Que gênero de grupo são as raças?

Naturalismo, construtivismo e justiça social

Autores

  • Magali Bessone Universidade Paris 1 Sorbonne
  • Diana Mendes Machado Silva Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2020.179829

Resumo

A questão do estatuto dos grupos racializados está no centro das discussões sobre os construtivismos: enquanto alguns argumentam que a existência socio-política de grupos racializados se refere a uma construção de coletivos realizada sob a influência de determinantes sociais (objetivismo), outros insistem em micro-processos subjetivos que levam a reivindicar ou negociar atribuições raciais. Nos dois casos, trata-se, primeiramente, de se opor a uma concepção essencialista de raça, segundo a qual todos os membros de um grupo racial herdam o mesmo conjunto de propriedades determinantes impossíveis de modificar, de perder ou de não transmitir. A posição essencialista, baseada em uma ontologia naturalista de raças, defende a ideia de um elevado grau de coesão social do grupo racial, fechado e homogêneo. Inversamente, as posições construtivistas devem levar em conta o estatuto de entidade coletiva do grupo racial construído, bem como sua função normativa em uma teoria da justiça social: trata-se então de abandonar tais categorizações para neutralizar seus efeitos ou de ajustá-los aos objetivos de justiça social que a consideração de tais entidades coletivas permite realizar? “Que tipo de grupo são as raças?” Essa é, pois, uma questão ontológica, cuja resposta é indispensável para resolver a questão normativa: “O que devemos fazer com os grupos racializados?”

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2020-12-22

Como Citar

Bessone, M., & Silva, D. M. M. . (2020). Que gênero de grupo são as raças? : Naturalismo, construtivismo e justiça social. Plural, 27(2), 331-354. https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2020.179829