Emoções em disputa

Usos do “amor” em manifestações

Autores

  • Bernardo Fonseca Machado Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2018.152039

Palavras-chave:

Amor, disputa política, gênero, sexualidade

Resumo

O artigo pretende discutir os significados que o termo “amor” assumiu em duas circunstâncias de ação coletiva: as manifestações denominadas “mais amor em SP”, ocorridas em 2012, ano eleitoral na capital do estado de São Paulo; e a hashtag #LoveWins, iniciada em 26 de junho de 2015, após a Suprema Corte dos Estados Unidos aprovar a união civil entre pessoas do mesmo sexo. A questão que o trabalho procura responder é: como e por que o “amor” foi acionado nos debates políticos em questão? Ao que tudo indica, a aposta residiu justamente na capacidade de transcendência da emoção – ela superaria oposições (partidárias e sexuais). Ao valer-se de discursos com retórica emotiva, sujeitos produziram um argumento difícil de ser contestado, mobilizando um instrumento discursivo supostamente universal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bernardo Fonseca Machado, Universidade de São Paulo

Bernardo Fonseca Machado é estudante de doutorado em Antropologia Social na Universidade de São Paulo. Entre 2015 e 2016 foi Visiting Student Research Collaborator na Universidade de Princeton. É também membro dos grupos de pesquisa Etnohistória (USP) e do Núcleo dos Marcadores Sociais da Diferença (USP).

Referências

ABU-LUGHOD, Lila. 1986. Veiled Sentiments. Londres: University of California Press.

ABU-LUGHOD, Lila e LUTZ, Catherine (orgs.). 1990. Language and the Politics of Emotion. Cambridge, Cambridge University Press.

AHMED, Sara. 2004. The Cultural Politics of Emotion. Edinburgh, Endinburgh University Press Ltd.

ALEGRIA, Paula. 2016. Sexualidade, política e juventude: uma etnografia das configurações de experimentação da sexualidade e do movimento estudantil entre alunos de uma escola pública. Rio de Janeiro, dissertação de mestrado em Ciências Sociais, PUC-Rio – Capes.

ANDRADE, Lucas de Toledo. 2016. Vanguarda antropofáfica e iluminação profana: possíveis “roteiros” para a leitura da produção de Criolo. Londrina, dissertação de mestrado em Letras (Estudos Literários), Universidade de Londrina.

BARREIRA, Irlys Alencar. 2001. “Política, memória e espaço público: a via dos sentimentos”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 16, n. 46.

BARREIRA, Irlys Alencar. 2014. “Ação direta e simbologia das ‘jornadas de junho’: notas para uma sociologia das manifestações”. Contemporânea, v. 4, n. 1: 145-164.

BOLTANSKI, Luc. 2012 [1990]. Love and Justice as Competences: Three Essays on the Sociology of Action. Cambridge, Polity Press.

CARRARA, Sérgio. 2013. “Negociando fronteiras, negociando nas fronteiras: a antropologia e o processo de cidadanização da homossexualidade no Brasil”. Palestra no Museu Nacional.

CHENG, Sealing. 2010. On the Move for Love – Migrant Entertainers and the US Military in South Korea. Philadelphia, University of Pennsylvania Press.

COELHO, Maria Claudia. 2006. “Emoções, gênero e violência: experiências e relatos de vitimização”.Revista Brasileira de Sociologia da Emoção, João Pessoa, v. 5, n. 13: 36-53.

COELHO, Maria Claudia. 2010. “Narrativas da violência: a dimensão micropolítica das emoções”. Mana, Rio de Janeiro, v. 16, n. 2: 265-285.

COLE, Jennifer e THOMAS, Lynn. 2009. Love in Africa. Chicago, The University of Chicago Press.

CONSTABLE, Nicole. 2009. “The Comodification of Intimacy: Marriage, Sex and Reproductive Labour”. Annual Review of Anthropology, (38): 49-64.

DEHESA, Rafael de la. 2010. Queering the Public Sphere in Mexico and Brazil – Sexual Rights Movements in Emerging Democracies. Durham e Londres, Duke University Press.

CRENSHAW, Kimberlé. 2002. “Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero”. Estudos Feministas, (1): 171-189.

DURHAM, Eunice. 2004 [1984]. “Movimentos sociais: a construção da cidadania” In THOMAZ, Omar Ribeiro (org.). A dinâmica da cultura: ensaio de antropologia. São Paulo, Cosac Naify.

FERREIRA, Carolina Branco de Castro. 2015. “Feminismos web: linhas de ação e maneiras de atuação no debate feminista contemporâneo”. Cadernos Pagu, Campinas, n. 44.

FLAM, Helena e KING, Debra. 2005. Emotions and Social Movements. Londres e Nova York, Routledge.

FRANÇA, Isadora Lins. 2006. Cercas e pontes. O movimento GLBT e o mercado GLS na cidade de São Paulo. São Paulo, dissertação de mestrado, Universidade de São Paulo.

FRY, Peter. 1995-1996. “O que a cinderela negra tem a dizer sobre política ‘racial’ no Brasil”. Revista USP, São Paulo, (28): 122-135.

GIOVANNI, Julia Ruiz. 2015. “Artes de abrir espaço. Apontamentos para a análise de práticas em trânsito entre arte e ativismo”. Cadernos de Arte e Antropologia, v. 4, n. 2: 13-27.

