Governança Corporativa e a (in)credibilidade do Estado empreendedor

Autores

  • Bruno Nagem Universidade Federal de Minas Gerais

Palavras-chave:

Sociedade de economia mista, Governança corporativa, Atuação do acionista controlador, Limites, Conflitos de interesses, Conflitos de agência, Estado democrático de direito

Resumo

Através do presente estudo, busca-se analisar a positivação de diversos institutos de Governança Corporativa às Estatais através da Lei 13.303/2016 e do Decreto 8.945/16 demonstrando a mudança de postura do legislador que, com fundamento no princípio da moralidade administrativa, optou por tornar cogente a aplicação de princípios antes não positivados na legislação para dar o exemplo às demais sociedades empresárias e retomar a credibilidade inerente as sociedades estatais, o que trouxe novos desafios e entraves econômicos para o administrador público. O objetivo deste artigo é trazer uma reflexão acerca dos fundamentos da governança corporativa trazidos pela Lei 13.303/2016. Com isso, serão apontadas maiores balizas a atuação do Estado como controlador. Em termos de tipo metodológico de pesquisa, adotou-se a dogmática jurídica. Quanto aos raciocínios a serem adotados, sobressaem o indutivo-dedutivo e o dialético, sendo que os elementos até então obtidos permitirão lançar olhar crítico sobre os referidos diplomas regentes dos interesses públicos e privados, bem como sua confluência. Contudo, mesmo diante das dificuldades enfrentadas por uma estatal, o presente estudo analisou o arcabouço jurídico que a Governança Corporativa como obrigação leal no âmbito estatal, aparentando-se, mesmo com o pouco tempo de vigência da legislação como uma contribuição positiva às estatais. As peculiaridades e desafios da atuação do Estado como empreendedor são nítidas quando comparadas ao dinamismo das sociedades empresárias privadas. De toda forma, a adoção de obrigações inerentes à Governança Corporativa previstas em lei se mostra extremamente salutar a nortear e balizar a conduta de gestores e controladores de estatais.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Referências

ARAGÃO, Alexandre Santos de. Empresa Público-Privada. São Paulo: Revista dos Tribunais. vol. 890. p. 33 – 68. Dez. 2009.

BORBA, José Edwaldo Tavares. Direito Societário. 10ª ed. rev., aum. e atual., Rio de janeiro: Renovar, 2007.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

______. Decreto-lei nº 200, de 25 de fevereiro 1967. Dispõe sobre a organização da Administração Federal, estabelece diretrizes para a Reforma Administrativa e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 25 fev. 1967.

______. Lei nº 13.303, de 10 de janeiro de 2002. Dispõe sobre o estatuto jurídico da empresa pública, da sociedade de economia mista e de suas subsidiárias, no âmbito da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 30 jun. 2016.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Da administração pública burocrática à gerencial. Revista do Serviço Público, v. 120, n. 1, 1996.

CARVALHO FILHO, José dos Santos. Manual de direito administrativo. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2011. 24ª ed.

CARVALHOSA, Modesto. Comentários à lei de sociedades anônimas. São Paulo: Saraiva, 2014. 6ª ed. v. 4, tomo 1. a

_______. Comentários à lei de sociedades anônimas. São Paulo: Saraiva. 5ª ed. v 4. tomo 2. b, 2014.

COFFEE JR, John C. Gatekeepers: The Professions and Corporate Governance. New York: Oxford University Press Inc., 2006.

COMPARATO, Fabio Konder. Estado, empresa e função social. Revista dos Tribunais, São Paulo, v. 85, no 732, p. 41, out 1996.

DALLARI, Adilson Abreu. Empresa estatal prestadora de serviços públicos Natureza jurídica - repercussões tributárias. Revista de Direito Público RDP, ano 23, n. 94, p. 94-108, abr./jun. 1990.

DE LUCCA, Newton. O regime jurídico da empresa estatal no Brasil. Tese (livre-docência em Direito). Universidade de São Paulo, São Paulo, 1986.

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. 24. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

EIZIRIK, Nelson. A Lei das S/A Comentada. vol. III. São Paulo: Quartier Latin, 2011.

FRAZÃO, Ana. O abuso do poder de controle na Lei das Estatais. In NORONHA, João Otávio de; Frazão, Ana; MESQUITA, DANIEL AUGUSTO (Coord.). Estatuto Jurídico das Estatais: análise da Lei n. 13.303/2016. Belo Horizonte: Fórum, 2017. P. 107-140.

