Efeitos de um programa domiciliar de exercícios após um treinamento resistido supervisionado em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica

Autores

  • Giovana N. Bertolini Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Departamento de Fisioterapia
  • Dionei Ramos Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Departamento de Fisioterapia
  • Marceli R. Leite Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Departamento de Fisioterapia
  • Luiz Carlos Soares de Carvalho Junior Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Departamento de Fisioterapia
  • Ana Paula C. F. Freire Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Departamento de Fisioterapia
  • Fabiano Francisco de Lima Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Departamento de Fisioterapia
  • Bruna Spolador de Alencar Silva Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Departamento de Fisioterapia
  • Carlos Marcelo Pastre Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Departamento de Fisioterapia
  • Ercy Mara C. Ramos Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Departamento de Fisioterapia

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v49i4p331-337

Palavras-chave:

DPOC. Tratamento Domiciliar. Treinamento de Resistência. Qualidade de Vida

Resumo

Desenho do estudo: ensaio clínico. Objetivo: Avaliar os efeitos de um programa de exercícios resistidos em domicílio, com tubos elásticos, após o treinamento resistido supervisionado sobre a força muscular periférica e qualidade de vida de pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC). Métodos: O estudo incluiu 22 pacientes com DPOC, com idade entre 55-70 anos. A força muscular periférica e a qualidade de vida foram avaliados por meio da dinamometria e do questionário Chronic Respiratory Questionare (CRQ), respectivamente, após o programa de treinamento de resistência supervisionado, e, em seguida, os pacientes foram divididos em dois grupos: tratamento domiciliar (n = 10) e controle (n = 12). Após 16 semanas, as avaliações foram repetidas. Resultados: O treinamento resistido em domicílio não mostrou aumento significativo sobre a força muscular periférica e qualidade de vida, no entanto, foi capaz de manter os ganhos obtidos após o programa de treinamento supervisionado. Conclusão: A continuidade do tratamento em domicílio não promoveu melhorias adicionais após o protocolo, uma vez que os ganhos foram mantidos nos dois grupos avaliados após 4 meses

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giovana N. Bertolini, Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Departamento de Fisioterapia

Discente do Departamento de Fisioterapia, Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista (UNESP) Presidente Prudente

Dionei Ramos, Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Departamento de Fisioterapia

Professor Doutor do Departamento de Fisioterapia, Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista (UNESP) Presidente Prudente

Marceli R. Leite, Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Departamento de Fisioterapia

Discente do Departamento de Fisioterapia, Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista (UNESP) Presidente Prudente

Luiz Carlos Soares de Carvalho Junior, Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Departamento de Fisioterapia

Discente do Departamento de Fisioterapia, Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista (UNESP) Presidente Prudente

Ana Paula C. F. Freire, Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Departamento de Fisioterapia

Discente do Departamento de Fisioterapia, Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista (UNESP) Presidente Prudente

Fabiano Francisco de Lima, Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Departamento de Fisioterapia

Discente do Departamento de Fisioterapia, Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista (UNESP) Presidente Prudente

Bruna Spolador de Alencar Silva, Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Departamento de Fisioterapia

Discente do Departamento de Fisioterapia, Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista (UNESP) Presidente Prudente

Carlos Marcelo Pastre, Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Departamento de Fisioterapia

Professor Doutor do Departamento de Fisioterapia, Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista (UNESP) Presidente Prudente

Ercy Mara C. Ramos, Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Departamento de Fisioterapia

Professor Doutor do Departamento de Fisioterapia, Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista (UNESP) Presidente Prudente

Downloads

Publicado

2016-11-11

Como Citar

1.
Bertolini GN, Ramos D, Leite MR, Carvalho Junior LCS de, Freire APCF, Lima FF de, Silva BS de A, Pastre CM, Ramos EMC. Efeitos de um programa domiciliar de exercícios após um treinamento resistido supervisionado em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica. Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 11 de novembro de 2016 [citado 18 de janeiro de 2022];49(4):331-7. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/122724

Edição

Seção

Artigo Original
Bookmark and Share

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)