Ser ou não ser pescadora artesanal? Trabalho feminino, reconhecimento e representação social entre marisqueiras da Bacia de Campos, RJ

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/1678-9857.ra.2020.178848

Palavras-chave:

Pesca artesanal, divisão sexual do trabalho, gênero, identidade, educação ambiental

Resumo

O presente texto descreve e analisa, a partir de uma perspectiva de gênero, as relações de trabalho das mulheres na pesca artesanal de Campos dos Goytacazes, RJ, tendo como foco o processo de participação e representação feminina no Grupo Gestor da Pesca Artesanal. A partir de pesquisa qualitativa e entrevistas narrativas, analisamos a recusa e interdição ao uso da identidade laboral de pescadora por meio do agenciamento das categorias nativas marisqueira(s), fundo(s) de quintal(is) e dona(s) de fundo de quintal. Esses dados descritivos foram cotejados e tensionados à teoria de divisão sexual do trabalho e à categoria analítica de gênero para compreender possíveis desigualdades e formas de (in)visibilização do trabalho feminino na pesca artesanal local. Este artigo é resultado de pesquisa financiada pelo Projeto de Educação Ambiental (PEA) Pescarte, que é uma medida de mitigação exigida pelo Licenciamento Ambiental Federal, conduzido pelo IBAMA.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lilian Sagio Cezar, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro

Lilian Sagio Cezar é Professora Associada do Programa de Pós-Graduação em Políticas Sociais CCH - UENF, Chefe do Laboratório de Estudos do Espaço Antrópico e coordenadora da Unidade Experimental de Som e Imagem – UENF. É Mestra em Multimeios pelo Programa de Pós-Graduação em Multimeios do IA-UNICAMP e Doutora em Antropologia Social pelo Programa Pós-Graduação de Antropologia Social FFLCH - USP. Integrou a Equipe de Pesquisa e Assessoria Científica da 2.º Fase do Projeto de Educação Ambiental (PEA) Pescarte entre 2017 e 2019.

Rafaella Theis, Universidade Federal do Paraná

Rafaella Theis é Professora e Coordenadora do Curso de História da Faculdade CENSUPEG. É Mestra em Políticas Sociais pelo Programa de Pós-Graduação em Políticas Sociais CCH - UENF. Desde 2019 é doutoranda em Sociologia pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia SHC - UFPR.

Referências

ANTUNES, Ricardo. 1999. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo.

BULHÕES, Eduardo Manuel Rosa et al. 2016. “Projeto de Gestão Integrada da Orla Marítima. A Experiência do Município de Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro, Brasil”. Sociedade e Natureza., Uberlândia, MG: v. 28, n. 2, p. 285-300, agosto.

PETROBRAS/ IBAMA/ UENF. 2016. Censo PEA-Pescarte. Projeto de Mitigação Ambiental, Campos dos Goytacazes, RJ.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. 2016. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Editora Boitempo.

FARIA, Nalu. 2009. “Economia feminista e agenda de luta das mulheres no meio rural”. In. BUTTO, Andrea.(org.). Estatísticas rurais e a economia feminista: um olhar sobre o trabalho das mulheres. Brasília, DF: MDA, 168p.

FRASER, Nancy. 2009. “O Feminismo, o Capitalismo e a astúcia da História”. Trad. Anselmo da Costa. In: Revista Meditações, v. 14, p. 11-33, jul/dez.

GERBER, Rose Mary. 2015. “Nos passos de Gioconda Mussolini, a construção de uma etnografia sobre invisibilidades e mulheres pescadoras”. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 58, n. 2, p. 99-116. :https://www.revistas.usp.br/ra/article/view/108514.

HIRATA, Helena. 2002. “Globalização e divisão sexual do trabalho”. Cadernos Pagu. Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp. Campinas, n. 17-18, p. 139-156.

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332002000100006&lng=en&nrm=iso.

“Gênero, Patriarcado, Trabalho e Classe”. Revista Trabalho Necessário. Ano 16, Nº29.

HUGUENIN. Fernanda Pacheco da Silva e HELLEBRANDT, Luceni Medeiros. 2018. “Mulheres na Cadeia da Pesca: legislação e (des)regulamentação de direitos em comunidades pesqueiras do litoral fluminense”. In: Anais 31ª Reunião Brasileira de Antropologia (09 a 12/12/2018). Brasília/DF.

JOVCHELOVITCH, Sandra e BAUER, Martin W. 2002. “Entrevista Narrativa”. In: BAUER, Martin W. e GASKELL, George. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis, RJ: Editora Vozes.

KOFES, Maria Suely. 2001. Mulher, mulheres: Identidade, diferença e desigualdade na relação entre patroas e empregadas domésticas. Campinas, SP: Editora UNICAMP.

MELO, Maria de Fatima Massena de; LIMA, Daisyvângela E. da S. e STADTLER Hulda Helena Coraciara. 2009. “O Trabalho das pescadoras artesanais: "Coisa de mulher". In: Congresso Brasileiro de Economia Doméstica, XX, 2009, Fortaleza - CE, Anais Grupo de Trabalhos GT 01 - Desenvolvimento humano, família e relações de gênero, Fortaleza - CE, 2009, p. 1-11. Disponível em: http://www.xxcbed.ufc.br/arqs/gt1/gt1_36.pdf.

PERROT, Michelle. 2005. As mulheres ou os silêncios da história. Bauru, SP: EDUSC.

QUINTAS, José Silva. 2006. Introdução à gestão ambiental pública. 2.ed. Brasília: IBAMA.

THEIS, Rafaella. 2016. “Marisqueiras” da Bacia de Campos: Relações de gênero e o trabalho da mulher na pesca artesanal no Rio de Janeiro. Campos dos Goytacazes, RJ. Dissertação UENF.

TIMÓTEO, Geraldo Marcio. 2016. “Apresentação”. In: TIMÓTEO, G.M (organizador). Educação ambiental com participação popular: avançando na gestão democrática do ambiente. Campos dos Goytacazes, RJ: FUNDENOR.

WOORTMANN, Ellen Fensterseifer. 1992. “Da Complementaridade à Dependência: Espaço, Tempo e Gênero em Comunidades ‘Pesqueiras’”, Revista Brasileira de Ciências Sociais, 18, 41-61.

Publicado

2020-12-17

Como Citar

Cezar, L. S., & Theis, R. (2020). Ser ou não ser pescadora artesanal? Trabalho feminino, reconhecimento e representação social entre marisqueiras da Bacia de Campos, RJ. Revista De Antropologia, 63(3), e178848. https://doi.org/10.11606/1678-9857.ra.2020.178848

Edição

Seção

Artigos