Antropologia Urbana: desafios e perspectivas

Autores

  • José Guilherme Cantor Magnani Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2016.124814

Palavras-chave:

Antropologia Urbana, etnografia, metodologia, cidades contemporâneas, Circuito sateré na Amazônia

Resumo

Este artigo tem como ponto de partida duas questões. Em primeiro lugar, pode a Antropologia, com os conceitos e métodos de análise forjados ao longo de pesquisas em sociedades de pequena escala, lidar com a heterogeneidade dos atuais aglomerados urbanos, em toda sua diversidade e extensão? E, em segundo lugar, não seria justamente tal legado o que dá ao seu olhar, de perto e de dentro, determinada acuidade, lá onde uma visão apenas de fora e de longe passaria ao largo? O texto começa passando em revista diferentes enfoques diante da cidade e as formas como foi constituída enquanto objeto de análise; em seguida é apresentado o ponto de vista da Antropologia para, finalmente, entrar no tema propriamente dito do artigo: as condições de exercício da etnografia, seu método diferencial, no contexto urbano contemporâneo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Guilherme Cantor Magnani, Universidade de São Paulo

Professor Titular do Departamento de Antropologia da FFLCH da USP

Referências

ANDRADE, José Agnello. s/d. Saterização da cidade: identidade, multi-localidade e cultura entre aldeias e cidades habitadas pelos Sateré-Mawé na Amazônia. São Paulo, tese, Universidade de São Paulo, em andamento desde 2013.

ANDRELLO, Geraldo. 2006. Cidade do índio: transformações e cotidiano em Iauaratê. São Paulo, Editora Unesp.

AUGÉ, Marc. 1994. Não lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. Campinas, Papirus.

BENÉVOLO, Leonardo. 1983 [1975]. História da cidade. São Paulo, Perspectiva.

BERMAN, Marshal. 1989. Tudo que é sólido desmancha no ar. São Paulo, Companhia das Letras.

BERNAL, Roberto Jaramillo. 2009. Índios urbanos: processo de reconformação das identidades étnicas indígenas em Manaus. Manaus, edua.

BORJA, Jordi. 1995. “La Ciudad Mundial”. In MEYER, Regina e GROSTEIN, Marta (orgs.),

Memória do Encontro Centro xxi – Anais. São Paulo, Associação Viva o Centro.

BRAUDEL, Fernand. 1995 [1949]. O Mediterrâneo e o Mundo Mediterrânico na época de Felipe ii. Lisboa, Publicações Dom Quixote.

CANDIDO, Antonio. 1964. Os parceiros do Rio Bonito: estudo sobre o caipira paulista e as transformações dos seus meios de vida. Rio de Janeiro: José Olympio.

CHIQUETTO, Rodrigo. 2014. A cidade do futebol: etnografia sobre a prática futebolística na metrópole manauara. São Paulo, dissertação, Universidade de São Paulo.

CLIFFORD, James. 1998. “Sobre a autoridade etnográfica”. In . A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século xx. Rio de Janeiro, Editora ufrj.

COMISSÃO PRÓ-ÍNDIO. 2013. A cidade como local de afirmação dos direitos indígenas. São Paulo, Comissão Pró-Índio de São Paulo.

DE CERTEAU, Michel. 1994. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis, Vozes.

DURKHEIM, Émile. 1973. De La División del trabajo social. Buenos Aires, Shapire Ed.

EVANS-PRICHARD, Edward. 1978. Os Nuer. São Paulo, Perspectiva.

GEERTZ, Clifford. 1978. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro, Zahar.

FIORI, Ana Letícia. s/d. Como se formam índios acadêmicos? Um estudo sobre trânsitos de cotidianos e saberes entre os discentes dos Cursos de Pedagogia Intercultural da Universidade Estadual do Amazonas. São Paulo, tese, Universidade de São Paulo, em andamento desde 2013.

FRÚGOLI, Heitor. 2000. Centralidade em São Paulo. São Paulo, Edusp.

FUSTEL DE COULANGES. 1941 [1864]. A cidade antiga. Lisboa, Editora Clássica, 2 vol.

