Primeiro Movimento Do Quarteto De Cordas N.3 De Heitor Villa-Lobos: uma correspondência da forma sonata clássica numa conjuntura atonal

Autores

  • Regina Rocha Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2447-7117.rt.2020.178776

Palavras-chave:

Villa-Lobos, Quartetos de cordas, Forma sonata, Música brasileira, Música de câmara

Resumo

Este artigo apresenta apontamentos, sobre uma possível interpretação da forma sonata clássica adaptada para um contexto atonal, no primeiro movimento do Quarteto de cordas n. 3 de Heitor Villa-Lobos. No âmbito da música brasileira, Villa-Lobos foi o compositor que mais escreveu quartetos de cordas. No cenário internacional da música do século XX, sua produção está em segundo lugar em termos quantitativos. Todavia, algumas análises mais antigas com base apenas nos parâmetros da música tonal, defendem a ideia de que Villa-Lobos não utilizou a forma sonata em seus quartetos de cordas. No entanto, análises mais recentes demonstram a habilidade de Villa-Lobos em adaptar a forma sonata para um contexto não-tonal, assim como fizeram outros compositores vanguardistas. No caso do primeiro movimento do Quarteto de cordas n. 3 é possível notar a manipulação das classes de alturas que demarcam as entradas das seções, em substituição as relações tonais da forma sonata clássica. Sendo assim, torna-se patente a proficiência composicional de Villa-Lobos, ao manusear um dos gêneros mais consagrados da música de câmara europeia (Quarteto de Cordas) e uma das estruturas formais mais significativas da música ocidental (Forma Sonata).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Regina Rocha, Universidade de São Paulo

Doutoranda em Música pela Universidade de São Paulo (ECA/USP). Mestra em Música pelo Instituto de Artes da UNESP e bacharela em Regência pela mesma instituição.  Foi regente assistente da Orquestra Jovem de Caieiras e regente convidada da Sociedade Pró Música Sacra de São Paulo.



 

Referências

ALBUQUERQUE, Joel Miranda Bravo de. Simetria intervalar e rede de coleções: análise estrutural dos Choros nº 4 e Choros nº 7 de Heitor Villa-Lobos. 2014. Dissertação (Mestrado em Processos de Criação Musical) - Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014. DOI:10.11606/D.27.2014.tde-02022015-144058. Acesso em: 22 jan. 2018.

ALBUQUERQUE, Joel Miranda Bravo de. Simetria na música pós-tonal. Rede de projeções por inversão. 2018. Tese (Doutorado em Musicologia) - Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018. doi:10.11606/T.27.2018.tde-27122018-104544. Acesso em: 23. out. 2020.

CANDÈ, Roland. História universal da música. Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 1994. 1 v.

COOK, Nicholas. A guide to musical analysis. New York: Oxford University Press, xxxx. Reiprinted 2009.

ESTRELLA, Arnaldo. Os quartetos de cordas de Villa-Lobos. Rio de Janeiro: MEC, Museu Villa-Lobos, 1970.

FOURNIER, Bernard. Histoire du Quatuor à Cordes: de Haydn a Brahms. Paris: Librairie Arthème Fayard, 2000. 1 v. p. 11-33. Disponível em: <http://www.bernard-fournier-quatuor.com/extraits/HdQ1Introduction-octobre2011.pdf>. Acesso em: 02 mai. 2018.

GUÉRIOS, Paulo Renato. “Heitor Villa-Lobos e o ambiente artístico parisiense: convertendo-se em um músico brasileiro”. Mana. 2003, vol.9, n.1, pp. 81-108.

GREEN, Douglass. Form in tonal music: an introduction to analysis. New York: Schirmer G books, 1979.

Kostka, Stefan. PAYNE, Dorothy. ALMÉN, Byron. Tonal harmony: with an introduction to twentieth-century music. 7th ed. New York: McGraw-Hill, 2013.

KUHN, Thomas S. A estrutura das revoluções científicas. 9 ed. Trad. Beatriz Vianna Boeira e Nelson Boeira. São Paulo: Perspectiva, 2006.

HEGEL, Georg. Curso de estética: o sistema das artes. 2º edição. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

MASSIN, Jean. MASSIN, Brigitte. História da Música Ocidental. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997.

MOORE, Douglas. Guia dos estilos musicais: do madrigal à música moderna. Trad. Teresa Louro Pérez. Lisboa: Edições 70, 2001.

PERLE, George. Serial Composition and Atonality: An Introduction to the Music of Schoenberg, Berg and Webern. Berkeley, California: University of California Press, 1991.

ROSEN, Charles. The classical style: Haydn, Mozart, Beethoven. New York: Norton, 1998.

ROSEN, Charles. Sonata forms. New York: Norton, c1988.

SALLES, Paulo de Tarso. Organização harmônica no movimento final do Quarteto de Cordas no. 15 de Villa-Lobos. Anais do XVIII Congresso da ANPPOM. Salvador: UFBA, pp. 98-103, 2008.

SALLES, Paulo de Tarso. Quarteto de Cordas n. 10 de Villa-Lobos: Densidade Temática e Releitura da Forma-Sonata. Anais do XX Congresso da ANPPOM. Florianópolis: UDESC, pp. 1608-1615, 2010b.

SALLES, Paulo de Tarso. “Haydn, segundo Villa-Lobos: uma Análise do Primeiro Movimento do Quarteto de Cordas n.7 de Villa-Lobos”. Per Musi, Revista Acadêmica de Música, n. 25, jan-jun. Belo Horizonte: UFMG, pp. 27-38, 2012a.

SALLES, Paulo de Tarso. “Quarteto de Cordas no. 2 de Villa-Lobos: Diálogo com a Forma Cíclica de Franck, Debussy e Ravel”. Música Hodie, v.12 n. 1. Goiânia: UFG, pp. 25-43, 2012b.

ORFEU, v.2, n.1, jul. de 2017

P. 68 de 97

ORFEU. “O Quarteto de Cordas n.8 (1944) de Villa-Lobos: neoclassicismo e invenção”. Revista Orfeu, v. 2 n.1. UDESC, pp. 68-97, 2017a.

ORFEU. Inventando uma tradição: os quartetos de Villa-Lobos. Libreto do Box com os CDs “Villa-Lobos – Quartetos de Cordas – Quarteto Bessler-Reis e Quarteto Amazônia”, São Paulo: Selo SESC, CDSS 0091/17, 92p, 2017b.

ORFEU. A forma sonata nos quartetos de Villa-Lobos. In: Salles, Paulo de Tarso e Dudeque, Norton (Org.). Villa-Lobos, um compêndio: novos desafios interpretativos. Curitiba: Editora UFPR, 2017c.

TARASTI, Eero. Villa-Lobos the life and works 1887-1959. Jefferson, North Carolina: McFarland & Company, 1995.

VILLA-LOBOS. Autobiografia. Presença de Villa-Lobos. Rio de Janeiro: MEC/Museu Villa-Lobos, 1969 [1957].

VISCONTI, Ciro. Simetria nos Estudos para violão de Villa-Lobos. Jundiaí: Paco Editorial, 2016.

Downloads

Publicado

2020-12-21

Como Citar

Rocha, R. (2020). Primeiro Movimento Do Quarteto De Cordas N.3 De Heitor Villa-Lobos: uma correspondência da forma sonata clássica numa conjuntura atonal. Revista Da Tulha, 6(2), 119-151. https://doi.org/10.11606/issn.2447-7117.rt.2020.178776

Edição

Seção

Artigo