GOHN, Maria da Glória. 2013. “Sociedade civil no Brasil: movimentos sociais e ONGs”. Meta: Avaliação. Rio de Janeiro, v. 5, n. 14.

GOODWIN, Jeff; JAPER, James; e POLLETTA, Francesca. 2001. Passionate Politics: Emotions and Social Movements. Chicago, The University of Chicago Press.

GOULD, Deborah. 2001. “Rock the Boat, Don’t Rock the Boat, Baby: Ambivalence and the Emergence of Militant AIDS Activism. In GOODWIN, Jeff; JASPER, James; e POLLETTA; Francesca (orgs.). Passionate Politics: Emotions and Social Movements. Chicago, The University of Chicago Press.

HOOKS, bell. 2000 [1993]. “Living to Love”. In PLOTT, M. e UMANSKY, Lauri (orgs.). Making Sense of Women’s Lives: An Introduction to Women’s Studies. Maryland, Rowman & Littlefield, pp. 231-236.

ILLOUZ, Eva. 1997. El consumo de la Utopía Romantica. Oakland, California, University of California Press.

JOHNSON, Paul. 2005. Love, Heterosexuality and Society. Londres, Routledge.

LEITE, Márcia Pereira e BIRMAN, Patrícia (orgs). 2004. Um mural para a dor: movimentos cívico-religiosos por justiça e paz. Porto Alegre, Editora da UFRGS.

LEITE, Márcia Pereira. 2004. “As mães em movimento”. In LEITE, Márcia Pereira e BIRMAN, Patrícia (orgs.). Um mural para a dor: movimentos cívico-religiosos por justiça e paz . Porto Alegre, Editora da UFRGS.

LIMA, Stephanie. 2016. “As bi, as gay, as trava, as sapatão tão tudo organizada pra fazer revolução!” Uma análise sócio-antropológica do Encontro Nacional Universitário da Diversidade Sexual (ENUDS). Rio de Janeiro, dissertação de mestrado em Saúde Coletiva, Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

LUTZ, Catherine A. 1988. Unnatural Emotions: Everyday Sentiments on a Micronesian Atoll & Their Challenge to Western Theory. Chicago, The University of Chicago Press.

MACHADO, Bernardo Fonseca. 2012. Iluminando a cena: um estudo sobre o cenário teatral nas décadas de 1990 e 2000 em São Paulo. São Paulo, dissertação de mestrado em Antropologia Social, Universidade de São Paulo.

MARCUS, George. 1995. “Ethnography in/of the World System: The Emergence of Multi-Sited Ethnography”. Annual Review of Anthropology. N. 24: 95-117.

MESQUITA, André. 2008. Insurgências poéticas: arte ativista e ação coletiva (1990-2000). São Paulo, dissertação de mestrado, Universidade de São Paulo.

MOHANTY, Chandra Talpade. 1991. “Under Western Eyes”. In MOHANTY, Chandra Talpade; RUSSO, Ann; e TORRES, Lourdes (org.s). Third World Women and the Politics of Feminism. Bloomington, Indiana University Press, pp. 51-80, 1991.

REZENDE, Claudia Barcellos. 2009. Retratos do estrangeiro: identidade brasileira, subjetividade e emoção . Rio de Janeiro, Editora FGV.

REZENDE, Claudia Barcellos e COELHO, Maria Claudia. 2010. Antropologia das emoções. Rio de Janeiro, Editora FGV.

ROSALDO, Michelle Z. 1984. “Toward an Anthropology of Self and Feeling”. SHWEDER, Richard A. e LEVINE, Robert A. (orgs.). Culture Theory: Essays on Mind, Self and Emotion. Nova York, Cambridge University Press.

RUBIN, Gayle. 1993. “Thinking Sex: Notes for a Radical Theory of the Politics of Sexuality [1984]”. In ABELOVE, Henry; BARALE, Michèle; e HALPERIN, David (orgs.). The Lesbian and Gay Studies Reader. Nova York, Routledge.

SALAZAR, Tania Rodrigues. 2012. “El amor en las ciencias sociales: cuatro visiones teóricas”. Culturales, v. VIII, n. 15.

SHWEDER, Richard A. e LEVINE, Robert A. (orgs.). 1984. Culture Theory: Essays on Mind, Self and Emotion. Nova York, Cambridge University Press.

SOLOMON, Robert C. 1984. “Getting Angry: The Jamesian Theory of Emotion in Anthropology”. In SHWEDER, Richard A e LEVINE, Robert A. (orgs.). Culture Theory: Essays on Mind, Self and Emotion. Nova York, Cambridge University Press.

TEPERMAN, Ricardo. 2015. Se liga no som – as transformações do Rap no Brasil. São Paulo, Companhia das Letras – Claro Enigma.

VIANNA, Adriana e FARIAS, Juliana. 2011. “A guerra das mães: dor e política em situações de violência institucional”. Cadernos Pagu, n. 37: 79-116.

WHITTIER, Nancy. 2001. “Emotional Strategies: The Collective Reconstruction and Display of Oppositional Emotions in the Movement Against Child Sexual Abuse”. In GOODWIN, Jeff; JAPER, James; e POLLETTA, Francesca (orgs.). Passionate Politics: Emotions and Social Movements. Chicago, The University of Chicago Press.

Downloads

Publicado

2018-11-22

Como Citar

Machado, B. F. (2018). Emoções em disputa: Usos do “amor” em manifestações. Revista De Antropologia, 61(3), 86-108. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2018.152039

Edição

Seção

Artigos