HABERMAS, Jürgen. 1992 [1981]. “Arquitetura moderna e pós-moderna”. In ARANTES, Otília e ARANTES, Paulo E. (orgs.), Um ponto cego no projeto moderno de Jurgen Habermas. São Paulo, Brasiliense.

HANNERZ, Ulf. 1986. Exploración de la ciudad: hacia una antropologia urbana. Mexico, Fondo de Cultura Económica.

HARVEY, David. 1993 [1989]. Condição pós-moderna. São Paulo, Loyola.

HERMANN, Lucila. 1948. Evolução da estrutura social de Guaratinguetá num período de trezentos anos.

São Paulo, Instituto de Administração, Faculdade de Ciências Econômicas.

INGOLD, Tim. 2000. The Perception of the Environment. Essays on Lifehood, Dwelling and Skill. Londres e Nova York, Routledge.

INGOLD, Tim. 2007. Lines: A Brief History. Londres, Routledge.

JACOBS, Jane. 1992 [1961]. The Death and Life of Great American Cities. Nova York, Vintage Books, Random House Inc.

LASMAR, Cristiane. 2005. De volta ao lago de Leite: gênero e transformação no Alto Rio Negro. São Paulo, Editora Unesp.

LEACH, Edmund. 1989. A diversidade da antropologia. Lisboa, Edições 70.

LE CORBUSIER. 1989 [1941]. A carta de Atenas. São Paulo, Hucitec/Edusp.

LEROI-GOURHAN, André. 1987 [1964 e 1965]. O gesto e a palavra. 2 vol. Lisboa, Edições 70.

LÉVI-STRAUSS, Claude. 1962. “A crise moderna da Antropologia”. Revista de Antropologia, vol. 10, n. 1-2.

LÉVI-STRAUSS, Claude. 1971. “Introducción a la obra de Marcel Mauss”. In MAUSS, Marcel. Sociologia y antropologia. Madrid, Editorial Tecnos.

LÉVI-STRAUSS, Claude. 1976. O pensamento selvagem. São Paulo, Companhia Editora Nacional

LÉVI-STRAUSS, Claude. 1996. Tristes Trópicos. São Paulo, Companhia das Letras.

LÉVI-STRAUSS, Claude e ERIBON, Didier. 1990. De perto e de longe. Rio de Janeiro, Nova Fronteira. MAGNANI, José Guilherme C.

LÉVI-STRAUSS, Claude e ERIBON, Didier. 1999 “As cidades de Tristes Trópicos”. Revista de Antropologia. São Paulo, fflch/ usp, vol. 42, n. 1/2: 97-112.

LÉVI-STRAUSS, Claude e ERIBON, Didier. 2002. “De perto e de dentro: notas para uma etnografia urbana”. Revista

LÉVI-STRAUSS, Claude e ERIBON, Didier. Brasileira de Ciências Sociais”. São Paulo, anpocs, vol. 17, n. 49: 11-30.

LÉVI-STRAUSS, Claude e ERIBON, Didier. 2012 Da periferia ao centro: trajetórias de pesquisa em Antropologia Urbana. São Paulo, Ed. Terceiro Nome.

LÉVI-STRAUSS, Claude e ERIBON, Didier. 2013. “Anthropology between heritage and musems”. Vibrant - Virtual Brazilian

LÉVI-STRAUSS, Claude e ERIBON, Didier. Anthropology, vol. 10, série 1.

LÉVI-STRAUSS, Claude e ERIBON, Didier. 2014 “O circuito: proposta de delimitação da categoria”. Ponto Urbe, n.15.

MAGNANI, José Guilherme C. e TORRES, Lilian. 1996. Na metrópole: textos de Antropologia Urbana. São Paulo, Edusp/Fapesp.

MARCUS, George. 1991. “Identidades passadas, presentes e emergentes: requisitos para etnografias sobre a modernidade no final do século xx a nível mundial”. Revista de Antropologia, São Paulo, fflch/usp, vol. 34.

MAYER, Harold e KOHNE, Clyde. 1967 [1959]. Readings in Urban Geography. Chicago, University of Chicago Press.

MAZZOCHI, Marielli. s/d. Circuitos de fé: Sateré-Mawé, cidades e cristianismo. São Paulo, dissertação, Universidade de São Paulo, em andamento desde 2014.

MELLOR, J.R. 1984. Sociologia urbana. Porto, Rés.