GRAU, Eros Roberto. A Ordem Econômica na Constituição de 1988. 14ª ed., São Paulo: Malheiros, 2010.

_______. Elementos de direito econômico, São Paulo, Editora Revista dos Tribunais, 1981.

HOPT, Klaus J., Comparative Corporate Governance: The State of the Art and International Regulation (February 25, 2011). American Journal of Comparative Law, Vol. 59, p. 1, Janeiro 2011, ECGI - Law Working Paper no 170/2011; < disponível em: https://ssrn.com/abstract=1713750 > acesso em 28/12/2021.

IBGC. Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Código das melhores práticas de governança corporativa. 5. ed. São Paulo: IBGC, 2015.

JUSTEN FILHO, Marçal. Curso de Direito Administrativo. 12 ed. São Paulo: Ed. RT, 2016.

_______. (organizador) Estatuto jurídico das empresas estatais: Lei 13.303/2016. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2016.

LAMY FILHO, Alfredo; e BULHÕES PEDREIRA, José Luiz (coordenação). Direito das Companhias. Rio de Janeiro: Forense, 2009.

MARTINS, Fran. Comentários à Lei das Sociedades Anônimas. Revista e atualizada por Roberto Papini.. 4ª ed. Rio de Janeiro: Forense, 2010.

MUSACCHIO, ALDO; e Sérgio G. LAZARINNI. Reinventando o capitalismo de Estado: o Leviatã nos negócios: Brasil e outros países.Tradução Afonso Celso da Cunha Serra - 1ª ed. - São Paulo : Portfolio-Penguin, 2015.

NESTER, Alexandre Wagner. O exercício do poder de controle nas empresas estatais. In: JUSTEN FILHO, Marçal (organizador). Estatuto jurídico das empresas estatais: Lei 13.303/2016. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2016, p. 121-138.

OCTAVIANI, Alessandro; e NOHARA, Irene Patrícia. Estatais. 2ª ed., São Paulo: Thomson Reuters Brasil, 2021.

OLIVEIRA, Fernão Justen de. Os administradores das empresas estatais. In: JUSTEN FILHO, Marçal (organizador). Estatuto jurídico das empresas estatais: Lei 13.303/2016. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2016, p. 141-167.

_______. O conselho de Administração nas empresas estatais. In: JUSTEN FILHO, Marçal (organizador). Estatuto jurídico das empresas estatais: Lei 13.303/2016. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2016, p. 171-182.

PARGENDLER, Mariana. The Corporate Gorvernance Obssession. Journal of Corporation Law, Vol. 42, No. 2, pp. 359-402 (2016), https://ssrn.com/abstract=2491088 ou http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.2491088 > acesso em 28/12/2021.

PINTO JUNIOR, Mário Engler. Empresa Estatal: Funções Econômicas e Dilemas Societários. 2ª Ed. São Paulo: Atlas, 2014.

SALOMÃO FILHO, Calixto. O Novo Direito Societário. 3ª ed. São Paulo: Malheiros, 2006.

SILVEIRA, Alexandre Di Miceli da. Mitos da Governança Corporativa II. Revista Capital Aberto, São Paulo, p. 70 - 71, 10 nov. 2008. https://www.capitalaberto.com.br/wp-content/uploads/2008/10/extra_governanca_corporativa.pdf.> acesso em 23/12/2021.

TONIN, Mayara Gasparoto. Sociedade de economia mista: a importância da observância do interesse privado na consecução do interesse público. Informativo Eletrônico Justen, Pereira, Oliveira e Talamini, Curitiba, n 94, dezembro de 2014, disponível em www.justen.com.br/informativo, acesso em 22/09/2017.

WALD, Arnoldo. As sociedades de economia mista e as empresas públicas no direito comparado. Revista Forense, Rio de Janeiro, v. 152, p. 510 - 523, mar./abr. 1954.

WARDE, Walfrido. O Espetáculo da Corrupção: como um sistema corrupto e o modo de combatê-la estão destruindo o país. Rio de Janeiro: Leya, 2018, p. 70-74.

Publicado

2023-05-05

Como Citar

Nagem, B. (2023). Governança Corporativa e a (in)credibilidade do Estado empreendedor. Revista De Direito Mercantil, 1(176/177), 167-194. https://www.revistas.usp.br/rdm/article/view/190979