Sírios e congoleses homens e mulheres refugiados no Brasil

perfil socioeconômico, integração e perspectivas futuras

  • Márcio de Oliveira Universidade Federal do Paraná
Palavras-chave: Refugiados, Brasil, Perfil socioeconômico, Sírios, Congoleses

Resumo

O tema do refúgio não é novo no Brasil, menos ainda no mundo. Analisando dados de pesquisa realizada com 487 refugiados residentes hoje em oito estados brasileiros, apresentamos análise sobre o perfil socioeconômico, dimensões de processos integrativos e perspectivas futuras dentre sírios e congoleses homens e mulheres, egressos dos dois maiores grupos dentre as mais de 80 nacionalidades reconhecidas pelo Estado brasileiro. Inicialmente, procuramos medir o impacto da não declaração de gênero por parte dos informantes, dividindo-os em “gênero declarantes” e “gênero não-declarantes”, quando foi possível estabelecer que a não declaração de gênero não alterou os indicadores de formação escolar e renda. Em seguida, analisamos apenas o grupo dos “gênero-declarantes”, diferenciando-os por gênero. Notou-se mais atos de discriminação racial entre congoleses independente do sexo e entre as mulheres sírias. Não obstante isso, ambos grupos apresentam características similares em relação ao seu perfil socioeconômico, integração e perspectivas futuras. Apesar das inúmeras dificuldades cotidianas, demonstram interesse em permanecer no Brasil e se integrar politicamente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcio de Oliveira, Universidade Federal do Paraná

Professor Titular, Universidade Federal do Paraná.

Referências

AGIER, Michel; MADEIRA, Anne-Virginie. Définir les réfugiés. Paris: PUF, 2017.

ARAÚJO, Nadia; ALMEIDA, Guilherme Assis de (Coord.) O Direito Internacional dos Refugiados – uma perspectiva brasileira. Rio de Janeiro: Renovar, 2001.

AUDEBERT, Cédric. The recent geodynamics of Haitian migration in the Americas: refugees or economic migrants?, Revista Brasileira de Estudos Populacionais, v. 34, n. 1, p. 55-71, 2017.

AYDOS, Mariana; BAENINGER, Rosana; DOMINGUEZ, Juliana A. Condições de Vida da População Refugiada. Campinas: NEPO/UNICAMP, 2007.

BAENINGER, Rosana; FERNANDES, Duval (Coord.) Atlas temático: observatório das migrações em São Paulo. São Paulo: NEPO/UNICAMP, 2018.

BAENINGER, Rosana; SILVA, João C. I. (Coord.). Migrações Venezuelanas. Campinas: NEPO/UNICAMP, 2018. Disponível em: <https://www.nepo.unicamp.br/publicacoes/livros/mig_venezuelanas/migracoes_venezuelanas.pdf>. Acesso em: 20/04/2020.

BARRETO, Luiz Paulo Teles (Org.). Refúgio no Brasil: a proteção brasileira aos refugiados e seu impacto nas Américas. Brasília: ACNUR, 2010. Disponível em: < https://www.acnur.org/portugues/wp-content/uploads/2018/02/Ref%C3%BAgio-no-Brasil_A-prote%C3%A7%C3%A3o-brasileira-aos-refugiados-e-seu-impacto-nas-Am%C3%A9ricas-2010.pdf>. Acesso em: 20/04/2020.

BONIS, Gabriel. Refugiados de Idomeni. São Paulo: Hedra, 2017.

BÓGUS, Lúcia M. M.; RODRIGUES, Viviane M. Os refugiados e as políticas de proteção e acolhimento no Brasil: História e Perspectiva. Dimensões, v. 27, p. 101-114, 2011.

BRAVO, Álvaro A. Sanchez; MIALHE, Jorge L. (Org.). Refugiados e Migrações no século XXI. Direitos fundamentais e Relações Internacionais. Belo Horizonte: Arraes, 2017.

DOUFOULON, Serge. Colères des temps et réfugiés climatiques: pour une approche sociologique. Vertigo. La Revue électronique en Sciences de l’Environement, p. 01-10, 2013, Disponível em: http://journals.openedition.org/vertigo/13964. Acesso em: 20/04/2020.

FACUNDO, Angela. Êxodos, Refúgios e Exílios: Colombianos no Sul e Sudeste do Brasil. Rio de Janeiro: Papéis Selvagens, 2017.

FISHER, Nicolas; HAMIDI, Camille. Les politiques migratoires. Paris: Éditions La Découverte, 2016.

GEDIEL, José A. P.; GODOY, Gabriel G. de (Org.). Refúgio e Hospitalidade. Curitiba: Edições Kairós, 2016.

