações diretas e indiretas

a) As citações diretas longas (com mais de três linhas) devem ser apresentadas sem aspas, em parágrafo próprio, com recuo de 4 cm em relação à margem esquerda, fonte tamanho 10, espaçamento simples entre linhas e espaçamento de 8pt antes e depois.

b) Apresentar referências bibliográficas das citações diretas e indiretas no corpo do texto, seguindo o seguinte modelo: (Sobrenome, Ano, p.). Exemplo: (Fernandes, 1980, p. 20; Souza, 1990, p. 10). 

Em caso de várias obras de diferentes autores, separar por ponto e vírgula (Cunha, 1990; Braga, 2010; Carneiro, 2020).

Em caso de mais de uma obra do mesmo autor, separar os anos com vírgula. Ex.: (Fernandes, 1980, 1990).

Obras com até 3 autores, separar sobrenomes com vírgula. Ex.: (Fernandes, Moraes, Ribeiro, 2020, p. 12).

Obras com mais de 3 autores, utilizar et al (Fernandes et al, 1970, p. 12).

c) Abreviações em latim como: op. cit., Ibid., Ibidem, Id. não devem ser utilizadas. Mesmo que uma obra seja citada duas vezes em posições próximas, é necessário repetir toda a citação.

d) No caso de homepages ou websites, indicar o endereço eletrônico em nota de rodapé com data de acesso entre parênteses. Exemplo: www.usp.br/sibi (acesso em 10/05/2021).

e) Indicar supressão de partes do texto nas citações diretas com reticências entre colchetes.

f) No caso de traduções de citação o trecho original não é necessário, mas deve-se acrescentar entre parêntesis: tradução própria.

g) As obras citadas ao longo do texto ficam destacadas em itálico; caso se trate de artigo científico ou capítulo de livro, entre aspas.

h) Ao enfatizar trecho de citação em itálico deve-se utilizar a expressão “grifos meus” ou, no caso de mais de um autor, “grifos nossos”.

i) No caso de citação indireta utiliza-se a expressão “apud” sem itálico, apenas com a indicação do nome do autor citado indiretamente, sem o ano da obra original. Ex. (Weber apud Cohn, 1990, p. 10).

4. Gráficos, imagens, quadros e tabelas

a) Devem ser numerados pela sequência de aparecimento no texto.

b) O título deve estar em negrito, sem recuo da margem especial, com espaço de uma linha (Idêntico para gráficos, imagens e quadros).

c) A indicação da fonte ao final da tabela deve estar em Times New Roman, 10, sem negrito, sem itálico. Espaço de uma linha entre a fonte e a tabela/gráfico/quadro.

d) Cada elemento (tabela, quadro e gráfico) tem contagem própria, por ordem de aparecimento (Tabela 1, Gráfico 1, Tabela 2, Gráfico 2, Gráfico 3, Gráfico 4, Tabela 3).

5. Bibliografia

Apenas as obras utilizadas no artigo/resenha devem ser indicadas ao final do texto, organizada seguindo a ordem alfabética do sobrenome do autor, com espaçamento simples entre linhas, com espaçamento de 8pt antes e depois. Identificar a obra de acordo com os modelos indicados a seguir.

6.1. Livro

6.1.1. Citação com um autor

SADER, Eder (1988). Quando novos personagens entraram em cena: experiências, falas e lutas dos trabalhadores da Grande São Paulo, 1970/1980. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

6.1.2. Citação com mais de um autor

SANTOS, Beatriz; SOUZA, Ricardo; OLIVEIRA, Bruno (1980). Obras escolhidas. São Paulo: Alfa-Ômega.

6.2. Capítulo de um livro

BENJAMIN, Walter (1995). “Rua de mão única”. In: BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas II. São Paulo: Brasiliense, p. 9-69.

6.3. Artigos em coletânea

LOEWY, Karl (1977). “Racionalização e liberdade”. In: FORACCHI, Marialice; MARTINS, José de Souza (orgs.). Sociologia e sociedade. Rio de Janeiro/São Paulo: LTC, p. 155-76.

6.4. Tese ou dissertação acadêmica

CARDOSO, Irene de Arruda Ribeiro (2001). História, memória e crítica do presente. Tese (livre-docência). São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.

6.5. Artigos

6.5.1. Periódicos impressos

PIERUCCI, Antônio Flávio (2008). De olho na modernidade religiosa. Tempo Social, v. 20, n. 2, p. 9-16.

