Produzir na reprodução: um olhar sobre a renovação da força de trabalho escrava no Brasil oitocentista

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2021.185974

Palavras-chave:

economia-mundo capitalista, escravidão, força de trabalho, manuais de agricultura, teoria da reprodução social

Resumo

Por meio de uma análise documental de manuais de agricultura brasileiros escritos no século XIX por senhores de escravos, procura-se identificar o caráter específico da reprodução social da escravidão. Argumenta-se que esse caráter está assente na união das esferas produtiva e reprodutiva, e não unicamente num modo de repor a força de trabalho escrava.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Salcedo Figueira, Universidade do Minho

Mestre e doutoranda em Sociologia pela Universidade do Minho. Atualmente, realiza um estudo comparado sobre a reprodução da escravidão no Brasil e nos Estados Unidos do século XIX

Referências

ARRUZZA, Cinzia (2010). Feminismo e Marxismo: entre casamentos e divórcios. Lisboa: Edições Combate.

BHATTACHARYA, Thiti (2019). O que é a teoria da reprodução social?RevistaOutubro, n. 32, p. 99-113.

BLACKBURN, Robin (1988). The overthrow of Colonial Slavery 1776-1848. Londres/Nova York: Verso.

BLACKBURN, Robin (2016).“Por que segunda escravidão?”In: MARQUESE, Rafael; SALLES, Ricardo (Orgs). Escravidão e capitalismo histórico no século XIX: Cuba, Brasil e Estados Unidos. Rio de Janeiro:Civilização Brasileira.

BURDEN-STELLY, Charisse (2020). Modern U.S. Racial Capitalism: some theoretical insights. MonthlyReview. Disponível em: https://monthlyreview.org/2020/07/01/modern-u-s-racial-capitalism/(acesso em 07/12/2021).

CARDOSO, Fernando Henrique (1977). Capitalismo e escravidão no Brasil meridional: o negro na sociedade escravocrata do Rio Grande do Sul. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

CURCIO, Anna (2020). MarxistFeminismofRupture.Disponível em: https://viewpointmag.com/2020/01/14/marxist-feminism-of-rupture/(acesso em 07/12/2021).

FERGUSON, Susan; MCNALLY, David (2017). Capital, força de trabalho e relações de gênero. RevistaOutubro, n. 29, p. 25-59.

FOGEL, Robert; ENGERMAN, Stanley (1974). Time on the Cross. The Economics of American Slavery. Boston: Little, Brown and Company.

FONSECA, Antonio Caetano (1863). Manual do agricultor dos generosalimenticios, ou methodo da cultura mixta destes generos nas terras cansadas pelo systema vegeto-animal; modo de criar e tratar o gado; e um pequeno tratado de medicina domestica para os fazendeiros, seguido de uma exposição sobre a cultura do algodão herbaceo. Rio de Janeiro: Eduardo&Henrique Laemmert.

GONZALEZ, Lélia. “A mulher negra na sociedade brasileira: uma abordagem político-econômica”.In: RIOS, Flávia; LIMA, Márcia (Orgs). Por um feminismo afro-latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos. Rio de Janeiro, Zahar, 2020 (e-book), po. 747-1095..

JOHNSON, Walter (2004). The Pedestal and the Veil: Rethinking the Capitalism/Slavery Question. Journal of the Early Republic, v. 24, n. 2, p. 299-308.

MARINI, Rui Mauro (2000 [1973]). Dialética da Dependência: uma antologia da obra de Rui Mauro Marini. Petrópolis: Editora Vozes; Buenos Aires: Clacso.

MARQUESE, Rafael (2004).Feitores do corpo, missionários da mente: Senhores, letrados e o controle dos escravos nas Américas, 1660-1860. São Paulo: Companhia das Letras.

MARQUESE, Rafael (2008). Diáspora africana, escravidão e paisagem da cafeicultura no Vale do Paraíba oitocentista. Almanack Braziliense, São Paulo, v. 7, p. 138-52.

MARQUESE, Rafael; SALLES, Ricardo (2016). Escravidão e capitalismo histórico no século XIX: Cuba, Brasil e Estados Unidos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

MARQUESE; Rafael; PARRON, Tâmis (2011). Internacional escravista: a política da Segunda Escravidão. Topoi, v. 12, n.23, p. 97-117.

MARX, Karl (2011 [1867]). O Capital: crítica da economia política. São Paulo: Boitempo.

MARX, Karl (2004 [1844]). Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Boitempo.

MIES, Maria (2014 [1986]). Patriarchy and Accumulation on a World Scale: Women in the international division of labour. Londres: Zed Books.

MINTZ, Sidney (1978). Was the plantation slave a proletarian?Review, v. 2, n. 1, p. 81-98.

MORGAN, Jennifer (2004). Laboring women: reproduction and gender in the New World slavery. Pensilvânia: UniversityofPennsylvania Press.

PESSOA, Thiago (2017). “E depois da “Lei Eusébio”? Reprodução da escravidão e seus limites em um complexo de fazendas do vale do café (Rio de Janeiro, c. 1864-1888).Topoi, v. 18, n. 36, p. 465-89.

ROSA, Revista (2020). A questão racial no Brasil em perspectiva histórica. Rodas da Rosa, n.13, 2020. Disponível em: https://revistarosa.com/2/roda-a-questao-racial-no-brasil-em-perspectiva-historica(acesso em 07/12/2021).

SALLES, Ricardo (2008). E o Vale era o escravo: Vassouras, século XIX. Senhores e escravos no coração do Império. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

SINGH,Nikhil (2017). “OnRace, Violence, and ‘So-CalledPrimitiveAccumulation’”. In: JOHNSON, Theresa; LUBIN, Alex (eds.). Futures of Black Radicalism. Londres/Nova York: Verso.

TAUNAY, Carlos Augusto (2001 [1839]). Manual do Agricultor Brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras.

TOMICH, Dale (2011). Pelo Prisma da Escravidão: Trabalho, Capital e Economia Mundial. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

VERNEK, Francisco (1847). Memória sobre a fundação de huma fazenda na Província do Rio de Janeiro.Rio de Janeiro: Typographia Universal de Laemmert.

VOGEL, Lise (2013 [1983]). Marxism and the oppression of women: toward a unitary theory. Boston: Brill.

WALLERSTEIN, Immanuel (1974). O Sistema Mundial Moderno – A agricultura capitalista e as origens da economia-mundo europeia no século XVI. Porto: Edições Afrontamento.

WALLERSTEIN, Immanuel (1979). The Capitalist World-Economy. New York: Cambridge University Press.

WERNECK, Luis (1865 [1855]).Idéas sobre colonisação precedidas de uma succinta exposição dos principiosgeraes que regem a população. Rio de Janeiro: Eduardo&Henrique Laemmert.

WILLIAMS, Eric (1975 [1944]). Capitalismo e escravidão. Rio de Janeiro: Ed. Americana.

Downloads

Publicado

2021-12-22

Como Citar

Figueira, G. S. (2021). Produzir na reprodução: um olhar sobre a renovação da força de trabalho escrava no Brasil oitocentista. Plural, 28(2), 66-89. https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2021.185974

Edição

Seção

Dossiê "Marxismo, feminismo e a teoria social"