Tornar visível o invisível: a aprendizagem escolar da leitura como um problema de percepção e de esquecimento

Autores

  • Patrícia Aparecida do Amparo Universidade de São Paulo. Faculdade de Educação

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.i137p59-72

Palavras-chave:

Práticas de leitura, Aprendizagem, Ensino médio

Resumo

A partir da percepção e do esquecimento como metáforas, o ensaio tem como objetivo discutir a aprendizagem da leitura escolar, considerando que, para além de indícios de práticas, trata-se de um problema de reconhecimento da aprendizagem pelos sujeitos. As condições da aprendizagem parecem transitar por caminho que conduz a uma reflexão dos quadros do que é concebível – como algo a ser legitimamente ensinado e aprendido – e dos processos de esquecimento das práticas e representações não desejadas. Para tanto, dialoga com as formulações de Bernard Lahire e com estudantes do ensino médio, buscando configurar um ponto de vista que articula reflexões sociológicas, didáticas e experiências pessoais. O ensaio aposta na ideia de que tornar visíveis referências de leitura invisíveis no espaço escolar seria caminho promissor para a ampliação da compreensão do que se pode aprender nas instituições educativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrícia Aparecida do Amparo, Universidade de São Paulo. Faculdade de Educação

Professora do Departamento de Metodologia de Ensino e Educação Comparada (EDM) da Faculdade de Educação da USP

Referências

AMÂNDIO, S. “Entrevista com Bernard Lahire: do homem plural ao mundo plural”. Análise Social, XLVII (202), 2012.

AMÂNDIO, S. “O fio constitutivo da sociologia empírica de Bernard Lahire”. Sociologia, Programas e Práticas (on-line), n. 76, 2014.

AMPARO, P. A. do. Práticas de leitura em conflito no cotidiano escolar. Curitiba, Appris, 2021.

ARBEX, M. Sobrevivências da imagem na escrita: Michel Butor e as artes. Belo Horizonte, Relicário, 2020.

AZANHA, J. M. P. “Cultura escolar brasileira: um programa de pesquisas”. Revista USP, n. 8. São Paulo, 1990/1991, pp. 65-9.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Petrópolis, Vozes, 2014.

CATANI, D. B. “Por uma pedagogia da pesquisa educacional e da formação de professores na universidade”. Educar em Revista, vol. 37. Curitiba, 2010, pp. 77-92.

CATANI, D. B.; AMPARO, P. A. do; CÂNDIDO, R. M. “Um menino fala de afetos, fala da escola, dos professores, dos médicos e dos psicólogos: refletir com o livro ‘Quando tinha cinco anos eu me matei’, de Howard Buten”. Cadernos de Pesquisa, vol. 28, n. 4. São Luís, 2021, pp. 509-28.

JULIA, D. “A cultura escolar como objeto histórico”. Revista Brasileira de História da Educação, n. 1. Campinas, 2001, pp. 9-43.

LAHIRE, B. La raison scolaire: école et pratiques d’écriture, entre savoir et pouvoir. Rennes, Presses Universitaires de Rennes, 2008.

LAHIRE, B. Sucesso escolar nos meios populares: as razões do improvável. São Paulo, Ática, 2004.

NOT, L. As pedagogias do conhecimento. São Paulo, Difel, 1981.

PEREIRA, L. A escola numa área metropolitana. 2ª ed. São Paulo, Pioneira, 1976.

SILVA, O. V. da; BERNAVA AGUILLAR, C. M. “Considerações sobre a história da forma escolar e a pedagogização das relações sociais”. Revista Educação, Pesquisa e Inclusão, vol. 1. Boa Vista, 2020, pp. 131-44.

SONNET, M. “Uma filha para educar”, in G. Duby; M. Perrot. História das mulheres no Ocidente. Porto, Afrontamento, 1994.

VINCENT, G. L’école primaire française: étude sociologique. Lyon, Presses Universitaires de Lyon, 1980.

VINCENT, G.; LAHIRE, B.; THIN, D. “Sobre a história e a teoria da forma escolar”. Educaçãoem Revista, n. 33. Belo Horizonte, 2001, pp. 7-47.

Downloads

Publicado

2023-07-24

Como Citar

Amparo, P. A. do. (2023). Tornar visível o invisível: a aprendizagem escolar da leitura como um problema de percepção e de esquecimento. Revista USP, (137), 59-72. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.i137p59-72

Edição

Seção

Dossiê Vida escolar