6.5.2. Periódicos disponíveis na internet

Quando houver doi:

LINS, Artur André (2020). A arena do patrimônio cultural no século XX. Revista Plural, São Paulo, v. 27, n. 2, p. 305-30. https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2020.160788

Quando não houver doi:

IANNI, Octavio (1998). As ciências sociais na época da globalização. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 13, n. 37, p. 10-19. www.scielo.br/scielo.php?script=sci_artiso (acesso em 30/05/2006).

6.5.3 Artigo de jornal

DUARTE, Paulo. Negros do Brasil. O Estado de São Paulo, São Paulo, 16/04/1954, p. 8-9.

6.6. Informação ou texto obtido na internet

Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (2001). Conheça o IBICT. http://www.ibict.br/ibict/frame.htm (acesso em 10/06/2008).

6.7. Legislação

BRASIL (2012). Projeto de Lei Nº 5120, de 2013. Brasília, Câmara dos Deputados. https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=567021 (acesso em 23/05/2021).

6.8. Duas ou mais citações de um mesmo autor e citações do mesmo autor com o mesmo ano de publicação

FERNANDES, Florestan (1980a). A natureza sociológica da Sociologia. São Paulo: Ática.

FERNANDES, Florestan (1980b). A Sociologia no Brasil: contribuição para o estudo de sua formação e desenvolvimento. Petrópolis: Vozes.

Obs.: não utilizar traços sublineares em caso de repetição de autores.

6.9. Relatórios

De instituições:

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (1996). Relatório 1º semestre de 1996. São Paulo. https://sites.usp.br/pgperioforp/pb/relatorios-semestrais/

Técnicos-científicos:

MARTINS, João Costa (2001). Controvérsias religiosas na esfera pública. Relatório de pesquisa (Mestrado). São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.

6.10. Trabalho apresentado em evento

SOUZA, Robson (2019). Práticas ambientais e espiritualidade. Anais do 43º Encontro Annual da Anpocs. Caxambu/MG. http://anpocs.com/index.php/encontros/papers/43-encontro-anual-da-anpocs/spg-6/spg19-6/

6. Titulação mínima para submissão

Para artigos, a titulação mínima requerida é mestrado completo. Para resenhas, entrevistas e traduções, espera-se que as autoras e autores tenham no mínimo o mestrado incompleto (desde que vinculados a algum programa de pós-graduação). Caso se trate de uma submissão com autoria coletiva, ao menos um dos autores/autoras precisa ter a titulação mínima requerida.

Junto ao texto submetido, deve ser anexado no sistema como documento suplementar este formulário preenchido, contendo os dados de autoria de todos/todas os/as autores/autoras: Formulário de autoria

7. ORCID

Todo autor deve cadastrar seu número ORCID no momento da submissão.

Para quem não possui o cadastro, instruções em: Passo a passo Orcid

8. Etapas da avaliação

O processo editorial se inicia com a verificação de similaridades com textos já publicados, através do software iThenticate. Caso os índices de similaridade estejam acima de 30%, ou caso sejam identificadas práticas de plágio ou autoplágio, os/as autores/as são contactados pela secretaria da revista, que arbitrará a respeito da interrupção ou continuidade do processo editorial.

Artigos publicados primariamente em anais de eventos não são considerados originais. Nesses casos, sugerimos o contato direto com a organização do evento, solicitando a retirada dos anais. A editoração só tem início quando o texto não está mais disponível nos anais.

Artigos, resenhas, traduções e entrevistas têm sua pertinência para publicação avaliada, numa primeira etapa (desk review), pela Comissão Editorial da Plural. Essa etapa avalia a adequação às normas de formatação, aos padrões de escrita acadêmica, ao perfil e à linha editorial da revista.

No caso dos artigos, se aprovados na primeira etapa, passam ainda por uma segunda etapa de avaliação, realizada por pareceristas ad hoc brasileiros e estrangeiros de reconhecida expertise no que diz respeito ao conteúdo específico das contribuições.

9. Resolução de conflitos de interesse e violações éticas

Os editores tomarão as medidas necessárias para identificar e prevenir a publicação de artigos onde ocorra má conduta de pesquisa ou violações éticas, incluindo plágio, manipulação de citações e falsificação/fabricação de dados, ausência de autorizações pertinentes, discriminação, entre outros. As situações e alegações que chegarem ao conhecimento de editores e avaliadores serão levadas ao Comitê Editorial, que tomará as providências cabíveis, incluindo o encaminhamento a instâncias superiores da Universidade, se necessário.

A editoria demanda de todos os autores e avaliadores que declarem possíveis conflitos de interesse, tais como qualquer interesse comercial, financeiro ou pessoal relacionados a dados ou questões do estudo de um ou mais autores. A existência de tais conflitos não impede a submissão de um artigo ou sua publicação na revista, porém, os autores deverão explicar a razão do conflito aos editores, que tomarão uma decisão sobre o encaminhamento do manuscrito.