MONGIN, Olivier. 2009 [2005]. A condição urbana: a cidade na era da globalização. São Paulo, Estação Liberdade.

MUMFORD, Lewis. 1965 [1961]. A cidade na história. 2 Vol. Belo Horizonte, Itatiaia.

NOGUEIRA, Oracy. 1962. Família e comunidade: um estudo sociológico de Itapetininga, São Paulo. Rio de Janeiro, Centro Brasileiro de Pesquisas Educacionais/inep/mec.

NORA, Pierre. 1984. Les Lieux de mémoire. Paris, Editions Gallimard.

NUNES, Eduardo. 2010. “Aldeias urbanas ou cidades indígenas? Reflexões sobre índios e cidades”. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, vol. 4, n. 1: 9-30.

PIERSON, Donald. 1951. Cruz das Almas, a Brazilian Village. Washington, Smithsonian Institute, publication n. 12.

ROMANO, Jorge. 1982. “Indios proletarios en Manaos: el caso de los Satere-Mawé citadinos”. Brasília, tese, unb.

ROSADO, Rosa Maris e FAGUNDES, Luiz F. Caldas (orgs.). 2013. Presença indígena na cidade: reflexões, ações e políticas. Porto Alegre, Núcleo de Políticas Públicas para Povos Indígenas.

SAHLINS, Marshall. 1997. “O ‘pessimismo sentimental’ e a experiência etnográfica: porque a cultura não é um ‘objeto’ em via de extinção”. Mana, 3 (1 e 2).

SASSEN, Saskia. 1991. The Global City: New York, London, Tokyo. Princeton, Princeton University Press.

SCHOENAUER, Norbert. 1984 [1981]. 6.000 Años de Hábitat. Barcelona, Editorial Gustavo Gili.

SERTÃ, Ana Luísa. 2015. Seguindo sementes: um estudo sobre circuitos e trajetos Sateré-Mawé na Amazônia. São Paulo, dissertação, Universidade de São Paulo.

SICA, Paolo. 1977 [1970]. La imágen de la ciudad. Barcelona, Editorial Gustavo Gili.

SIMMEL, Georg. 1987. “A metrópole e a vida mental”. In Velho, Otávio Guilherme (org.), O Fenômeno Urbano. Rio de Janeiro, Guanabara.

SMILJANIC, M. Inês; PIMENTA, José e BAINES, Stephen Grant (orgs.) 2009 Faces da indianidade. Curitiba, Nexo Design.

STRATHERN, Marilyn. 1999. “Entrevista: no limite de uma certa linguagem”. Mana, vol.5, n. 2. 2014 O efeito etnográfico. São Paulo, Cosac Naify.

TAMBUCCI, Yuri. 2014. Rio a fora, cidade a dentro: transporte fluvial e modos de viver no Amazonas. São Paulo, dissertação, Universidade de São Paulo.

TEIXEIRA, Pery; MAINBOURG, M. Therèse e BRASIL, Marília. 2009. “Migração do povo indígena Sateré-Mawé em dois contextos urbanos distintos na Amazônia”. Caderno crh, vol. 22, n. 57: 1-16.

TÖNNIES, Ferdinand. 1963. Community and society. Nova York, Harper and Row.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo e VELHO, Gilberto. 1978. “O conceito de cultura e o estudo de sociedades complexas: uma perspectiva antropológica”. Artefato, Jornal de Cultura, ano i, n.1.

WAGLEY, Charles. 1953. Amazon Town: A Study of Man in the Tropics. Nova York, Macmillan.

WEBER, Max. 1999. Economia e sociedade. Brasília, Editora da unb.

WILLEMS, Emílio. 1947. Cunha: tradição e transição em uma cultura rural do Brasil. São Paulo, Secretaria da Agricultura.

WILLEMS, Emílio e MUSSOLINI, Gioconda. 1952. Buzios Island: A Caiçara Community in Southern Brazil. Nova York: J. J. Augustin Publisher.

Downloads

Publicado

2016-12-22

Como Citar

Magnani, J. G. C. (2016). Antropologia Urbana: desafios e perspectivas. Revista De Antropologia, 59(3), 174-203. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2016.124814

Edição

Seção

Artigos