Dimensões religiosas da radicalização política no Brasil contemporâneo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2021.188499

Palavras-chave:

Religião, Política, Radicalização, Conservadorismo, Brasil

Resumo

Neste texto são apresentadas reflexões acerca das complexas relações entre religião e política no Brasil, especificamente na última década. A radicalização política tem sido a tônica da governabilidade institucional e da participação popular nas relações de poder, e nesse ínterim a dimensão religiosa tem se tornado cada vez mais saliente. Grupos religiosos estreitam relações entre conservadorismo político e cristianismo, deflagrando uma politização reativa que não se limita a acionar as moralidades religiosas como fiadoras da gestão da res publica, mas também recorrem a um amplo instrumental secular, composto de mecanismos jurídicos e legislativos. Após apresentação sobre a materialização desses fatores no cenário nacional contemporâneo, segue-se uma apreciação das análises e pesquisas que compõem o presente dossiê, o qual procura problematizar, à luz de interpretações sociológicas, a interação entre religião e política e suas consequências na realidade social brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Brenda Carranza, Universidade Estadual de Campinas

Professora e pesquisadora colaboradora do Departamento de Antropologia Social da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Brasil. Pesquisadora Associada ao Programa Condiciones de vida y Religión, do Instituto de investigaciones en la Facultad de Ciencias Sociales de la Universidad Católica de Argentina. Coordenadora do Laboratório de Antropologia da Religião - LAR/Unicamp. Vice-líder do Gênero, Religião e Política -GREPO/PUC-SP. E-mail: brenda_poveda@terra.com.br. 

Renan William dos Santos, Universidade de São Paulo

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade de São Paulo (PPGS-USP), Brasil, com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), processo 2017/24842-1. E-mail: renan16@outlook.com.

Luiz Jácomo, Universidade de São Paulo

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade de São Paulo (PPGS-USP), Brasil. Membro do grupo de pesquisa “Diversidade religiosa na sociedade secularizada” (CNPq). O presente trabalho foi realizado com apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Brasil (CAPES) - Código de Financiamento 001. E-mail: luizvjj@gmail.com.

Referências

ALMEIDA, Ronaldo. A onda quebrada: evangélicos e conservadorismo. Cadernos Pagu, Campinas, Unicamp, n. 50, 2017.

ALONSO, Angela. A política das ruas: protestos em São Paulo de Dilma a Temer. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n. 37, p. 49-58, 2017.

CARRANZA, Brenda; VITAL DA CUNHA, Christina. Conservative religious activism in the Brazilian Congress: Sexual agendas in focus. Social Compass, vol 3. Série 1, p. 287-330, 2018.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. São Paulo: Edições Loyola, 2019.

GABARDO, Emerson; LAZZAROTTO, Gabriel Strapasson; WATZKO, Nicholas Andrey Monteiro. Ética pública e parcialidade no combate à corrupção: o caso The Intercept Brasil vs. Operação Lava Jato. International Journal of Digital Law, Belo Horizonte, ano 2, n. 1, p. 151-198, 2021.

MARIANO, Ricardo; GERARDI, Dirceu André. Eleições presidenciais na América Latina em 2018 e ativismo político de evangélicos conservadores. Revista USP, n. 120, p. 61-76, 2019.

PIERUCCI, Antônio Flávio. “Representantes de Deus em Brasília: a bancada evangélica na constituinte”. In: PIERUCCI, Antônio Flávio; PRANDI, Reginaldo (orgs.) A realidade social das religiões no Brasil: religião, sociedade e política. 1.ed. São Paulo: Hucitec, 1996, p. 104-32.

PIERUCCI, Antônio Flávio. Eleição 2010: desmoralização eleitoral do moralismo religioso. Novos estudos CEBRAP, n. 89, 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-33002011000100001.

PRANDI, Reginaldo; JÁCOMO, Luiz; BERNARDO, Terezinha. Trinta anos depois: realidade e pesquisa das religiões afro-brasileiras do centenário da Abolição aos dias de hoje (1988-2018). Revista USP, São Paulo, n. 122, p. 99-120, 2019. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i122p99-120.

PRANDI, Reginaldo; SANTOS, Renan William dos. Quem tem medo da bancada evangélica? Posições sobre moralidade e política no eleitorado brasileiro, no Congresso Nacional e na Frente Parlamentar Evangélica. Tempo Social, vol. 29, n. 2, 187-213, 2017. DOI: https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2017.110052.

PRANDI, Reginaldo; SANTOS, Renan William dos; BONATO, Massimo. Igrejas evangélicas como máquinas eleitorais no Brasil. Revista USP, (120), 43-60, 2019. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i120p43-60.

PRZEWORSKI, Adam. Crises da democracia. Rio de Janeiro: Zahar, 2019.

SANTOS, Renan William dos. Entre o “cuidado da casa comum” e a “psicose ambientalista”: disputas em torno da ecoteologia católica no Brasil. Revista Brasileira de Sociologia, v. 8, n. 20, p. 78-101, 2020. DOI: http://dx.doi.org/10.20336/rbs.666.

SILVA, Marcelo Kunrath; PEREIRA, Matheus Mazzilli. Movimentos e Contramovimentos Sociais: o caráter relacional da conflitualidade social. Revista Brasileira de Sociologia, v. 8, n. 20, p. 26-49, 2020. DOI: http://dx.doi.org/10.20336/rbs.647.

TEIXEIRA, Ana Claudia; CARRANZA, Brenda. Ultraconservadores e Campanha da Fraternidade: lógica do confronto. 2021. Disponível em: https://diplomatique.org.br/ultraconservadores-e-campanha-da-fraternidade-logica-do-confronto/. Acesso em 30 de maio de 2021.

VAGGIONE, Juan Marco. “A restauração legal: o neoconservadorismo e o direito na América Latina”. In: VAGGIONE, Juan Marco; MACHADO, Maria das Dores Campos; BIROLI, Flávia. Gênero, neoconservadorismo e democracia. São Paulo: Boitempo, 2020, 2020, p. 41-82.

Downloads

Publicado

2021-07-19

Como Citar

Carranza, B., Santos, R. W. dos, & Jácomo, L. V. J. . (2021). Dimensões religiosas da radicalização política no Brasil contemporâneo. Plural, 28(1), 5-16. https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2021.188499

Edição

Seção

Dossiê: "Religião, cultura e política entre o progressismo e o conservadorismo"