JARDIM, Denise F. Imigrantes ou refugiados? As tecnologias de governamentalidade e o êxodo palestino rumo ao Brasil no século XX. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 22, n. 46, p. 243-241, jul./dez., 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ha/v22n46/0104-7183-ha-22-46-0243.pdf. Acesso em: 20/04/2020.

LIMA, João B. B. et al. Refúgio no Brasil: caracterização dos perfis sóciodemográficos dos refugiados (1988-2014). Brasília: IPEA, 2017. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=30866. Acesso em: 20/04/2020.

LOCHAK, Danièle. Qu’est-ce qu’un réfugié? La construction politique d’une catégorie juridique. Pouvoirs, v. 1, n. 144, p. 33-47, jan., 2013. Disponível em: https://revue-pouvoirs.fr/Qu-est-ce-qu-un-refugie-La.html. Acesso em: 20/04/2020.

MAZZELLA, Sylvie (2014). Sociologie des migrations. Paris: PUF.

MAUREL, Chloé. Le statut et la situation des réfugiés dans le monde, enjeu pour l’ONU. Cahiers d’Histoire. Revue d’Histoire Critique, n. 142, p. 37-59, 2019. Disponível em: https://journals.openedition.org/chrhc/10490. Acesso em: 20/04/2020.

MILESI, Rosita. Refugiados: realidade e perspectivas. Brasília: Edições Loyola, 2003.

MORALES, Pamela V. Refugiados en la globalización: aproximación filosófica a los procesos de subjetivación y de exclusión socio-politica. Amérique Latine. Histoires et Mémoire. Les Cahiers de l’ALHIM, n. 21, p. 01-11, 2011. Disponível em http://journals.openedition.org/alhim/3791. Acesso em: 20/04/2020.

MOREIRA, Júlia B. A Problemática dos Refugiados na América Latina e no Brasil. Cadernos PROLAM/USP, ano 4, v. 2, p. 57-76, 2005.

MOULIN, Carolina; ZUZARTE, André. Refugiados urbanos: política, política e resistência nas fronteiras da cidade. REMHU, Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana, v. 26, n. 53, p. 219-234, 2018.

OLIVEIRA, Márcio de. Perfil Sócioeconômico dos Refugiados no Brasil. Subsídios para a elaboração de Políticas. Brasília: Edição do ACNUR/Brasil, 2019. Disponível em: https://www.acnur.org/portugues/wp-content/uploads/2019/07/Pesquisa-Perfil-Socioecon%C3%B4mico-Refugiados-ACNUR.pdf. Acesso em: 20/04/2020.

PACÍFICO, Andrea P. O capital social dos refugiados: bagagem cultural versus políticas públicas. Maceió: Editora da Universidade Federal do Alagoas, 2010.

QUESADA, Aurélie. L'intégration socioculturelle des réfugiés par une approche interacionniste: Les cas des Colombiens au Québec. Dissertação (Mestrado em Sociologia). Montréal, Université du Québec, 2011.

RODRIGUES, Viviane Mozine (Org.) Direitos humanos e refugiados. Vila Velha: Editora Universidade de Vila Velha, 2006.

SILVA, César A. S. da. A política migratória brasileira para refugiados (1998-2014). Curitiba: Editora Íthala, 2015.

SIMÕES, Gustavo da P. (Org.). Perfil Sociodemográfico e Laboral da imigração venezuelana no Brasil. Curitiba: CRV, 2017.

TARRADELAS, Anton. Qu’est-ce qu’un réfugié? Enjeux et représentations autour de la construction d’une catégorie sociale. L’Atelier Historique, 2017. Disponível em https://www.unige.ch/asso-etud/aehg/files/3915/0893/7682/Article.TARRADELLAS_pour_Site.VF.pdf.Acesso em: 20/04/2020.

VIANNA, Pedro. La Première Guerre mondiale et la notion juridique contemporaine de réfugié. Migrations Société, v. 156, n. 6, p.137-150, 2014.

VIANNA, Pedro. Réfugiés et migrant économiques. Entre confusion, oubli et hypocrisie. Migrations Société, v. 161, n. 5, p. 3-10, 2015.

WENDEN, Catherine Wihtol de. La question migratoire au XXIe siècle. Paris: SciencesPo Les Presses, 2013.

Publicado
2020-06-27
Como Citar
Oliveira, M. (2020). Sírios e congoleses homens e mulheres refugiados no Brasil. Plural, 27(1), 62-89. https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2020.171528
Seção
Dossiê: "Ciências sociais e questões migratórias na contemporaneidade"