O posto e seu oposto: reflexões sobre a morfose tecnológica de um novo arranjo produtivo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/1984-4506.risco.2022.186641

Palavras-chave:

matriz produtiva, tecnologia, materiais naturais

Resumo

Partindo de uma abordagem analítica acerca das características que conformam o atual modelo produtivo e seus arranjos na cadeia da construção civil, o artigo propõe um conjunto de reflexões teóricas quanto às possibilidades de recomposição produtiva, apontando para um novo arranjo pautado por distintas relações de produção dos materiais de construção e outras perspectivas sociotécnicas de aplicação. A morfose tecnológica de uma nova matriz produtiva configura-se como condição impreterível diante dos colapsos ambientais e das crises sociais factuais. Nesta orientação, a reinserção dos materiais naturais, de baixo impacto ambiental, como disparadores de novos arranjos produtivos, potencializa a reapropriação dos produtores da fabricação dos materiais e componentes construtivos, expandindo suas condições de autonomia produtiva, portadora de princípios educativos, criativos e emancipatórios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Lopes Ferreira, Universidade de São Paulo. Instituto de Arquitetura e Urbanismo

Thiago Lopes Ferreira é Arquiteto e Urbanista, pesquisador de pós doutorado no Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo IAU-USP e membro do Grupo de Pesquisa em Habitação e Sustentabilidade - HABIS.

João Marcos de Almeida Lopes , Universidade de São Paulo. Instituto de Arquitetura e Urbanismo

João Marcos de Almeida Lopes é Arquiteto e Urbanista, professor titular do Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo IAU-USP e coordenador do Grupo de Pesquisa em Habitação e Sustentabilidade - HABIS.

Referências

ACOSTA, A. Extrativismo e neoextrativismo, in DILGER, G., LANG, M., FILHO, J. P. (Orgs.). Descolonizar o imaginário: debates sobre pós-extrativismo e alternativas ao desenvolvimento. Tradução Igor Ojeda. São Paulo: Fundação Rosa Luxemburgo, 2016.

ACSELRAD, H. (org.). A duração das cidades: sustentabilidade e risco nas políticas urbanas. 2°ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2009.

ACSELRAD, H.; MELLO, C. C. A.; BEZERRA, G. N. O que é justiça ambiental. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

ARÁOZ, H. M., PERES, J. Mineração, genealogia do desastre: O extrativismo na América como origem da modernidade. Brasil: Editora Elefante. 2020.

BODEN, T.A., MARLAND, G., ANDRES R.J. Global, Regional, and National Fossil-Fuel CO2 Emissions. Carbon Dioxide Information Analysis Center, Oak Ridge National Laboratory, U.S. Department of Energy, Oak Ridge, Tenn., U.S.A., 2017. Doi 10.3334/CDIAC/00001_V2017.

BURCK, J., HAGEN, U., BALS, C., HÖHNE, N., NASCIMENTO, L. Results Climate Mitigation Efforts of 57 Countries plus the EU. Covering 90% of the Global Greenhouse Gas Emissions. Climate change performance index CCPI. Germany, 2021. Disponível em: <https://ccpi.org/download/the-climate-change-performance-index-2021/>.

CORIAT, B. O processo de trabalho do tipo ‘canteiro’ e sua racionalização. Ata do Colóquio “Le travail en chantiers”. São Paulo: mimeo (tradução Jorge Oseki, revisão João Sette Whitaker Ferreira), 1983.

FERRO, S. Arquitetura e trabalho livre. São Paulo, SP: Cosac Naify., 2006.

INTERGOVERNMENTAL PANEL ON CLIMATE CHANGE. Climate Change 2013 The Physical Science Basis Working. Group I Contribution to the Fifth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change. CAMBRIDGE UNIVERSITY PRESS, 2013. https://www.ipcc.ch/site/assets/uploads/2017/09/WG1AR5_Frontmatter_FINAL.pdf>

LOW CARBON ECONOMY INDEX. Is Paris possible? Publicação PWG France, 2017. Disponível em: <https://www.pwc.co.uk/sustainability-climate-change/assets/pdf/lcei-17-pdf-final-v2.pdf>

MEDEIROS, J.L., BARRETO, E.S. Lukács e Marx contra o “ecologismo acrítico”: por uma ética ambiental materialista. Economia e Sociedade, Campinas, v. 22, n. 2 (48), p. 317-333, agosto, 2013.

OXFAM. Extreme carbon inequality. Why the Paris climate deal must put the poorest, lowest emitting and most vulnerable people first. OXFAM MEDIA BRIEFING, 2015. Disponível em: <https://www-cdn.oxfam.org/s3fs-public/file_attachments/mb-extreme-carbon-inequality-021215-en.pdf>

SIMONDON, G. Do modo de existências dos objetos técnicos, Rio de Janeiro: Contraponto, 2020.

SIMONDON, G. Sur la technique. Presses Universitaires de France, Puf, Paris, France, 2014.

TERNER, I. D., Technology and autonomy, in TURNER, J. e FICHTER; R., Freedom to build: Dweller Control of the Housing Process, Collier Macmillian, New York, - John F C Turner & Robert Fichter, eds., 1972.

Downloads

Publicado

2022-09-20

Como Citar

Ferreira, T. L., & Lopes , J. M. de A. . (2022). O posto e seu oposto: reflexões sobre a morfose tecnológica de um novo arranjo produtivo. Risco Revista De Pesquisa Em Arquitetura E Urbanismo (Online), 20, 1-15. https://doi.org/10.11606/1984-4506.risco.2022.186641

Edição

Seção

Artigos e Ensaios

Dados de financiamento