Qualidade de vida e eventos adversos de pacientes com epilepsia farmacorresistente em uso de lamotrigina

Autores

  • André de Oliveira Baldoni Universidade Federal de São João Del-Rei
  • Priscila Freitas-Lima Centro Universitário Barão de Mauá
  • Veriano Alexandre Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto
  • Karolini de Faria Mota
  • Edson Zangiacomi Martinez Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto
  • Americo Ceiki Sakamoto Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto
  • Leonardo Regis Leira Pereira Universidade de São Paulo. Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v51i3p177-188

Palavras-chave:

Lamotrigina, Epilepsia Resistente a Medicamentos, Qualidade de Vida, Efeitos Colaterais e Reações Adversas Relacionados a Medicamentos

Resumo

Modelo do estudo: Estudo transversal. Introdução: O tratamento farmacológico é a primeira opção para o tratamento da epilepsia, e cerca de 40% dos pacientes necessitam de politerapia para melhor controle das crises epilépticas, o que pode estar associado ao aumento de eventos adversos e comprometimento da qualidade de vida. Objetivos: Avaliar a qualidade de vida de pacientes com epilepsia farmacoresistente em uso de lamotrigina (LTG), bem como verificar a associação dos eventos adversos dos antiepilépticos com a qualidade de vida. Metodologia: Este estudo transversal foi realizado com 75 pacientes com epilepsia farmacorresistente em uso LTG atendidos em um Ambulatório de Epilepsia de Difícil Controle de Ribeirão Preto-SP, no período de maio/2011 a abril/2012. As variáveis clínicas analisadas foram a qualidade de vida (Quality of Life in Epilepsy - Qolie-31) e o perfil de eventos adversos (AEP – Adverse Events Profile Questionnaire). Dados sociodemográficos e farmacoterapêuticos foram coletados através dos prontuários dos pacientes. Este trabalho foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (HCFMRP-USP), cujo número do processo é 8791/2010. Resultados: Os eventos adversos mais frequentes foram sonolência e dificuldade de concentração. Além disso, observou-se baixos escores em todos os domínios relacionados à qualidade de vida (Qolie-31). Conclusão: A qualidade de vida possui associação inversamente significativa com os eventos adversos, nos pacientes em uso de antiepilépticos (p<0,01).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André de Oliveira Baldoni, Universidade Federal de São João Del-Rei

Docente, Universidade Federal de São João Del-Rei (UFSJ)

Priscila Freitas-Lima, Centro Universitário Barão de Mauá

Docente do Centro Universitário Barão de Mauá e da Faculdade de Taquaritinga

Veriano Alexandre, Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto

Doutor pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo

Karolini de Faria Mota

Farmacêutica, mestre pela Universidade Federal de São João Del-Rei

Edson Zangiacomi Martinez, Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto

Docente, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto

Americo Ceiki Sakamoto, Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto

Docente, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto

Leonardo Regis Leira Pereira, Universidade de São Paulo. Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto

Docente, Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto

Downloads

Publicado

2018-11-22

Como Citar

1.
Baldoni A de O, Freitas-Lima P, Alexandre V, Mota K de F, Martinez EZ, Sakamoto AC, Pereira LRL. Qualidade de vida e eventos adversos de pacientes com epilepsia farmacorresistente em uso de lamotrigina. Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 22 de novembro de 2018 [citado 21 de fevereiro de 2024];51(3):177-88. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/152031

Edição

Seção

Artigo Original
Bookmark and Share