Dona Nobis Pacem Op. 28, de Lindembergue Cardoso: análise interpretativa para montagem da obra em formato remoto

Autores

  • Denise Castilho de Oliveira Cocareli Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes

DOI:

https://doi.org/10.11606/rm.v23i1.212266

Palavras-chave:

Lindembergue Cardoso, Coro Virtual, Análise Musical, Repertório Coral Brasileiro do Século XX, Música Coral

Resumo

Este trabalho apresenta resultados parciais de pesquisa de doutorado em andamento. Propomos uma análise interpretativa da peça Dona Nobis Pacem Op. 28 (1973), para coro a cappella a seis vozes (SSMsTTB), de Lindembergue Cardoso (1939-1989), elaborada para a montagem da obra em formato remoto, a partir de gravações individuais de coralistas junto ao Coro de Câmara Comunicantus. Para a análise utilizamos como principal ferramenta o Referencial de Análise Silva Ramos (2003), abordagens propostas por Rink (2019) e autores que tratam da produção de Lindembergue Cardoso, como Pérez (2009) e Gomes (2002). O trabalho está dividido em três partes: primeiro apresentamos o processo de escolha da obra, tendo em vista o momento singular em que a montagem aconteceu e entendendo, também, a escolha do repertório como uma importante decisão analítica e interpretativa do performer; na segunda parte trazemos uma visão geral da peça com suas principais características musicais, seus aspectos contextuais, questões notacionais e a grande estrutura formal; na terceira parte abordamos o tratamento dado aos materiais musicais de forma mais específica, a partir da divisão formal estabelecida. Como parte das considerações finais, observamos que o compositor adota diferentes procedimentos composicionais, tendo como objetivo central o desenvolvimento de novas texturas e exploração timbrística. Também observamos que as condições estabelecidas pelo distanciamento social durante a pandemia de Covid-19 modificaram as possibilidades de montagem de repertório, mas não necessariamente diminuíram a qualidade artística e o nível técnico. Junto com as inúmeras adaptações emergiram novos conhecimentos e diferentes abordagens pedagógicas e possibilidades interpretativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BENDALL, Cole. Defining the Virtual Choir. The Choral Journal. American Choral Directors Association. v. 61, n. 5, p. 69-77, dec. 2020. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/10.2307/27035011 (acesso em abril 2023).

CARDOSO, Lindembergue. Dona Nobis Pacem Op. 28. Coro (SSMsTTB). Cópia xerográfica de manuscrito autógrafo. 5p. 1973.

ERICSON, Eric; OHLIN, Gösta; SPANGBERG, Lennart (1976). Choral Conducting. New York: Walton Music Corporation, 1976.

GALLO, José Antonio; GRAETZER, Guillermo; NARDI, Héctor; RUSSO, Antonio. El Director de Coro. 2ª.ed. Buenos Aires: Melos de Ricordi Americana, 2006.

GARRETSON, Robert L. Conducting Choral Music. New Jersey: Prentice Hall, 1998.

GOMES, Wellington. Grupo de Compositores da Bahia: Estratégias Orquestrais. Salvador: UFBA, 2002.

IGAYARA-SOUZA, Susana Cecília. Coro Virtual: de Eric Whitacre aos coros amadores. Reflexão sobre a prática coral em tempos de isolamento social. Material didático produzido para a disciplina História do Repertório Coral. Departamento de Música, ECA-USP, 2002. Disponível em: https://usp-br.academia.edu/SusanaIgayaraSouza (acesso em abril/2023)

KOHUT, Daniel L.; GRANT, Joe W. Learning to Conduct and Rehearse. Englewood Cliffs, New Jersey: Prentice Hall, 1990.

MOURA, Paulo. Música informal brasileira: estudo analítico e catálogo de obras. São Paulo: Ed. UNESP, 2011.

NOGUEIRA, Ilza. Officium Sepulchri, de Ernst Widmer: Comentários analíticos. In: Widmer, Ernst. Officium Sepulchri: Diálogo do Anjo com as Três Mulheres. Série “Marcos Históricos da Composição Contemporânea na UFBA”, n. 1, Partitura (17p.), p. 11-18 (comentários analíticos), Salvador: EMUS/UFBA, 2001.

NOGUEIRA, Ilza. Lindembergue Cardoso: Catálogo de Obras. 2009. Marcos Históricos da Composição Contemporânea na UFBA / Série Catálogos-Web / Volume 2. 1.ª Edição. Salvador: UFBA/PPGMUS, 2009.

NOGUEIRA, Ilza. Lindembergue Cardoso: aspectos de uma obra plural. Per Musi, Belo Horizonte, n.25, 2012, p.7-26.

OLIVEIRA, Paula. Grupo de Compositores da Bahia (1966-1974): Desenvolvimento e identidade. 202p. Leonardo Boccia (orientador). Dissertação (Mestrado em Estudos Multidisciplinares em Cultura). Programa de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade, Faculdade de Comunicação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2010.

PÉREZ, Roberto Alejandro. Lindembergue Cardoso: técnicas e atitudes composicionais – o estudante e o compositor. 2009. 490 p. Tese (Doutorado em Música e Musicologia) − Departamento de Música, Universidade de Évora, 2009.

RAMOS, Marco Antônio da Silva. O uso musical do silêncio. In: Revista Música, São Paulo, v.8, n.1/2, p. 129-168, maio/nov.1997.

RAMOS, Marco Antônio da Silva. O ensino da regência coral. São Paulo: USP, 2003. Tese (Livre Docência) Escola de Comunicações e Artes da USP, 2003.

RIBALTA. José Luiz Chamorro. A construção interpretativa em ambiente coral virtual: Tecnologia, criatividade e didática na busca por resultados artísticos. 2v. Marco Antonio da Silva Ramos (orientador). Tese (Doutorado em Regência Coral). Programa de Pós-Graduação em Música. Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2022.

RINK, John. Análise e (ou?) performance. In: CHUEKE, Zelia (org. e trad.). Leitura, Escuta e Interpretação. Livro Digital. Curitiba: Editora UFPR, 2019.

THOMAS, Kurt. The Choral Conductor. New York: American Choral Review, 1971.

Downloads

Publicado

2023-09-01

Como Citar

Cocareli, D. C. de O. (2023). Dona Nobis Pacem Op. 28, de Lindembergue Cardoso: análise interpretativa para montagem da obra em formato remoto. Revista Música, 23(1), 327-369. https://doi.org/10.11606/rm.v23i1.212266

Edição

Seção

Dossiê Temático: Música e relações étnico-raciais