Artigos

Política padrão de seção

Dossiê "Feminismos e antifeminismos na política "

Nos últimos anos, após uma onda de governos progressistas na América Latina serem substituídos por conservadores, acentuou-se o debate sobre o caráter instável e vulnerável  dos direitos das mulheres, bem como as formas de atuação de políticas nas esferas do poder. Com isso, os movimentos feministas e antifeministas ganharam destaque nas produções acadêmicas. Na teoria social e política, o questionamento de paradigmas do conhecimento demandam o desafio epistêmico de temas caros às Ciências Sociais. Se, por um lado, a Ciência Política se debruça sobre a inclusão democrática, modelos de políticas públicas afirmativas, efetividade de cotas de gênero em eleições, e a presença das mulheres como protagonistas no campo da política, o processo dessas mudanças demanda alicerçar abordagens diversificadas. Não é nada trivial dosar eficiência e impacto, quando modelos e práticas políticas diversas são escrutinados tendo em vista problemas como os suscitados pela interseccionalidade, consubstancialidade, reconhecimento, performance e representação. A partir do enfoque sociológico encontramos análises sobre os dilemas entre agência e estrutura, seja do ponto de vista teórico ou dos entraves que as políticas, na prática, experimentam.

Nos interessa jogar luz à agência das mulheres, dos movimentos feministas e/ou antifeministas cujos impactos se observam na visão de mundo desses coletivos sobre a divisão sexual do trabalho, a disputa pela autonomia dos corpos, a dinâmica do cuidado, no respeito à orientação sexual, no combate ao racismo, a mobilização dos afetos, a participação e representação das mulheres nos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, nos meios de comunicação e nas profissões em geral, mas também, nas próprias produções culturais e intelectuais desses grupos e/ou movimentos sociais. Ser “feminista ou antifeminista” é algo que, por vezes, se vivencia em situações de violência doméstica, simbólica, política, racial e de gênero contra mulheres.

O Dossiê tem como objetivo reunir contribuições que se esforcem em diagnosticar e analisar a transformação dos paradigmas políticos, sociais e culturais da estrutura de dominação masculina. Seja do ponto de vista da superação das assimetrias de poder e de gênero ou dos discursos antifeministas e conservadores que auxiliam na reprodução dessas desigualdades. Apreciará, então, textos permeados por debates sobre as dinâmicas e práticas dos feminismos e/ou antifeminismos no campo político, social e cultural. Aceitará artigos, resenhas e entrevistas que busquem discutir fenômenos sociais e políticos nacionais e transnacionais em que a centralidade do gênero esteja envolvida. Também serão considerados artigos que ensejem revisar ou atualizar a teoria social e política de gênero e/ou feministas, bem como trabalhos que retirem da invisibilidade e promovam o reconhecimento de autoras que contribuíram para a gênese, formação e consolidação do campo político tanto a nível nacional como internacional. As/os autores/as podem considerar abordar temas que incluem, mas não se limitam a: (i) a participação política — dos mais variados vieses ideológicos — das mulheres no Brasil e na América Latina; (ii) debates públicos à respeito de ações afirmativas com enfoque interseccional; (iii) movimentos feministas e/ou  antifeministas na atualidade; (iv) bandeiras e discursos políticos em disputa; (v) representação política, social e cultural das mulheres no campo político; (vi) profissionalização política de mulheres; (vii) campanhas eleitorais com viés feminista e/ou antifeminista; (vii) apropriações de bandeiras feministas e/ou antifeminstas como estratégias políticas; (viii) abordagens metodológicas sobre representação política e democracia com recorte de gênero, raça e sexualidade, e outros.

Convidamos todas e todos para submeter artigos ao Dossiê, cuja previsão de publicação será no primeiro semestre de 2024. Os manuscritos devem ser todos enviados pela plataforma: revistas.usp.br/plural. As instruções gerais, normas e outras diretrizes relevantes podem ser conferidas no endereço www.revistas.usp.br/plural/about/submissions. O material recebido será submetido à avaliação externa (processo de double-peer-blind-review). Para maiores informações, por favor, escreva-nos: plural@usp.br.

As contribuições devem ser feitas pelo site da Revista Plural, na guia “submissões”, selecionando a opção Dossiê: “Feminismos e antifeminismos na política”.

Política de Privacidade

Os nomes dos avaliadores preliminares (desk review), dos pareceristas e dos autores são mantidos em sigilo durante todo o processo. Não obstante, a nominata dos pareceristas é divulgada periodicamente pela Plural, sem prejuízo para o anonimato do parecer.