Caracterização do perfil de resistência do Mycobacterium tuberculosis isolado de pacientes da cidade de Beira, Sofala - Moçambique

Autores

  • Evangelina Inácio Namburete Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto
  • Miguelhete Lisboa Centro de Investigação Operacional da Beira
  • Inês Tivane Hospital Central da Beira. Laboratório de Tuberculose
  • Lee Harrison University of Pittburgh
  • Valdes Roberto Bollela Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v49i4p338-343

Palavras-chave:

Mycobacterium tuberculosis. Resistência a Fármacos. Isoniazida

Resumo

Objetivo: Avaliar o perfil de resistência do Mycobacterium tuberculosis isolado de pacientes da cidade de Beira, Sofala, Moçambique. Método: Estudo descritivo transversal, que analisou dados secundários de pacientes que tiveram cultura positiva para M. tuberculosis MGIT960-BACTEC™. Para cada isolado foram revistos dados demográ- ficos do respetivo paciente, a sorologia para o vírus da imunodeficiência humana (HIV), o resultado do teste rápido molecular (TRM) - GeneXpertα-Cepheid e o teste de fenotípico de sensibilidade aos fármacos (TS) de primeira linha. Os testes foram realizados no Laboratório de Referência para tuberculose na cidade de Beira, Moçambique no período de Janeiro de 2014 a Março de 2015. Resultados: Foram analisadas 87 isolados de M. tuberculosis de pacientes da província de Sofala, Moçambique. Desses, 33/87 (37,9%) apresentaram algum tipo de resistência do bacilo aos fármacos anti-TB, enquanto que em 54/87 (62,1%) a resistência não foi detectada. Dos 33 isolados com resistência: 18/33 (54,7%) foram classificados como multidrogarresistentes (TB-MDR), 11/33 (33,3%) monorresistentes à isoniazida(INH), e 2/33 (6%) monorresistentes à rifampicina (RMP) e 2/33 (6%) resistentes ao Etambutol. Do total de isolados com resistência à INH, 5/11 (42%) também apresentavam resistência à estreptomicina (Sm). De 49 pacientes que fizeram sorologia para HIV, 30/49 (61,2%) tinham infecção confirmada pelo HIV, sendo esta duas vezes mais frequente entre os pacientes portadores do Mycobacterium tuberculosis resistente do que naqueles com bacilo sensível. Todos isolados resistentes a RIF e INH eram pacientes com história prévia de tratamento para TB . Conclusão: Observa-se uma alta proporção de coinfecção HIV/TB entre pacientes portador de cepas do M. tuberculosis monorresistente ou MDR. Além de alta taxa de monorresistencia à isoniazida, e a associação entre resistência concomitante à INH e Sm

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Evangelina Inácio Namburete, Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto

Médica; Mestranda em Clínica Médica da FMRP-USP

Miguelhete Lisboa, Centro de Investigação Operacional da Beira

Médico; Centro de Investigação Operacional da Beira

Inês Tivane, Hospital Central da Beira. Laboratório de Tuberculose

Bióloga; Laboratório de Tuberculose do Hospital Central da Beira

Lee Harrison, University of Pittburgh

Médico; Professor Associado da GSPH - University of Pittburgh, USA

Valdes Roberto Bollela, Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto

Médico; Professor Doutor da Divisão de Moléstias Infecciosas e Tropicais da FMRP-USP – Ribeirão Preto

Downloads

Publicado

2016-11-11

Como Citar

1.
Namburete EI, Lisboa M, Tivane I, Harrison L, Bollela VR. Caracterização do perfil de resistência do Mycobacterium tuberculosis isolado de pacientes da cidade de Beira, Sofala - Moçambique. Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 11 de novembro de 2016 [citado 25 de janeiro de 2022];49(4):338-43. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/122725

Edição

Seção

Artigo Original
Bookmark and Share

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)